O modelo Rojava

o-modelo-de-rojavaPor Meredith Tax

Como governam os curdos da Síria

Um novo modelo de organização social está tomando forma nas áreas curdas no norte da Síria. Rojava, como ficou conhecida, compreende três cantões na seção ocidental da  histórica terra natal do povo curdo, que está agora dividida entre Irã, Iraque, Síria, e Turquia. No que diz respeito a igualdade social, pluralismo étnico, e anti-sectarismo, o território é uma região sem igual. Esse é especialmente o caso quando falamos dos avanços das mulheres.

A atenção pública do ocidente deu um giro de 2014 a 2015, quando as milícias territoriais, as Unidades de Proteção do Povo (YPG) e as Unidades de Proteção das Mulheres (YPJ), tiveram um papel central na expulsão do Estado Islâmico, ou ISIS, de Kobane, uma cidade no noroeste da Síria. Observadores destacaram duas características do grupo: primeiro seu sucesso contra o ISIS, que as forças de segurança dos EUA e das forças de oposição Síria se esforçaram para derrotar, e segundo, o protagonismo das lutadoras femininas em suas fileiras.

Desde a Segunda Guerra Mundial, guerrilhas femininas fizera parte de lutas armadas ao redor do mundo. Mesmo a maior parte dos grupos militantes alistaram mulheres pois precisavam de soldadas, não porque desejaram empoderar as mulheres, e poucos tem priorizado tanto a igualdade das mulheres como os curdos da Turquia e da Síria.

A ênfase do Rojava sobre o papel de liderança das mulheres, no entanto, não se limita ao plano militar. Isso é definido pelos Curdos Sírios como uma visão societal mais ampla. Quarenta por cento dos membros da sociedade civil ou de qualquer órgão social em Rojava têm que ser de mulheres. Da mesma forma, todos os órgãos administrativos, projetos econômicos e organizações da sociedade civil são obrigadas a ter homens e co-presidentes do sexo feminino. Embora o Partido da União Democrática (PYD) seja dominante em Rojava  e os curdos são a maioria da sua população, Rojava é o lar de uma série de outros partidos políticos e etnias. É a única sociedade em sua região, que baseia-se nos pontos fortes de toda a sua população. Como é que as mulheres conseguiram ganhar tanto poder no meio de uma guerra pela sobrevivência?

Uma exceção regional

A história começa na Turquia em 1978, quando o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) foi fundado para criar um Estado independente curdo. Nos primeiros anos de sua insurgência contra o governo turco, o PKK foi dirigido principalmente por guerrilheiros do sexo masculino. Mas isso mudou na década de 1990. Quando a resistência civil curda mais ampla emergiu nas cidades turcas e os ativistas curdos  começaram a pressionar para ter um partido de representação no parlamento, o Partido Trabalhista Popular (HEP). Em ambos os empreendimentos, as mulheres serviram como líderes. Leyla Zana, uma ex-integrante do HEP, continua atuando no parlamento da Turquia.

Em 1993, de acordo com a jornalista Aliza Marcus, um terço dos novos membros do PKK eram mulheres; muitas delas recrutadas por Sakine Cansiz, uma de suas fundadoras.

Em 1995, o PKK formou um exército de mulheres, que agora é chamado de YJA-Estrela. A resolução que cria o exército deixou claro que iria servir como um modelo para outras organizações de mulheres “em todos os setores da economia, todas as instituições sociais, e até mesmo no campo da cultura.” A decisão foi particularmente notável pelo fato de que, na área rural do Curdistão, a subordinação do pensamento dass mulheres, tal como as práticas misóginas como os chamados assassinatos de honra,  reclusão imposta, e os casamentos de crianças tinham sido a norma. Para muitas mulheres curdas, deixar suas famílias para se juntar a um grupo insurgente foi uma enorme ruptura com a tradição patriarcal. Mulheres guerrilheiras foram pioneiras do movimento de libertação das mulheres como uma sociedade dentro da sociedade  curda.

Alguns dos líderes de Rojava, tais como os co-presidentes do PYD: como o Salih Muslim, foram originalmente membros sírios do PKK, e muitos dos ideais que têm sido postos em prática em Rojava foram testados na Turquia. Desde a fundação do PYD em 2003, a libertação das mulheres tem sido parte do programa do partido. Tal como na configuração da Estrela-Yekitiya, seu braço de organização para as mulheres, em 2005. Em 2012, como o presidente da Síria, Bashar al-Assad retirou suas tropas da maior parte do norte da Síria e dos cantões, Rojava tornou-se efetivamente autônoma e os membros do PYD começaram a se organizar de maneira mais vigorosa, tornando a defesa das mulheres uma parte integral de sua guerra contra o ISIS. A organização logo começou a recrutar novos membros de outros grupos étnicos da região, tratando de incluir assírios, árabes e Yezidis.

O grupo que mudou seu nome para Estrela de Kongreya no início deste ano, se descreveu como uma organização guarda-chuva para o movimento das mulheres de Rojava. Em nível local, a Estrela de Kongreya compreende um número de organizações, conhecidas como a comuna das mulheres, que operam em paralelo às comunas de sexo misto, que organizam tais assuntos como a alocação de energia e o uso do espaço público. O foco das comunas de mulheres sobre a violência doméstica, casamento forçado, e saúde das mulheres e programas econômicos, entre outras coisas; em muitos casos, podem se sobrepor aos seus parceiros organizacionais de sexo misto. Estrela de Kongreya no nível mais alto organiza comitês em cinco áreas: educação, especialmente educação de adultos e aulas de literatura; saúde pública, incluindo clínicas especializadas para mulheres; economia, incluindo a manutenção de cooperativas; resolução de disputas em comunidades, que inclui mediação e manutenção de abrigos para vítimas de violência doméstica; e defesa de cidadãos, que é central para a plataforma do PYD e especialmente para Estrela-Kongreya. Há três forças de defesa de mulheres em Rojava, a YPJ, que luta contra inimigos externos tais como o ISIS; as forças de segurança locais; e as forças de defesa civil atreladas às comunas, que lidam com a segurança da vizinhança, incluindo casos de violência contra as mulheres.

Autonomia e democracia

O crescimento da influência de mulheres na Rojava é parte central da transformação mais ampla da política curda ali e na Turquia. Ao contrário dos curdos iraquianos, os curdos sírios e turcos afastaram-se do nacionalismo. Eles buscam autonomia local ao invés de um arranjo federal. A ideia de longo prazo é a de assegurar a democracia, constituições democráticas que garantam uma autonomia local extensiva e protejam os direitos humanos. (Esta mudança foi executada em paralelo com a evolução ideológica do líder do PKK preso Abdullah Ocalan, um antigo militante que agora é um defensor do que ele chama de Confederalismo Democrático.)

À luz da atual turbulência da região, a visão de Rojava para uma feminista, de uma sociedade diretamente democrática, pode parecer irrealista.

No entanto, o fracasso das negociações para acabar a guerra civil síria mostrou a capacidade limitada da diplomacia para pôr fim a conflitos inflamados por atores não-estatais e financiados por potências externas, e em décadas recentes, tem havido alguns modelos políticos nas cercanias do Curdistão que oferecem muito mais uma promessa para o igualitarismo e paz como a que os curdos chamam de autonomia democrática.

Até agora, os Estados Unidos têm tratado os curdos sírios como um aliado militar de curto prazo e dado a eles apoio militar, mas não apoio político ou econômico ostensivos; Washington não insistiu para eles tomarem parte nas conversações de Genebra para acabar com a guerra na Síria. Esta abordagem é um erro. Desde os anos 1990, os Estados Unidos tem se posicionado como um defensor das mulheres e minorias sexuais. Os curdos sírios estão praticando uma forma de democracia que consagra a igualdade de género e se opõe noções de soma zero de étnico e direitos nacionais. Dado os compromissos que assumiu, os Estados Unidos deveriam estar dispostos a apoiar esses fins.

lead-Meredith-TaxMeredith Tax é escritora e ativista política desde o final da década de 1960, foi membro do Bread and Roses, fundadora presidente da Comissom Internacional de Mulheres Escritoras do PEN, presidente fundadora de  Women’s WORLD, e co-fundadora do Centre for Secular Space. Os seus últimos livros som Double Bind: The Muslim Right, the Anglo-American Left, and Universal Human Rights e A Road Unforeseen: Women Fight the Islamic State.

Esse artigo foi primeiramente publicado no website Foreign Affair e tem sido reproduzido com a permissão da autora.

Tradução ao português: Comitê de Solidariedade à Resistência Popular Curda – RJ

Esse artigo expressa a visão da autora e não necessariamente está de acordo com os Comitês de Solidariedade à Resistência Popular Curda.

