O rigor da Libertaçom de Afrin

Família ferida polos ataques turcos em Afrin. Foto: efrinnews.com

Por Kevin T. Mason

Afrin foi libertado. O 18 de março do 2018, depois de umha operaçom de paz espontánea, santa, sagrada e pacificadora de 50 dias, na que Ancara di ter provocado um total de zero baixas civis, Afrin foi finalmente libertada..

Como predizendo a  Operaçom Ponla de Oliveira quase um ano antes, mais de 2.700 oliveiras tinham sido libertadad na fronteira do Afrin com a Turquia. Nas fases iniciais da operaçom, a moral dos libertadores era realmente elevada. Cantarom cançons de luitas passadas – de Grozny e Daguestam e Tora Bora. Afrin seria o próximo, cantavam. Antes da cidade de Afrin, no entanto, seria Jindires. Ao Sudoeste da cidade de Afrin, Jindires viu os telhados e alicerces dos seus edifícios libertados.

Durante toda a operaçom, cabras, galinhas e *pavos de Afrin forom libertados. Os pavos da regiom, em particular, forom libertados da servidume e retornarom à sua (presunta) pátria. Mas nem todos os animais se mostrarom merecedores de libertaçom. Algumhas das cabras de Afrin devem ter sido colaboradoras, porque foram baleadas polos libertadores de Afrin e deixadas nos campos onde caíram. Algumhas das galinhas de Afrin também devem ter sido traidoras, porque forom atingidas por ataques aéreos ao lado das suas conspiratórias famílias.

As granjas de Afrin agora som livres, tendo sido libertadas dos seus rebanhos e labregos, muitos dos quais som tam completamente livres que forom libertados das suas vidas. Até as portas das vila foram liberadas das suas bisagras. Os tratores e carros de Afrin foram liberados. Viu-se um vídeo deles desfilando polas ruas de Afrin, orgulhosamente sobrecarregados com os seus libertadores e o estoque recentemente libertado das lojas de Afrin.

As casas da comunidade Yazidi de Afrin, o último reduto dos Yazidis que permanecia imperturbável, talvez em toda a Síria, forom libertadas das famílias que viviam nelas. Os Yazidis de Afrin, como os Yazidis de Sinjar em 2014, achando difícil a libertaçom, marcharom para as montanhas.

As mulheres de Afrin forom libertadas da sua libertaçom, bem como suas irmás na Turquia. Após a tentativa de golpe no verao do 2016, o Estado turco confiscou – e fechou – centros femininos em todo o sudeste da Turquia, libertando às mulheres da carga de escolha e orientando-as para umha vida “completa”. Os centros de mulheres que permaneceram abertos tiverom todos os serviços cancelados, exceto o jardim-de-infância, que foi substituído por cursos do Corám. As ruas de Afrin forom totalmente liberadas. Tanto que nem umha alma permaneceu sobre eles para receber os seus libertadores, exceto aqueles que vagam pola cidade, libertados dos seus corpos polos ataques aéreos e bombardeios turcos. As poucas padarias deixadas em pé agora som liberadas das fileiras de pessoas esperando polo pam em umha cidade sitiada. A única instalaçom de tratamento de água na regiom foi liberada da sua obriga de fornecer água potável às comunidades de Afrin, tendo sido destruída semanas atrás. Com precisom laser, a Força Aérea Turca libertou a Afrin da sua história e cultura de 3.000 anos.

Afrin foi libertado da segurança a que foi submetido ao longo da Guerra Civil Síria. Foi liberado dos centos de milheiros de sírios deslocados internos que atoparom abrigo. Foi libertado da coexistência cultural e religiosa. As maes forom libertadas dos seus filhos e as crianças libertadas dos seus pais. O povo de Afrin deve aos seus libertadores umha dívida interminável pola sua situaçom atual.

A apropriadamente chamada “Operaçom Ponla de Oliveira” continuará a semear a paz em todo o norte da Síria, deslocando ou silenciando todos aqueles que ousassem resistir a ela. A Europa e os Estados Unidos acelerarom a libertaçom de Afrin através do seu poderoso uso das “preocupaçons” e “condenaçons”. E, claro, a venda de arma. Nem mesmo umha resoluçom do Conselho de Segurança da ONU poderia deter a marcha forçada da libertaçom imposta a Afrin pola Turquia.

Após a Operaçom Ponla de Oliveira, Afrin se viu libertado do seu povo e o seu povo libertado de anos de relativa estabilidade e prosperidade. A única coisa que a operaçom nom conseguiu libertar o povo de Afrin é o seu espírito indominável. E enquanto umha única Afrini viva, continua a haver um espectro no horizonte: esperança.

Talvez essa esperança se espalhe para a Europa e os Estados Unidos, libertando-os da inaçom. E todos nós esperamos que Manbij, Kobanî e Qamişlo sejam indignos da “libertaçom turca”, e que Afrin, a tempo, também se mostre.

Originalmente publicado polo Washington Kurdish Institute  e traduzido com a sua autorizaçom.

O Sr. Mason é membro do Gabinete de Representaçom da Federaçom Democrática do Norte da Síria no Benelux. O contato com a oficina é ext.relations@rojavabenelux.nl.

 * Jogo de palavras em inglês onde turkey significa pavo e Turquia

 

 

Deixa unha resposta

O teu enderezo electrónico non se publicará Os campos obrigatorios están marcados con *