“Toda mulher livre é um país livre”: Declaraçom das YPJ polo Dia Internacional da Mulher

O Comando Geral das Unidades de Proteçom da Mulher de Rojava (YPJ) divulgou umha declaraçom polo 8 de março, Dia Internacional da Mulher. A declaraçom foi feita na presença de dúzias de combatentes e comandantes das YPJ em Serêkaniyê este luns.

A declaraçom do Comando Geral das YPJ rendeu homenagem à história da luita das mulheres e começou por comemorar as mulheres que a iniciarom.

“O 8 de março de 1857, 129 trabalhadoras textis [de New York] forom queimadas vivas por causa da sua reaçom às condiçons de trabalho desumanas. Enquanto a mentalidade que queima mulheres está persistindo em algumhas áreas do mundo de hoje, a resistência que as mulheres tenhem iniciado contra el continuam a luitar para destruir essa mentalidade “, di a declaraçom.

“Como YPJ, celebramos o 107º Dia Mundial das Mulheres Trabalhadoras com todas as mulheres do mundo e do Oriente Médio, as maes dos mártires e combatentes da liberdade.

“Quando deixamos para trás o 107º ano, as mulheres estam levando a resistência do 8 de março com muita coragem na liderança de Roza Luxemburgo, Clara Zetkin, Zarif, Besê, Leyla Qasim, Beritán, Sîlan, Zilan, Sara, Arîn Mîrkan, Özgür Efrîn , Jiyan Rojhilat e Destina Başûr.  Neste momento em que a resistência das mulheres está a crescer, como YPJ, repetimos a promessa no aniversário deste ano e expressamos respeito a todas as mártires que caírom nesta luta. A luita vai crescer ainda mais. ”

“Hoje continuamos vendo que a mentalidade masculina e os governos vem às mulheres como propriedades em todo o mundo, especialmente no Oriente Médio, onde os governos consideram as mulheres como despojos de guerra. Essa mentalidade está tentando tornar permanente o sistema patriarcal, impondo-o às mulheres;  o que significa que sempre temos que estar prontas para a luita”.

“As YPJ, com a sua mentalidade libertária, tem luitado incansavelmente na Revoluçom de Rojava por sete anos. As YPJ tomamos passos históricos e fixo progressos significativos.Ganhamos vontade política e está a dar vida à mentalidade de naçom democrática [anti-nacionalista, anti-capitalista e da libertaçom das mulheres], ao mesmo tempo em que cria as bases para umha vida livre e igualitária, as YPJ continuam a criar na revoluçom novas táticas e abordagens na esfera militar, tornando-se em umha força importante.”

“A consciência de que “Toda mulher livre é um país livre “é o princípio e a tarefa mais fundamental das YPJ. As YPJ conseguirom salvar milheiros de mulheres árabes, curdas, siríacas e jazidis da ocupaçom e do fascismo do Daeh (Estado Islâmico). também celebramos o 8 de março com o objetivo de libertar às mulheres e crianças de Raqqa da opressom do Daesh. Agasalhamos esta conquista às mártires do 8 de março e a todas as mulheres.

“É muito melhor entendida agora que a mulher mais forte é a mulher que se organiza e defende. Com a experiência adquirida durante os 7 anos da revoluçom de Rojava e da herdança histórica na que está baseada, as YPJ som capazes de espalhar esse conhecimento a todas as mulheres.”

As YPJ apelarom a todas as mulheres a que unam as suas luitas pola liberdade e digerom que determinaram os princípios desta luita em 7 pontos.

1) Abdullah Öcalan, que tem um papel nacional e histórico na luita polo desenvolvimento da liberdade das mulheres, está a ser mantido cautivo por umha conspiraçom internacional e está sob tortura desumana e isolamento desde há 18 anos [em umha prisom turca]. [Apelamos às mulheres] a levantar a voz contra esta tortura e isolamento e abordar esta questom como umha prioridade.

2) As mulheres no Oriente Médio hoje enfrentam-se a massacres nas esferas existencial, cultural e de segurança. Deve ser estabelecido um mecanismo comum de segurança e de defesa, bem como umha resistência eficaz contra este perigo. Cada mulher deve travar umha luita ideológica contra todos os tipos de soberania e domínio, especialmente contra o Daesh, e deveriam ter o direito de aumentar a defesa das mulheres.

3) As YPJ estam prontas para compartilhar as suas experiências com todas as mulheres que tenhem a coragem de resistir.

4) Mulheres e crianças som as maiores vítimas de todas as guerras e conflitos. Som afetadas nas esferas da migraçom, economia, defesa e vida social. A fim de defender os direitos das mulheres e das crianças, toda mulher deve luitar e opor-se a esta vitimizaçom.

5) As YPJ nom som só a força de defesa das mulheres curdas, mas de todas as mulheres em Rojava. Muitas luitadoras de diferentes naçons e grupos de crenças luitam nas fileiras das YPJ e muitas delas foram martirizadas. A essência das YPJ é umha força de defesa internacionalista e isso precisa ser ampliado e fortalecido.

6) Como mulheres que conseguirom muito nós enfrentamos ameaças sérias e graves. Apelamos a todas as mulheres para que reforcem a sua luita pola criaçom de umha naçom democrática eliminando estas ameaças. Cada mulher pode contribuir e alcançar um grande parte.

7) Acreditamos que podemos destruir essa mentalidade masculina dominante apenas luitando juntas e que podemos criar umha mentalidade democrática, cultura moral e vida livre como nós o derrotamos. Celebramos com todas as mulheres o 8 de março.

Traducido de kurdisquestion.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixa unha resposta

O teu enderezo electrónico non se publicará Os campos obrigatorios están marcados con *