 

“A Unidade no Curdistam do Sul terá um impacto positivo nas 4 Partes do Curdistam”

desmitasO co-presidente do Partido Democrático dos Povos (HDP), Selahattin Demirtaş falou sobre a visita em andamento do seu partido à Regiom do Curdistam (KRG) após a sua reuniom com o ex-líder da PUK (Uniom Patriótica do curdistam, segundo partido histórico da KRG), Jalal Talabani.

Em uma entrevista com Roj News, Demirtaş dixo que a visita tornara-se umha necessidade para abrir o caminho do Congresso Nacional Curdo e acrescentou: “Todos os nossas povos nas quatro partes do Curdistam querem que isso aconteça e querem que as tensons entre curdos diminuam.”

Iniciativa para limpar o caminho para o Congresso Nacional

Demirtaş dixo: “As tensons entre os partidos políticos no Sul do Curdistam tenhem um impacto negativo e reflexo sobre todo  o Curdistam. Sentimos a necessidade de tomar umha iniciativa na abertura do diálogo entre os partidos curdos de acalmar essa tensom e talvez abrir o caminho para o Congresso Nacional Curdo. Em última análise, o HDP tem um projeto e ideias para a resoluçom da questom curda. Também percebemos que todos os problemas estam ligados uns aos outros. Por esta razom, a evoluçom da Rojava e o Curdistam do Sul afeta-nos diretamente. Isso nom significa que estejamos a nos intrometer nos assuntos dos partidos políticos aqui. Nós estamos tentando ajudá-los a criar laços mais estreitos e manter canais de diálogo abertos. Os partidos digerom-nos que valorizam os nossos esforços.”

O co-presidente do HDP também acrescentou que era normal que os partidos políticos curdos pensaram de maneira diferente sobre as questons, mas que todas as questons, Ao final, teriam de ser resolvidas através do diálogo, algo que todos os lados estam dispostos a fazer.

Vimos desejo de umha soluçom para os problemas

“Até agora, em todas as reunions que tivemos, com Masoud e Nechirvan Barzani, o KDP, Komala, Yakgrtu (Uniom Islâmica do Curdistam) e outros partidos políticos e indivíduos, temos visto um grande desejo de resolver os problemas. Há grande desconforto com a forma como estam as cousas. Há muitas razons para os problemas que estam sendo enfrentados e cada umha tem umha abordagem diferente. Isso é compreensível. Mas nós vimos que há o desejo de reiniciar um diálogo, reúnir-se em torno de umha mesa e envolver-se diretamente. Usar a linguagem e abordagem dos partidos “um para o outro é muito importante. Um insulto ao outro e acusaçons através dos mídias tenhem que parar e todos concordam com isso. Este acordo nos faria felizes. É claro que nom é fácil de resolver todo imediatamente. Também nom é possível com umha visita e certamente nom é da responsabilidade do HDP. Os partidos políticos aqui vam resolver as questons entre si. Nós apenas queremos facilitar as cousas e abrir a porta para começar o diálogor”

Barzani assumirá as suas responsabilidades

O co-presidente do HDP também dixo que a abordagem do líder do KDP Masoud Barzani para resolver as questons em torno de unidade nacional foram positivas e que el tinha-se prometido que iria exercer as suas responsabilidades em relaçom ao Congresso Nacional.

As quatro partes do Curdistam estám aqui ‘

Demirtaş também falou sobre os confrontos actuais nas cidades curdas e os ataques do governo do AKP turco ao HDP. “Todo o mundo está ciente da nossa luita contra o governo estadual e o AKP turco. Acreditamos que, se pudermos garantir as relaçons entre os curdos terá um impacto positivo no Norte (Curdistam-Turquia) e Rojava. Por esta razom, é importante que haja unidade dentro de cada parte do Curdistam. Quero enfatizar que nom estamos aqui para resolver os nossos próprios problemas. Estamos a visitar para ajudar a resolver problemas entre os partidos aqui [do Sul do] Curdistam e questons de alianças e de diálogo no Norte e na Rojava. As pessoas tenhem grandes expectativas em nós. Nom so os partidos políticos, mas todo o povo nas quatro partes do Curdistam querem que sejamos bem sucedidos e desejam que as tensons entre curdos diminuam.”

Acampamento *Makhmour
*[O acampamento de refugiados de Makhmour foi fundado no 1994 com milheiros de curdos que fugirom da repressom na Turquia.]

A umha pergunta de um jornalista sobre a extradiçom de alguns curdos que tinham a sua autorizaçom de residência cancelada e foram entregues à Turquia pola KRG, Demirtaş dixo: “Eu falei esse tema ao Sr. Nechirvan Barzani e dixo que tinha expectativas a esse respeito . El está muito sensível e dixo que iria lidar com o problema. Prometeu que iria atender os problemas que enfrentam as pessoas [do Norte-Turquia] que trabalham aqui e também quaisquer problema no campo de Makhmour.”

“É uma honra estar resistindo para o nosso povo

Em relaçom à prisom de deputados do HDP Demirtaş declarou ter notícias de que o presidente da Turquia Erdogan tinha dado instruçons para isso e comentou: “Quero que o povo saiba que eles nom precisam de se preocupar por nós, polos seus deputados. Assim como todos os outros filhos deste povo sabemos como resistir, nós também imos torná-los orgulhosos. Nem umha soa pessoa vai ajoelhar ou obedecer as suas ordens e nrm umha soa pessoa vai dizer nada [no tribunal]. Este é o nosso dever e é umha honra. É umha honra resistir polo nosso povo.”

As pessoas devem-se levantar ‘

O co-presidente do HDP continuou; “Mas as pessoas também precisam de se levantar polos seus e suas deputadas. Quando há umha prisom, independentemente de quem é, todos devem tomar as ruas e fazer ouvir as suas vozes. Esta questom nom é o nosso problema pessoal. Devemos mostrar a Erdogan de que as cousas nom podem continuar desta forma. Imos resistir, imos resistir com o nosso povo. Imos levar perante os tribunais aos autores dos crimes contra o nosso povo; aqueles que queimarom e destruírom as nossas casas, mataram os nossos jovens e queimarom vivos os nossos companheiros,  nom vam ficar impunes.”

“O Presidente Öcalan fixo um chamado. Dixo que estava pronto [para a resoluçom]. El disse que tinha um projeto que poderia resolver o problema [curdo] em seis meses. Mas el também sabe que o AKP e Erdogan nom quere isso. A única maneira que nós podemos torná-lo possível é mantermos fortes, resistir e mostrar ao estado mais umha vez que eles nom podem nos fazer ajoelhar usando as armas, os bombardeos  e os tanques.”

Falando em curdo

Demirtaş respondeu as críticas de que ele era “o líder de um partido curdo, mas nom sabia falar curdo”, respondeu no dialeto curdo **Kurmancki (Zazaki).
**O zaza é um dialeto falado por 1,5-3 milhons de pessoas dos 15-20 milhons de curdos que vivem em Turquia].

Demirtaş dixo que era um curdo zaza e fala zazaki com a sua família e compreende Kurmanji e Sorani [os dous dialetos maioritários do curdo], mas nom sabe falar o suficientemente bem para fazer discursos políticos. “Por essa razom eu fago os meus discursos em turco”, dixo, antes de passar a perguntar se isso era algo para se envergonhar. “Sim, é algo para se envergonhar. Mas nom é a minha vergonha. É a vergonha do Estado turco. É a vergonha das suas políticas de assimilaçom. Essa política [de dizer que os líderes curdos som incapazes de falar curdo] é guerra suja, psicológica dos meios de comunicaçom controlados polo Estado turco. O nosso povo nom os ouve”, respondeu.

“Eu gostaria de falar todos os dialetos da minha língua materna: Zazaki, Kurmanji, Sorani e os outros dialetos. Ao invés de criticar as políticas de assimilaçom do estado eles estam tentando de nos envergonhar, o que mostra como desonrados eles som. Esta pode ser umha carência para nós, mas para eles é umha fonte de vergonha “.

 

Publicado em Roj News

 

 

“A Paz e umha soluçom da Questom Curda só é possível através da luita”

a-paz-e-a-solucom-da-questom-curdaReproducimos o artigo publicado nos jornais curdos Azadiya Welat e Yeni Özgür Politika, e  traduzido ao inglês por ANF English do co-presidente do Conselho Executivo da Uniom de Comunidades do Curdistam (KCK), Cemil Bayık sobre a posiçom da KCK (organizaçom garda-chuva que inclue ao PKK) da última mensagem do lider do PKK, Abdullah Öcalan e a apreensom de municípios curdos.

