Os curdos sírios precisam mais que armas: apoio político

lewis_syrian_kurdish_fighters_850_571Fornecendo armas sem apoio diplomático, os EUA correm o risco de aumentar as tensons na Turquia e Síria.

Por Patrick Lewis

A administraçom Obama está considerando um plano para armar mais os curdos -quem muitos em Washington chamam “o nosso parceiro mais eficaz no terreno” na Síria-a fim de incentivar a participaçom curda em umha próxima ofensiva contra o ISIS em Raqqa. Duas semanas atrás, o Chicago Tribune publicou um editorial apoiando este plano -no título proclamou isso como “Primeiro Passo” para “a Estabilidade de Síria.” E nos debates presidenciais, incluso, Hillary Clinton tem defendido um plano semelhante a noite passada.

Expulsar o ISIS de Raqqa, a maior cidade da Síria sob o control do grupo e a sua capital auto-declarada, tem sido o objetivo militar principal dos EUA na Síria desde o início da sua intervençom em 2014. Raqqa tem agora (nas mentes dos líderes políticos e militares dos EUA, polo menos) umha grande importância simbólica na guerra contra o ISIS. Assim nom é nengumha surpresa quando o Tribune declara que as muitas complicaçons e perigos de enviar ainda mais armas para os curdos podem ser deixadas de lado: “O que é importante agora é a derrubada do Estado Islâmico de Raqqa.”

Mas em chamar para mais carregamentos de armas para Síria sem qualquer semelhança a um plano para umha soluçom política a 5 anos de conflito nem o ainda mais o conflito entre a Turquia e os curdos -o Tribune está reforçando os piores aspectos da política dos EUA na regiom. Esta política continua a sestar excessivamente focada em alcançar vitórias militares de curto prazo à custa de acordos políticos de longo prazo, sem a qual umha paz duradoura é impossível. Além do mais, esta política irá quase certamente nom conseguer atingir até mesmo os objetivos limitados que se propôm, ou seja, a captura de Raqqa.

O que é necessário é o diálogo em torno das exigências curdas de um sistema federal na Síria (com autonomia local para os curdos e outras minorias); sem isso, as armas simplesmente vam privilegiar umha soluçom militar mais que a diplomática. Provavelmente vai reforçar as facçons mais combativas e radicais entre a liderança curda enquanto continua a marginalizar muitos dos líderes políticos e da sociedade civil mais responsáveis polas experiências em curso na democracia participativa radical que inspiraram admiraçom tanto de esquerdistas como liberais ocidentais.

Aldar Xelil, um membro do comitê executivo do TEV-DEM (uma organizaçom guarda-chuva que coordena grupos da sociedade civil na Rojava), fai questom similar em umha entrevista recente. Quando perguntado sobre a promessa de Clinton durante os debates para armar os aliados árabes e curdos da América na Síria, Xelil respondeu: “Claro que é importante dar apoio às forças curdas. No entanto, este apoio nom pode ser limitado a ajuda militar. Qualquer apoio que será o passo seguinte deve ser fornecido em todas as áreas; ou seja, deve ser um apoio político, diplomático, económico e social.”

Xelil cita a exclusom sistemática do PYD -o partido curdo predominante em Rojava- das conversaçons de paz de Genebra sobre a Síria. Umha percepçom cada vez mais comum em Rojava é que a América tem bloqueado repetidamente a participaçom do PYD nestas conversaçons em deferência ao seu aliado da OTAN: Turquia. (O PYD é um aliado próximo ao Partido dos Trabalhadores do Curdistam (PKK), que trava umha insurgência de três décadas contra o Estado turco no Sudeste do país.)

No final de agosto, os EUA deram o seu apoio à incursom transfronteiriça da Turquia para a Síria, para atacar o ISIS até o sul de Jarabulus. No entanto, é amplamente reconhecido (incluindo o próprio Presidente Turco Erdogan) que os curdos e os seus cantons autónomos de Rojava também eram um objetivo primário. Assim, nom foi umha surpresa para ninguém que em poucos dias de intervençom da Turquia, as Forças Democráticas Sírios (SDF) estiveram luitando com os soldados turcos ao sul de Jarabulus.