Cemil Bayik escribiu:

“Nom lembro de outro líder fascista na história do mundo que admita abertamente a sua crueldade como o Presidente da Turquia Erdoğan. Erdoğan agora di que vai eliminar o povo curdo, sem necessidade de oculta-lo. Alguns dos adeptos curdos de Erdogan tentam encobrir a sua mentalidade fascista, mas Erdoğan rasga através dessas tampas. El di que vai eliminar os curdos. Di que nom pode haver naçom, vontade política, nem nengumha administraçom na regiom [curda] com exceçom da turca. A repetiçom constante de que existe so umha naçom, umha bandeira, um estado e um pvo todos os dias, Erdoğan desnuda a sua mentalidade monolítica e rejeita os curdos, a sua vontade política e o seu país; o Curdistam. Todos as autoridades turcas estam a dizer agora que eles vam continuar a guerra até que eliminar a todos os guerrilheiro curdos.

Ninguém deve esperar umha soluçom para a questom curda do governo do Partido da Justiça e o Desenvolvimento (AKP). Aqueles que esperam quaisquer passo do AKP seguem esse discurso e essas práticas seram enganandos. Quando o AKP e os seus aliados fascistas [MHP, CHP, Ergenekon], dim que vam destruir e exterminar os curdos, nom se pode cair presa ao descuido ou baixar a guarda. A democratizaçom da Turquia e umha soluçom para a questom curda nom é possível sem dificuldades. A resposta [negativa] do governo aos esforços de Öcalan para a paz estám aí para todos as  verem. Atualmente, a vontade do povo curdo está sob um ataque mais direto. Eles querem completar o genocídio quebrando essa vontade. Nom há dúvida sobre isso. Esta é a decisom, abordagem objetiva, e a prática da política colonialista genocida [do Estado turco].

O que é importante, porém, é a posiçom do povo curdo e as forças democráticas contra esta política. Umha cousa deve ser considerada: A questom curda só pode ser resolvida através de umha luita pola democracia e a administraçom democrática. A mentalidade dominante na Turquia nega os curdos e quer eliminá-los; esta é a política do estado e do governo, portanto, é impossível resolver a questom curda com os partidos políticos e governos atuais. O problema nom é que as reivindicaçons políticas [dos curdos] sejam muito grandes ou pequenas; o problema é a política em curso do Estado turco de negaçom e genocídio. Assim, somente através do estabelecimento de umha administraçom democrática na Turquia, através de umha luita pola democracia e a liberdade, pode a questom curda ser resolvida. Caso contrário, com a mentalidade anti-democrâtica e de governo, esse problema nom pode ser resolvido. Umha abordagem racional nom se pode esperar com esses governos. Neste sentido, é apenas possível aumentar a luita contra eles. Nada se pode fazer pola democracia, a liberdade e a paz antes de compreender este feito e agir em conformidade. Qualquer pessoa com qualquer expectativa fora deste quadro estará enganando a si mesmo e ao povo. E isso permitirá ao colonialismo genocida a implementarem das suas políticas, sem qualquer resistência.

Durante a mais recente visita a Imrali [o 11 de setembro do 2016], Öcalan dixo novamente que, se o estado quisesse, a questom curda poderia ser resolvida em seis meses. Isto é um feito. Öcalan procura resolver a questom curda sem problematizar fronteiras estatais e manifestar essa autonomia democrática no âmbito da democratizaçom da Turquia. Isso é a atribuçom da democracia. Mas a mentalidade na Turquia nom aceita a libertaçom, existência, língua ou cultura dos curdos e, portanto, nom permite a autonomia democrática; e utiliza todas as armas de guerra ao extremo para quebrar a vontade do povo pola liberdade e a democracia.

Há duas maneiras de soluçom para a questom curda e ambas estam interligadas. Umha  é democratizar Turquia em umha luita conjunta com as forças democráticas do país e a outra é que o povo curdo crie a sua própria soluçom democrática e a defenda. Se esta dupla luita é realizado, em seguida, a Turquia irá democratizar e a questom curda será resolvida. Nom podemos esperar na expectativa de que quem está no poder dea os passos.

Sem dúvida, todos querem umha soluçom sem dificuldades, sem conflito e guerra. O Movimento de Libertaçom Curdo tentou esse caminho com paciência, mas nom foi possível. Nós mostramos as abordagens mais razoáveis, mas nom funcionou. Nas condiçons actuais, quem pensa que a liberdade e da paz pode ser alcançada sem resistência, está enganando a si mesmos e colocando o seu pescoço para fora sob a lâmina do colonialismo genocida. A paz e a umha vida livre e democrática nom pode ser conquistada sem resistência.

A paz e umha soluçom só som possíveis através da luita. Tayyip Erdoğan dixo que a opressom e ataques até agora forom so o começo; eles nom estám parando, estám em marcha e vam fazer mais. Assim, todo aquel que fale de outra cousa senom a luita, está a servir os objectivos do colonialismo genocida. Neste sentido, qualquer discurso de paz que nom exija do desenvolvimento da luita ou nom se está esforçando ativamente para desenvolver a luita nom deve ser atendido. Neste sentido, o único pensamento na mente de quem quer a paz e umha soluçom deve ser luita, luita, luita.”

 

 

Abordagem do Estado turco e Por que o Isolamento de Öcalan é motivo de preocupaçom

ypj-com-foto-ocalanPor Amed Dicle

O jornal pró-curdo Özgür Gündem publicou umha entrevista muito importante sobre a situaçom na Ilha Prisom de Imrali e a abordagem do estado sobre Öcalan, vários dias antes de ser fechado (por um tribunal turco). A entrevista datada o 22 de agosto com Çetin Arkas e Nasrullah Kuran, (que estiveram ambos presos em outra seçom da prisom antes de serem forçosamente trasladados) som bastante surpreendentes e informativas em termos da compreensom das condiçons atuais sobre Imrali e a ameaça contra Öcalan.

Outro artigo de Çetin Arkas, publicado por Özgür Gündem antes desta entrevista, o 22 de Julho, mencionou umha carta anônima enviada a Öcalan, que o ameaçava.

Çetin Arkas e Nasrullah Kuran estiverom presos na Ilha de Imrali, até o 25 de Dezembro de 2015, o que torna as suas declaraçons sobre a situaçom lá importantes.

A evoluçom ao longo dos últimos anos e algumhas informaçons trazidas à luz por Arkas e Kuran oferece-nos umha visom sobre os perigos que enfrentamos hoje.

29 de novembro de 2014. À medida que as fortes luitas estavam ocorrendo em Kobanê, um grupo de membros do ISIS tentou entrar dentro do centro da cidade depois de cruzar a fronteira entre Suruç-Kobanê através do passo fornteiriço de Mürşitpınar. Este grupo foi repelido depois de confrontos pesados. Mais tarde, eles refugiaram-se nos celeiros de trigo do governo turco na fronteira. As primeiras imagens em tempo real desde o começo do ataque foram divulgadas pola agência nacional de notícias da Turquia AA (Agência Anadolu).

Logo verificou-se que umha delegaçom do Estado visitara Imrali no mesmo dia e durante as mesmas horas para manter conversaçons com Öcalan. Eles foram para dar-lhe a mensagem, ‘Kobanê caiu’.

No entanto, Kobanê foi salva e as conversas com Öcalan continuarom até o 5 de abril de 2015.

As negociaçons entre a Delegaçom de Imrali do Partido Democrático do Povo (HDP) e Öcalan foram impedidas após esta data.

A entrevista acima mencionada dá detalhes importantes sobre o período posterior ao 5 de abril, quando o isolamento agravado de Öcalan começou. Por tanto;

Umha Delegaçom do Estado encontra-se com Öcalan na Ilha de Imrali o 25 de Junho de 2015, após as eleiçons gerais do 7 de junho.

No mesmo dia (25 de Junho), militantes do ISIS entrar no centro da cidade Kobanê desde a fronteira turca e massacram 243 civis, a maioria delas crianças.

Durante esta reuniom, a delegaçom do Estado pede a Öcalan de escrever umha carta para a Uniom de Comunidades do Curdistam (KCK) para ” diminuir as tensons’. Öcalan dixo-lhes que ia avaliar a sua proposta e depois dixo-lhe a um funcionário, “Quanto tempo mais quere que escreva a Qandil (KCK / PKK)? Pergunte a delegaçom para vir aqui a umha reuniom, se o Estado tem um projeto destinado a umha resoluçom da questom curda. Se o estado quer recorrer ao envio de cartas ou qualquer outra cousa para adiar a questom mais umha vez, eles nom precisam de vir, eu nom me vou reunir com eles “.

Cerca de 4 meses depois desta reuniom, em Outubro de 2015, umha “carta anônima ‘ chega-lhe a Öcalan.

Normalmente, todas as cartas enviadas a Öcalan passam porumha  inspeçom e a maioria nom lhe som entregadas, no entanto, este “carta” foi-no. Está escrito por alguém de Berlim que a introduz como um “oráculo”. A carta di: ‘Erdoğan era de feito umha boa oportunidade [de resoluçom] vocé deveria ter aceitado. Vocé vai morrer de “causas naturais” este ano “.

Çetin Arkas resume a atitude Ocalan como segue;

“Öcalan compartilhou o conteúdo da carta connosco, e pediu a nossa opiniom. Nós [seis presos] digemos que criamos que era umha ameaça. Quando Öcalan pediu informaçom à administraçom da prisom sobre a carta, eles digerom:” Escapou à nossa atençom. Foi um erro porque nom cha teriamos dado umha carta com este tipo de conteúdo “. No entanto, sabemos que nom é possível que algumha cousa escape à atençom no Sistema Penitenciário de Imrali. Todo foi desenhado em conformidade. A carta devia chegar a Öcalan.

A resposta de Öcalan foi: “Seria simplista a tomar essas cousas a sério Somos revolucionários eu já tenho jogado o meu papel até agora e vou continuar a desempenhar o meu papel após a morte, bem como dixo Che Guevera, eu digo. “Onde quer que a morte poda-nos surpreender, bem-vinda seja ‘. Eu sei que eles estam ouvindo a nossa conversa, e eu estou a dizer isto em voz alta para ter certeza de que eles me ouvem.”

ocalan-en-inrali
Öcalan e a entrada Prisão de máxima Segurança de Imrali

Vários dias após esta carta o 10 de outubro de 2015, o dia em que a KCK se preparava para declarar um cessar-fogo, polas eleiçons do 1 de novembro, a massacre de Ancara matando 102 pessoas tivo lugar. A declaraçom foi adiada para o dia seguinte.

Vários dias antes das eleiçons do 1 de novembro, a delegaçom do Estado fixo outra visita a Imrali.

A delegaçom estava chefiada polo vice-secretário de Segurança Pública do Estado turco, que fixo a seguinte ameaça a Öcalan:

” Vocé está exagerando a questom de Rojava. Podemos ter 300 avions bombardeando-a  e destrui-la ate o cham, se quigermos “.

Nom é segredo que a Turquia queria sufocar as demandas dos curdos de Rojava ‘ de direitos e liberdades desde o início da guerra na Síria. As massacres em Kobanê e o suporte ao ISIS tinham como objetivo isso. As recentes operaçons de Jarablus e Al-Rai iniciados de acordo com o ISIS estam sendo realizadas como extensons da política mencionada polo Secretário Adjunto.

Claro, nom há nada estranho na política do Estado que ameaçava Öcalan com o esmagamento de Rojava.

O que causa grande preocupaçom entre os curdos agora, porém, é a forma como esta política está sendo implementada em Imrali, especialmente após a tentativa de golpe do 15 de junho de 2016.

Membros do HDP digerom que um helicóptero controlado por golpistas atacou a Ilha de  Imrali e confrontos eclodiram entre eles e os soldados leais ao governo em torno da prisom na noite da tentativa de golpe.

Foi igualmente declarado que os soldados golpistas, em seguida, fugiram para Grécia.

O governo turco nom fixo nengumha declaraçom satisfatória sobre este incidente.

Conforme 50 políticos e ativistas curdos estam em umha greve de fome por tempo indeterminado em Diyarbakir (Amed) com umha única demanda: Um encontro direto com Öcalan, o ministro da Justiça da Turquia Bekir Bozdağ declarou: “Nom há nengum problema com relaçom à segurança de Öcalan”.

El contudo, di que os soldados que fugirom para a Grécia, nom atacarom Imrali.

Quando um estado que envia assassinos do ISIS a Kobanê e, ao mesmo tempo tem umha reuniom com Öcalan; um estado que “permitiu” o envio de umha carta de ameaças anônimas e ameaçou Rojava com 300 avions di: “Nom há nengum problema com a segurança de Öcalan”, isso é um motivo de grande preocupaçom, nom de alívio.

Apesar das exigências básicas dos Curdos sobre Öcalan, o Estado turco vê-o so como um “prisioneiro”. Esta mentalidade, que recentemente declarou que há umha “guerra total, e nengumha soluçom”, vai fazer todo o que poida contra Öcalan em Imrali, em Rojava e em qualquer outro lugar onde poidam.

Publicado por Kurdishquestion.com

 

Começa a Greve de Fame dos Curdos por Abdullah Öcalan

Greve FomeA greve de fome exigindo umha reuniom do PKK com o líder curdo Abdullah Öcalan começou ontes (luns 5 de Setembro) na capital curda da Turquia, Amed (Diyarbakır).

50 políticos, ativistas e artistas começarom a greve de fome que vai continuar até que haja umha reuniom com Öcalan, na sede do pró-autonomia curda Partido Democrático das Regions (DBP) onte à manhá.

Representantes do Partido Democrático do Povo (HDP), DBP, Congresso Democrático Popular (HDK), Congresso de Mulheres Livres (KJA) e o Congresso da Sociedade democrática (DTK) inicioarom a açom, que visa “romper o isolamento de Öcalan imposto polo Estado turco e o governo do AKP. ”

Os participantes ficarom em frente a faixas que diziam “A liberdade do nosso líder é a nossa liberdade” e “Estamos preocupados com a saúde e a segurança de Öcalan”.

A co-presidente do DBP, Sebahat Tuncel, dixo que tinham feito umha declaraçom o 31 de agosto criticando o isolamento de Abdullah Öcalan, com quem nom tiveram contacto direto desde o 5 de abril de 2015. Tuncel acrescentou que 52 dias passaram desde a fracassada tentativa de golpe na Turquia, durante a qual os autores do golpe tentaram assumir o control da Ilha Imrali.

“Apesar dos seus 18 anos de isolamento, o Sr. Öcalan tem feito grandes esforços para a resoluçom democrática e pacífica da questom curda, a democratizaçom da Turquia e para trazer a paz para o povo do Curdistam e da Turquia”, dixo Tuncel.

A co-presidente do DBP acrescentou que o processo de diálogo entre Öcalan, o movimento curdo, representantes do HDP e o Estado turco (2013-2015) tinha mostrado que a paz era possível. A decisom do Estado turco de acabar com as negociaçons após a declaraçom de Dolmabahçe resultou em dor e tragédia, dixo a porta-voz. “O isolamento de Öcalan é umha violaçom dos direitos humanos, das liberdades e da democracia”, afirmou.

O HDP e outros partidos curdos tenhem apelado para umha reuniom com o líder curdo desde o retorno dos combates entre as forças do Estado e militantes do PKK em julho passado. “Figemos todos os esforços políticos, legais, diplomáticos e humanitários para estabelecer comunicaçom com Öcalan nos últimos 510 dias, e decidimos começar a greve de fome quando todos esses esforços falharom. O Estado nom respondeu à declaraçom que figemos o 31 de agosto , por isso a nossa greve de fome indefinida e irreversível continuará até que os avogados de Ocalan, membros da família ou a delegaçom política se encontrem com el”, dixo Tuncel.

Aparecendo em um programa de televisom antontem, o ministro da Justiça da Turquia, Bekir Bozdağ, dixo que os grevistas estavam “explotando a situaçom de Öcalan.”

“Há informaçons infundadas sendo espalhadas sobre Abdullah Öcalan. Nom há nada de errado com sua saúde ou segurança”, afirmou Bozdağ.

O co-presidente do HDP, Selahattin Demirtaş, revidou dizendo que nom confiava nas declaraçons dos funcionários estatais e pediu por umha reuniom direta entre Öcalan e os seus avogados.

“Que mal pode umha breve reuniom entre Öcalan e os seus avogados fazer? Um avogado ou membro da família deve ser levado a umha reuniom com el imediatamente. Eles estam dizendo que estamos explotando a situaçom, bem, entom envie um avogado se vocé quiser colocar um fim nisso.”

Demirtaş já tinha afirmado que um confronto entre soldados do golpe e soldados que guardavam a ilha prisom de Imrali, onde Öcalan está preso, ocorreu no dia 15 de julho, com os autores do golpe tentando capturar a Öcalan.

A greve de fome de 68 dias polos presos políticos e representantes curdos no final de 2012 tinha aberto o caminho para o “processo de paz” entre 2013-2015. Comentaristas políticos curdos digeram que esta greve de fome também pretende pressionar o governo turco do AKP a voltar com as negociaçons.