O Tribune afirma que a Turquia pode ser consolada por umha promessa dos EUA de que “os curdos nom estariam recebendo artilharia pesada, so armas ligeiras e muniçons.” Isso é totalmente absurdo, e como um insulto à inteligência dos curdos sírios -tanto como é para a Turquia. Mais as armas sem diplomacia no norte da Síria correm o risco de inflamar as tensons ainda mais tanto em Síriacoma na Turquia, onde o governo tem vindo a empreender umha nova “guerra suja” contra a sua própria povoaçom curda. Dúzias de milheiros de pessoas foram deslocadas e bairros inteiros deixados em ruínas, enquanto o governo americano se mantivo praticamente em silêncio.

Os combates travados na Turquia vinherom depois de um processo de paz de vários anos entre a Turquia e o PKK que se desfixo no verao passado, em grande parte devido as tensons sobre os ganhos dos curdos na Síria. Isto é em parte culpa dos Estados Unidos, quem nom conseguiu ver como a sua política de apoio militar às SDF estava desestabilizar o processo de paz na Turquia.

Nom só a Turquia está descontente, se os curdos recebem mais armamento dos EUA, mas nom há nengumha evidência de que os curdos queiram chegar a isse acordo tampouco. Enquanto os Estados Unidos nom estam dispostos a empurrar a Turquia em direçom a um acordo global com os partidos curdos na Turquia e Síria, é perfeitamente irracional esperar que os curdos enviem os seus luitadores a Raqqa (onde centos poderiam morrer) so em troca de ” armas ligeiras e muniçons.”

Na verdade, no final de agosto, Asya Abdullah, a co-presidente do PYD, anunciou que nom haveria nengumha operaçom curda contra Raqqa enquanto a incursom da Turquia na Síria continuara.

Da mesma forma, ainda no mês passado, Polat Can, o representante oficial das YPG (o grupo dominante nas SDF) descartou explicitamente a participaçom do grupo em umha operaçom desse tipo desde que os EUA e os seus aliados ocidentais continuaram a negar o reconhecimento para o projecto político dos curdos em Rojava. “Nom somos um grupo paramilitar”, dixo-lhe ao jornalista de Washington Mutlu Civiroglu. “Nom podemos dizer ao nosso povo que nos deixe ir e luitar, sacrificar muitos de [nossos] homens e mulheres jovens [e] entom nom termos o direito de falar. Nosso povo nom vai aceitar isso e ninguém aceitaria isso.”

E depois de uma recente visita ao líder preso do PKK Abdullah Ocalan -umha das principais influências e figuras simbólicas por trás dos recentes acontecimentos políticos de Rojava- o irmao de Ocalan dixo que Ocalan pensa que a atual política dos EUA para Rojava tem o objetivo de enfraquecer a Turquia e os curdos sírios, jogando as duas umha contra a outra.

“Se os Estados Unidos nom queriam que [Turquia] “fôsse a Síria, teria dito Ocalan, “Turquia nom teria ido para a Jarabulus”. Na estimativa de Ocalan (e na estimativa de muitos dentro da liderança curda em Rojava ), os EUA é mais de conteúdo para usar os curdos como umha peça de negociaçom nas suas tentativas de controlar o governo de Erdogan e fortalecer a sua própria posiçom na Síria, ao mesmo tempo apoiando aos combatentes curdos para ganhar pontos de publicidade muito necessários na sua batalha contra o ISIS.

Independentemente das suas reais intençons, o duplo jogo da América na Síria nom está enganando ninguém. Nom pode continuar a apoiar às duas partes em conflito através de um foco míope na sua guerra contra o ISIS. Se nom conseguir encontrar umha soluçom política para o conflito, um conflito turco-curdo que tem ignorado durante décadas- mais sucessos militares contra o ISIS serám praticamente impossíveis.

Na ausência de um esforço diplomático sério para levar a Turquia e o PKK de volta à mesa de negociaçons e medidas reais em direçom a algumha forma de reconhecimento para o projeto político dos curdos em Rojava, a crise no norte da Síria só vai aprofundar ainda mais, abrindo a porta a umha ainda maior conflagraçom regional. OS EUA nom deveriam derramar mais gasolina no fogo.

 

Patrick Lewis é um estudante de Doutoramento de antropologia da Universidade de Chicago que trabalha na Turquia e o Curdistam.

Publicado em in the times.

 

Deixa unha resposta

O teu enderezo electrónico non se publicará Os campos obrigatorios están marcados con *