Em umha das maiores campanhas de baixo assinado na história, mais de 10 milhons de pessoas assinaram umha petiçom pedindo pola arbítrio político de Öcalan e exigindo a sua liberdade.

Os nomes de quem estam em greve de fome som as seguintes:

Nadir Yıldırım: Vice co-presidente do HDP e deputado por Van

Selma Irmak: Deputada do HDP por Hakkari

Berdan Öztürk: Deputado do HDP por Ağrı

Dilek Öcalan: Deputada do HDP por Urfa

Ferhat Encü: Deputado do HDP por Şırnak

Ebru Günay: Avogada de Öcalan

Cengiz Çiçek: Avogado de Öcalan

Sebahat Tuncel: Co-presidente do DBP

Gülcihan Şimşek: Membro do Comité Executivo do DBP

Zeynel Mat: Membro da Assembelia do DBP

Mehmet Candemir: Membro da Assembelia do DBP

Uğur Bayrak: Membro da Assembelia do DBP

Zeki Baran: Membro da Assembelia do DBP

Murat Döner: da Associaçom de Solidariedade com as Famílias dos detidos e condenados (TUHAD-DER)

Leyla Güven: Co-presidenta do DTK

Hasip Yalnıç: Escritor

Zeynep Karaman: Membro do Comité Executivo do Congresso de Mulheres Livres

Ceylan Bağrıyanık: Membro da Coordenadora do Congresso de Mulheres Livres, Membro da Delegaçom de Imrali (Öcalan)

Berfin Emektar: Autora/Atriz Teatral

Abdullah Tarhan: Autor/Ator Teatral

Nazım Hikmet Çalışkan: Autor/Ator Teatral

İbrahim Halil Yıldırım: Diretor de cinema

Zeynel Doğan: Diretor de cinema

İslam Dağdeviren: Produtora de filmes

Bekir Kaya: Co-alcalde de Van

Mehmet Ali Tunç: Co- alcalde de Muradiye

Beritan Tayan: Co-alcalde de İpekyolu

Bayram Demir: Conselheiro do concelho de Batman

Berivan Özlem Kutlu: Co-alcalde de Kumçatı

Yıldız Çetin: : Co-alcalde de Gürpınar

Rukiye Eryılmaz: : Co-alcalde de Çınar

Hasan Güngör: Vice co-alcalde de Kayapınar

Zelal Abiş Birtane: Vice co alcalde de Dicle

Hayrettin Satar: Conselheiro do concelho de Bismil

Hüseyin Çelik: Conselheiro do concelho de Kayapınar

Necmi Dilmaç: Conselheiro do concelho Batman

Bayram Akman: Conselheiro do concelho Batman

Abdulkadir Çalışkan: Co-alcalde de Saray

Siyabend Yaruk: Jornalista

Arif Akkaya: Executiva do DBP de Diyarbakir (Amed)

Abbas Ercan: Co-alcalde do HDP de Kayapınar

Arzu Karaman: Co-alcalde do DBP de Bağlar

Elif Haram: Membro do Congresso de Mulheres Livre

Semra Karaduman: Membro do Congresso de Mulheres Livre

Nalan Göze: Membro do Congresso de Mulheres Livre

Talat Emre: Associaçom (Revolucionários) do 78

Rıfat Roni: Associaçom (Revolucionários) do 78

Sinan Ekinci: Execuitiva do DBP de Bağlar

Yusuf Ziya Yavuz: Trabalhador municipal

Yusuf Sökmen: Trabalhador municipal

 

Umha revoluçom nom é um jantar de gala

A revoluçom nom é um jantar de galaEscrito por Meredith Tax

A palavra “revoluçom” significa o mesmo para o movimento de libertaçom curdo e para os esquerdistas norte-americanos que apoiaram o Bernie Sanders? Uma pequena história…

Durante o século XX ficava claro o que as pessoas queriam dizer quando usavam a palavra “revoluçom”. Mao Tsé-Tung falou, melhor do que ninguém: “Nom se obtêm com a mesma elegância, calma e delicadeza. Nem com a mesma suavidade, amizade, cortesia, moderaçom e generosidade. A revoluçom é umha insurreiçom, um ato de violência na qual umha classe invalida a outra”.

Os fundadores do PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistam) na Turquia consideraram esta definiçom em 1978 quando apresentaram umha estratégia de guerra popular que iria conduzir à formaçom de um Estado curdo independente. Ao princípio, centraram-se na “propaganda polos feitos” e no treinamento militar na construçom do que, logo, converteu-se numha força extremadamente combativa, como foi descoberto polo ISIS na Síria. Mas, a sua visom sobre a revoluçom foi enormemente ampliada durante a década de 1990 quando o movimento de resistência civil chamado Serhildan surgiu nas regions curdas da Turquia, juntamente com os esforços em construir um partido parlamentário que pudesse combinar trabalho eleitoral e o de apoio.

Isto nom foi fácil eis que cada vez que os curdos fundavam um partido dentro do sistema eleitoral e se candidatavam a algum cargo o Estado turco declarava ilegal essa organizaçom -isto aconteceu em 1993, 1994, 2003 e 2009 e, agora, está acontecendo com o HDP (Partido Democrático dos Povos)-, apesar de todo (e devido a isso) obtivo 13,1% de votos nas eleiçons estatais parlamentárias em junho de 2015.

A resposta de Erdogan a este sucesso eleitoral foi a convocaçom de novas eleiçons e, ao mesmo tempo, iniciar umha política militar forte sobre as cidades curdas no sudeste da Turquia onde a povoaçom civil foi submetida à bombardeios, desocupaçons e inúmeros crimes de guerra, ao mesmo tempo em que as suas casas e as vizinhanças eram destruídas. Todo isso foi feito em nome do combate ao terrorismo do PKK.

De feito, o PKK rechaça o terrorismo há mais de 20 anos, no seu 5º Congresso, realizado em 1995, quando juraram publicamente respeitar a Convençom de Genebra e as todas as leis de guerra, rechaçando, assim, os crimes contra a povoaçom civil mas, mantendo o seu direito à autodefesa armada contra o governo turco. Neste mesmo Congresso, fundaram o exército das mulheres dando-lhe total independência para aumentar a sua capacidade de autogestom e incentivar a liderança das mulheres nesta luita. A Co-prefeita de Amed (Diyarbakir), Gültan Kişanak, declarou, em recente entrevista, sobre a forma na qual o PKK foi-se transformando, dizendo que, no princípio, a perspectiva era de realizar primeiro a revoluçom e, depois, tomar providências em relaçom às mulheres mas, isso mudou na década de 1990 dada a enorme influência do movimento internacional polos direitos das mulheres:

“Neste novo ambiente as mulheres começaram a assumir funçons importantes e criaram as suas próprias estruturas separadas, nom só seguindo o que dizia o movimento politico de modo geral mas, também, criando políticas alternativas que o partido tivo que obedecer… Estas mudanças nom foram fáceis e os direitos nom foram cedidos polos homens sem mais nem menos: as mulheres curdas temos lutado em todos os níveis e conseguimos estas mudanças apesar das barreiras que enfrentamos dentro da sociedade patriarcal e, em que pese, a resistência de alguns dos nossos companheiros homens”.

Os curdos em Rojava (Curdistam sírio) seguem a mesma filosofia política do movimento na Turquia. Por tanto, apesar de Rojava ser umha novidade que declarou a autonomia em 2012, o movimento lá presente está embasado em quarenta anos de experiência política acumulada nos quais, nos últimos vinte, se deu especial destaque ao desenvolvimento da democracia local, à organizaçom comunitária e à liderança das mulheres.

Comecei a estudar o movimento das mulheres curdas durante a batalha em Kobane e, rapidamente, fiquei convencida de que a sua história é tam importante que tinha a obrigaçom de fazer isto, de escrever em inglês o mais rápido que podia, apesar de que nom poderia ir até lá e estava limitada pola minha falta de conhecimento em outros idiomas.

Na medida em que trabalhava emA Road Unforeseen: Women fight the Islamic State” [Um caminho imprevisto: a luita das mulheres contra o Estado Isâmico], era constantemente chocada pola natureza radical desta revoluçom e pola forma em que questiona as estruturas mais básicas da esquerda, nom só no que se refere às mulheres mas, sobre a relaçom entre a luita armada, o movimento de massas, a atuaçom dos partidos no parlamento e o próprio Estado em si mesmo.

As revoluçons marxistas-leninistas do século XX estam embasadas na premissa de que o Estado era um instrumento de dominaçom da classe burguesa que poderia ser tomado e convertido aos interesses da classe operária sob a “ditadura do proletariado”. No seu 5º Congresso em 1995, o PKK descreveu como se desenvolvera isso na URSS: “Ideologicamente, produziu-se um declínio em direçom ao dogmatismo, ao materialismo vulgar a ao chauvinismo pan-russo; politicamente, foi a criaçom do centralismo extremo, umha suspensom da luita de classes democrática e a emergência dos interesses do Estado a um nível de fator determinante; socialmente, reduziu-se a vida livre e democrática da sociedade e dos seus indivíduos; economicamente, o setor estatal foi dominante e foi um fracasso a tentativa de superar umha sociedade de consumo que era mantida no estrangeiro; militarmente, o crescimento do exército e da adquisiçom de armas tivo prioridade sobre outros setores. Este desvio ficou cada vez mais claro durante a década de 1960, levando o sistema soviético a umha condiçom de estancamento absoluto”. 

Em 1989, Abullah Öcalan foi capturado, preso e acusado de assassinato, extorsom, separatismo e traiçom; a sua sentença de morte foi transformada em prisom perpétua devido as regulaçons implementadas pola Uniom Européia.

Começou a estudar a escrever dentro da prisom e, assim, deu inicio aos questionamentos sobre o papel do Estado. Na sua Declaraçom do Confederalismo Democrático em 2005, bem como nos seus escritos sobre as mulheres, expôm umha teoria que rompe completamente com o manual leninista.

Atualmente o movimento de libertaçom curdo afirma a ideia de que os Estados som intrinsecamente hierárquicos, com bases étnicas e sexistas e que ao invés de tomar o aparelho estatal um movimento de libertaçom deve estar envolvido com o Estado apenas até o ponto em insistir que este deve ser democrático e permitir a autonomia; pra além disso, o movimento deve concentrar as suas forças no desenvolvimento de economias democráticas e da autonomia local embasado em princípios anticapitalistas, feministas e ecológicos.

Esta estratégia, que está sendo colocada em prática em Rojava, ainda nom foi capaz de chegar a sua plenitude devido à guerra e ao embargo que assola a regiom. Rojava está cercada por forças hostis em todas as suas fronteiras: luitando contra o ISIS, Jabhat al-Nusra (agora usando um novo nome[Jabhat Fateh al-Sham (Frente de la Conquista de Levante)]) e outros grupos islamistas na Turquia; sendo bombardeada polo exercito turco e, recentemente, por Assad; também, está sendo bloqueada polos aliados da Turquia, o PDK na regiom autônoma do Curdistam iraquiano que fai fronteira com a Síria.

Juntos, o PDK e a Turquia impugerom um brutal cerco econômico sobre Rojava, negando-lhes alimentos, materiais de construçom, material de uso médico e até mesmo remédios, fazendo com que se torne muito difícil que as pessoas poidam entrar ou sair da regiom.

Na medida em que a ONU envia ajuda estes recursos som acumulados nas fronteiras, Rojava nom está conseguindo, sequer, alimentar os centos de milheiros de refugiados que buscam asilo naquela regiom, a última onda vem de Manbij e Aleppo (cidades que tiveram grandes embates no último mês). A OTAN nom colocou pressom suficiente na Turquia para insistir que seja levantado o cerco à regiom e os EUA nom usaram da sua influência com o PDK (Partido Democrático Curdo).

Por mais que o golpe fosse dirigido polos mesmos oficiais que estavam bombardeando as cidades curdas, os porta-vozes destas regions asseguram que o que aconteceu foi um contra-golpe, com a intençom de que Erdogan poidesse impôr umha ditadura islamista ao invés de umha ditadura militar. Sem dúvidas é muito significativo que o único partido que Erdogan excluiu depois do golpe é a grande coalizom democrática do HDP, partido formado por curdos, inconformistas, intelectuais, feministas, minorias e homossexuais.

Foi umha experiência estranha estar escrevendo “Um caminho imprevisto” justamente quado estava começando ter sucesso a “revoluçom política” de Bernie Sanders nos EUA. Apoiei ao Sanders; era muito bom ouvir um político de renome nacional usar a linguagem da esquerda, algo que se tinha convertido em um tabu entre as principais correntes dos EUA depois da caída do muro de Berlim. E foi comovedor ver umha nova geraçom sensível frente às ideias radicais.

Mas, Bernie nunca explicou realmente o que queria dizer com umha “revoluçom política” e, muitos dos seus seguidores, eram jovens e nom tinham estudado muito sobre história, isso fazia que parecera possível pensar e fazer umha revoluçom em umha campanha eleitoral. A sua dor quando Bernie avaliou a Hillary Clinton -como sempre dixo que faria se ela conseguisse a nomeaçom- foi compreensível, como foi a sua indignaçom de que o sistema de partidos fosse partidista, regido por umha carreira de afiliaçom à longo prazo, e bastante hostil às emergências democráticas repentinas vindas de fora.

A história do movimento curdo poderia lhes ensinar o difícil que é fazer umha revoluçom, o tempo que demora tudo isso e o porque as mulheres serem a chave deste processo. Como dixo Frederick Douglass: “O poder nom concede nada sem umha demanda. Nunca o fixo e nunca o fará”.

A história do proletariado dos EUA mostra que quando os interesses econômicos substanciais estam em jogo, os poderes fáticos podem luitar para manter cada polegada. O tipo de mudança que precisamos nos EUA nom vai acontecer em um ciclo eleitoral. Nom vai acontecer somente por meio de umha política eleitoral nem somente por meio de protestos. Isto só irá acontecer por meio do tipo de organizaçons que os curdos venhem criando.
O movimento de libertaçom curdo desenvolve a força que foi construída em muitos anos de educaçom popular, de construçom das suas próprias instituiçons, combinando trabalho eleitoral e parlamentário com a resistência nom violenta e a autodefesa armada sempre e quando for necessária, destinando os seus esforços em “servir ao povo”, como diriam as Panteras Negras, ao mesmo tempo, em que vam construindo organizaçons administradas democraticamente que poidam ser sustentáveis. É por isso que é tam importante apoiá-las, bem como aprender dos seus exemplos.

A recente tentativa de golpe de Estado na Tuquia em julho -o qual foi imediatamente denunciado polo HDP- nom parece ter mudado em nada os assuntos relativos aos curdos.

lead-Meredith-TaxMeredith Tax é escritora e ativista política desde o final da década de 1960, foi membro do Bread and Roses, fundadora presidente da Comissom Internacional de Mulheres Escritoras do PEN, presidente fundadora de  Women’s WORLD, e co-fundadora do Centre for Secular Space. Os seus últimos livros som Double Bind: The Muslim Right, the Anglo-American Left, and Universal Human Rights e A Road Unforeseen: Women Fight the Islamic State.

Publicado em Opendemocracy.

 

 

Movimento curdo: A Turquia precisa tomar medidas para a resoluçom da questom curda

Bandeiras KCK Ocalan e PKKNota: A declaraçom da KCK, organizaçom guarda chuva do Movimento Curdo foi feita no sábado, 20 de agosto, antes do ataque em Gaziantep à um casamento curdo que deixou 51 pessoas mortas e mais de 150 feridos, o ataque foi atribuído ao ISIS.

Devido à sua importância, no que diz respeito à questom curda, estamos publicando-a detalhadamente abaixo.

A Co-Presidência do Conselho Executivo da Uniom das Comunidades do Curdistam (KCK), divulgou umha declaraçom sobre o estágio que a questão curda atingiu, ataques contra o Movimento Curdo (MC), apelam para um retorno às negociaçons (entre o MC e o Estado Turco) e as etapas necessárias de resoluçom a serem tomadas no futuro.

A KCK salientou que o movimento curdo sentiu a necessidade de re-expressar a sua abordagem em meio a demandas e as chamadas feitas por determinados governos, instituiçons internacionais, organizaçons do Governo Regional do Curdistam (KRG), as Forças Democráticas e o Partido Popular Democrático (HDP) na Turquia por um retorno às negociaçons para a resoluçom da questom curda. A KCK enfatizou que é o Estado turco, quem deve dar um passo para a resoluçom do problema.

A KCK listou os seguintes passos de urgência para a resoluçom:

“Como Movimento de Libertaçom Curdo, estamos prontos para cumprir nossas responsabilidades em todos os aspectos, se o governo do AKP demonstra ter a vontade necessária em resolver a questom curda e assegura que o povo turco vai dar um passo para isso, umha delegaçom parlamentar que envolva o HDP teria de dialogar com o nosso líder Abdullah Öcalan e decidir iniciar as negociaçons muito em breve, oportunidades seram criadas para que nosso líder se reúna com todos os partidos políticos dentro e fora do parlamento, incluindo organizaçons comunitárias que tenhem propostas para a democratizaçom e resoluçom de problemas – principalmente com os alevitas, organizaçons nom-governamentais e intelectuais”.

Observando que o fracasso da tentativa de golpe em 15 de julho foi umha grande oportunidade para a Turquia, A KCK dixo que o governo do AKP tirou proveito desta falha mobilizando assim um contra-golpe.

AKP, responsável pola tentativa de golpe na Turquia

A KCK alegou também que o governo do AKP impujo um isolamento agravado ao líder Öcalan desde 05 de abril de 2015 e rejeitou o acordo de Dolmabahçe, feito em 28 de fevereiro de 2015 entre o MC e o Estado turco. Acrescentou que o governo turco “começou a implementar a sua política e mobilizaçom de guerra”, um mecanismo de golpe para suprimir a questom curda após os resultados das eleiçons gerais do 05 de junho de 2015, que deixou o AKP sem maioria no Parlamento.

“Nosso líder Öcalan, lançou um processo de cessar fogo no final de 2012 e declarou um manifesto para a democratizaçom da Turquia no Newroz de 2013. Com um plano de três fases, el projetou a democratizaçom da Turquia, declarou a sua intençom de retirar as forças da guerrilha (PKK) das fronteiras turcas e, o PKK liberou soldados, policias e um governador de distrito. Por ter, o movimento, tomado estes passos, nosso líder tentou encorajar o estado turco a tomar medidas para a democratizaçom. No entanto, o governo do AKP se absteve de tomar medidas de resoluçom da questom curda e sustentou o cessar-fogo apenas em prol das suas próprias decisons “.

‘Plano Colapso’ colocado em açom

“Ao sustentar o cessar-fogo, apesar de todas as abordagens negativas do estado, nosso movimento deu ao governo do AKP umha oportunidade para tomar medidas em prol da resoluçom da questom curda e a democratizaçom. Em cada reuniom com o Estado e as delegaçons do HDP, o líder Öcalan advertiu aos partidos da existência de um “estado paralelo dentro do estado” e enfatizou que estas estruturas com ligaçons exteriores nom queriam a resoluçom da questom curda. Alertou repetidamente que o impasse nessa resoluçom criara um mecanismo de golpe de estado, e que este mecanismo entraria em açom ao menos que se desse um passo para sua resoluçom.

No entanto, Erdoğan e o seu entorno nom levaram em conta os esforços do nosso líder e o ambiente de nom-conflito que el negociara seriamente, nom avançou um passo sequer no fortalecimento de tais esforços.

Como resultado, o governo do AKP, na pessoa de Erdoğan, trouxe em vigor o “mecanismo de golpe” ao decidir pola guerra durante a reuniom do Conselho de Segurança Nacional (MGK), em 30 de outubro de 2014. O “Plano Colapso”, criado para esmagar o Movimento de Libertaçom Curdo, foi decidido nesta reuniom e logo das manifestaçons do 6 e 8 de outubro, ajudando a evitar a queda de Kobane.”

O Conselho de Segurança Nacional propujo que o exército esmagasse o movimento curdo

A KCK enfatizou que se entregara nas maos do exército turco a tentativa de esmagar a luita durante a mesma reuniom do Conselho de Segurança Nacional acima mencionada, e que isto ativou o ‘mecanismo de golpe’ e reforçou a facçom de dentro do exército turco que a efetivou.

Recordando as observaçons do entom primeiro-ministro Ahmet Davutoglu “Solicitei ao exército e à polícia para que se preparassem em 2014”, a KCK disse que isso era umha clara confissom do papel do governo do AKP na formaçom das fundaçons que ativaram o “mecanismo de golpe.”

O isolamento de Öcalan

A declaraçom da KCK lista os principais desenvolvimentos que levarom à ativaçom do “mecanismo de golpe” tais como: a rejeiçom do Acordo de Dolmabahçe, imposiçom de isolamento agravado a Öcalan desde 5 de abril,  rejeiçom dos resultados das eleiçons de 7 de junho e o início de umha “guerra generalizada” o 24 de julho de 2015.

“Entende-se agora que o apoio dos poderes externos dados à política de guerra do AKP, depois da eleiçom do 07 de junho, está relacionado com a ativaçom deste “mecanismo de golpe”. Esta é a razom pola qual as potências externas fecharom os olhos para o governo do AKP. Eles estam queimando cidades curdas e massacrando centos de civis. O plano era que o “mecanismo de golpe” obteria resultados mais breves em um ambiente de conflito onde o AKP e PKK fossem enfraquecidos.”

A tentativa de golpe de 15 de julho começou em dezembro de 2015

A KCK observou que a tentativa de golpe do 15 de julho tivo o seu início o 14 de dezembro 2015, quando entom o governo do AKP deu sinal verde para que o Exército turco entrasse em cidades curdas com tanques, artilharia e armas pesadas “esmagando o povo curdo que declarava a autonomia.”

“Erdoğan e Ahmet Davutoglu comentarom ‘Nosso bravo exército derrotou os terroristas’ [a respeito de Sur, Cizre e Nusaybin] e isso significou que o “mecanismo de golpe” tinha sido ativado e decidiu tomar o poder do Estado. Sua reivindicaçom com esse exército era ‘Nós somos aqueles que luitam contra o PKK, estamos assumindo esse fardo pesado, e, portanto, nós somos os únicos que podem governar e determinar a política’. Os tanques, artilharia, helicópteros e jatos que foram bastante eficazes nas montanhas do Curdistam, agora mudam sua mira para Ancara, Istambul e Izmir. A fracassada tentativa de golpe surgiu como umha consequência das políticas que procuravam respostas para a questom curda e acabou por profundar o impasse. O governo do AKP afirma que este golpe foi encenado polos círculos de [Fethullah] Gülent. A verdade, porém, é que os membros do AKP desempenharom um papel importante no golpe, tanto ideológica quanto politicamente”.

A KCK dixo que sempre houveram círculos democráticos e curdos na Turquia e que os mesmos permaneceram contra os golpes de Estado, “como testemunhamos durante o golpe militar de 1980 e a guerra suja lançada polos militares na década de 90 contra os curdos.” A KCK acrescentou que ambas as partes, tanto os círculos curdos quanto democráticos, foram as que mais sofreram com os golpes.

Notando que o fracasso da tentativa de golpe de 15 de julho foi umha grande oportunidade para o povo turco, A KCK dixo que o governo do AKP nom pensar na resoluçom da questom curda e nem na democratizaçom, através das quais o mecanismo de golpe poderia ter sido eliminado.

A KCK mudou de ideia

A declaraçom da KCK observa que o movimento curdo tinha considerado fazer umha nova avaliaçom da situaçom após a recente tentativa de golpe, mas decidiu nom fazê-la devido à abordagem negativa do governo do AKP, e dixo ainda que tinha concordado que o partido precisava avançar para promover a democracia, a resoluçom da questom curda e mostrar umha verdadeira postura anti-golpe, mas que isso nom ocorreu no pós-golpe.

Em vez disso, o Estado continuou seu discurso chauvinista, declarando o estado de emergência, e anunciou a suspensom das negociaçons com Imrali (ilha turca onde Öcalan está detido) exibindo umha abordagem desfavorável ao HDP com Erdoğan instrumentalizando tudo para se manter no poder.

Resposta aos grupos que pedem negociaçons

“Mas, recentemente, foram publicados, mais umha vez, apelos e declaraçons sobre as  nossas necessidades e abordagens por certos estados, instituiçons internacionais que trabalham em soluçons de conflitos pacíficos, organizaçons cooperativas do Curdistam Iraquiano (KRG), grupos de poder na Turquia, HDP e as forças democráticas.

Nosso líder Öcalan, e nosso movimento tem, desde 20 de março de 1993 feito grandes esforços para umha soluçom política e democrática à questom curda e declaramos cessar-fogo mais de dez vezes para esse fim. Além disso, o movimento mostrou-se favorável em retirar as forças armadas das fronteiras turcas (2013) e quase o 40% das forças de guerrilha foram retiradas com muito mais mobilidade nesse sentido. Mas o Estado e o AKP nom tomarom as medidas necessárias para acabar com a negaçom aos curdos e estenderom as suas políticas genocidas, a situaçom que criou o atual e intenso conflito veio à tona. ”

O AKP tirou proveito do cessar-fogo

A KCK afirmou também que os recentes confrontos tinham se tornado mais violentos do que os anteriores, porque o governo do AKP tirou proveito do acordo de cessar-fogo para os seus próprios fins.

“Erdoğan e o governo do AKP utilizarom todos os cessar-fogos que tinham sido declarados para reforçar a sua permanência no poder. Eles criarom umha falsa esperança de resoluçom para isso. Erdoğan abordou a questom curda, como umha questom fundamental da Turquia de forma irresponsável a fim de promover os seus interesses e os do seu partido. El interrompeu o povo curdo, as forças democráticas, e todo povo turco, embora pudesse ter oferecido todas as condiçons e oportunidades para a soluçom da questom curda. Outros poderes políticos desconfiarom desse abuso de Erdogan e nom oferecerom o apoio necessário.

Portanto, esta experiência mostra-nos que a declaraçom de cessar-fogo, sem um fim para a utilizaçom da mesma só vai manter a política de uso ferramental que o partido fai, portanto, servindo à sua insistência em nom resolver a questom curda. As questons relativas ao cessar-fogo nom devem mais ser abordadas no interesse de um determinado partido, mas vistas como um problema que toda a Turquia enfrenta. Palavras, passos ou açons que nom som em prol de umha soluçom e servem apenas para enganar nom tenhem nengum significado. Repetir isso nom ajudará em nada, além de piorar a situaçom.

Nom foi o PKK nem o Movimento de Libertaçom Curdo quem criarom esse conflito. O PKK foi formado pola falta de umha soluçom para a questom curda, e chamou a atençom para isso, bem como o fortalecimento dos fundamentos de umha soluçom, umha vez que luitou contra as políticas de negaçom e de extermínio”.

O Estado turco deve dar um passo

Na sua declaraçom, a KCK foi inflexível com o feito de que o Estado turco precisa dar o primeiro passo para as negociaçons serem feitas.

“É o Estado turco, que deve dar um passo para a soluçom da questom curda e garantir umha soluçom duradoura. Se o governo nom consegue fazer isso, o povo curdo irá criar a sua própria soluçom e continuará a luitar por umha vida livre e democrática. Ninguém deve esperar umha abordagem diferente do povo curdo e do Movimento de Libertaçom. No entanto, o Estado turco nem sequer dá um passo, nem tolera a criaçom da própria soluçom do povo curdo. O Estado turco nom pode sair deste ciclo vicioso se nom abandona as suas políticas e alianças anti-curdas.”

A saúde e segurança de Öcalan

“Como Movimento de Libertaçom Curdo, sabe-se que tivemos de recorrer à guerra por necessidade. A história tem provado que a paz na Turquia virá com a soluçom da questom curda, e que isso só é possível com a libertaçom dos povos curdos e do líder Abdullah Öcalan, que iram desempenhar um papel importante na realizaçom desta soluçom. Nosso líder é a ponte fundamental entre os povos turcos e curdos. O líder Öcalan tem apresentado a abordagem mais razoável para a soluçom da questom curda, mas a sua abordagem nom foi correspondida, polo contrário, foi colocado sob isolamento mais rigoroso.

Enquanto era sabido que os golpistas estavam muito irritados com o nosso líder por causa dos seus análises, as preocupaçons do nosso povo a respeito da sua saúde e segurança nom foram respondidas, assim como a nom concessom ao acesso polos avogados da sua família e garantia dos seus direitos mais básicos. Nom respondendo a essa demanda urgente isso prova que ainda nom existem políticas para a soluçom democrática da questom curda. Se houvesse qualquer intençom de umha soluçom política democrática, umha reuniom com Öcalan teria sido estabelecida. Neste contexto, o isolamento agravado imposto ao nosso líder é, na sua essência, um isolamento da soluçom política democrática.”

Possível soluçom caso o Estado turco tome medidas

A KCK enfatizou que umha soluçom para a questom curda poderia acontecer em um curto espaço de tempo, caso o Estado turco e o governo tomassem iniciativas. “Se desenvolverem umha política para essa soluçom, a questom curda será resolvida dentro de um mês, e a paz virá para a Turquia. Como movimento de libertaçom, a nossa preferência é por umha soluçom política democrática. É claro que vamos fazer todos os sacrifícios necessários para isso, o que requer umha postura do estado e do governo que garanta que eles nom vam instrumentalizar os cessar-fogos e períodos livres de conflito. Ninguém deve esperar um passo so unilateral nesta questom.

No entanto, se o governo do AKP mostra ter vontade de resolver a questom curda e selar um compromisso com o povo turco tomando assim as medidas necessárias tais como dar início às negociaçons para umha soluçom imediata com reunions entre a Comissom Parlamentar incluindo o HDP e o nosso líder, garantirem que Öcalan terá a oportunidade de se reunir com a sua organizaçom [KCK / PKK] e todas as partes dentro e fora do Parlamento, todos os grupos dentro da Turquia que tenhem pontos de vista sobre a democratizaçom e soluçons para os seus próprios problemas, principalmente os alevitas, ONGs e organizaçons intelectuais; nós, como Movimento de Libertaçom estamos preparados para cumprir todos os deveres no âmbito das medidas a serem tomadas e os compromissos recíprocos.

Esta nom é uma imposiçom, nem umhas pre-condiçons. Estas som as etapas necessárias para certificar de que nom retornaremos às condiçons terríveis em que nos encontramos hoje. Grandes perdas e dor forom causadas polas políticas que instrumentalizarom assuntos relacionados com a soluçom da questom curda.

Se as políticas de negaçom e extensom genocidas [contra os curdos] foram descartadas, nós, como Movimento de Libertaçom seremos os defensores mais destacados e praticantes de umha soluçom que permitirá ao povo turco viver em fraternidade. Este tem sido o nosso objetivo em todas essas décadas de longa luita, e vamos concretizar isso.

Publicado em Kurdish Question baseando-se na declaraçom da KCK publicada em ANF.

 

 

 

Entrevista a Selahattin Demirtaş, co-presidente do HDP: “Nom temos outra opçom do que estar bem organizados e atentos, prontos para qualquer cousa”

demirtas 25Öcalan avisara a Erdogan sobre esta questom. ” Di-lhe, el nom entende, está agindo como um idiota “, dixo Öcalan. “Continuar o processo de resoluçom apoia-o , se esse processo termina, a mecânica do golpe vai intervir e el vai acabar como o Morsi de Egito”, avisou.

Selahattin Demirtaş, co-presidente do Partido Democrático dos Povos, definiu a tentativa de golpe como “umha tentativa de golpe de Estado duns golpistas contra outros golpistas “, e acrescentou: “Umha atitude clara deve ser adoptada contra as duas mentalidades golpistas e a luita deve ser reforçada, porque a mentalidade golpista que tentou tomar o poder através das forças militares usando tanques e canhons é ilegítima e  governar por meio de umhas eleiçons que se realizarom com umha guerra, violência, e o bombardeamento de cidades, é também um golpe civil.”

Demirtaş, lembrou que o Líder Curdo Abdullah Öcalan avisara a Erdogan sobre a “mecânica golpista” em todo o processo de diálogo, dixo que o Movimento de Libertaçom Curdo nom “aproveitou a tentativa de golpe” quando ocorreu:  as “guerrilhas curdas poderiam ter aproveitado essa tentativa e apreender muitas cidades, mas isso seria jogar da mentalidade pró-golpista. O movimento curdo, por nom fazer umha escolha entre as duas mentalidades pró-golpistas, mantivo umha postura digna, que insiste na luita democratica dos povos. No entanto, pessoas como Erdogan nom tenhem a capacidade de entender essa postura digna”.

O co-presidente do HDP chamou a “solidariedade” ao mencionar que com os grupos racistas e jihadistas que tomarom as ruas após a tentativa de golpe corre-se o risco de linchamentos e massacres.

Conversamos com Demirtaş sobre a tentativa de golpe que tivo lugar o 15 de Julho.

O que aconteceu ainda precisa de uma definiçom geral. Que foi exatamente?

Em primeiro lugar, é óbvio que houvo umha tentativa de golpe militar desde que o Exército empreendeu umha atividade militar que estendeu até bombardear o edifício do parlamento, a fim de derrubar o governo e tomar o poder. Que isso seja feito polo exército, pola força das armas exige que seja definido como umha tentativa óbvia de golpe de Estado. Umha vez que é definido de forma diferente, fica difícil de abordar a questom.

No entanto, as condiçons em que a tentativa de golpe se levou a cabo, os que desencadearom a tentativa de golpe, a posiçom do governo do AKP, estas som realmente aquelas que precisam ser definidas porque o poder atual é o poder que está governando através de um golpe de estado civil. Umha tentativa de golpe de golpistas contra golpistas … Se isso nom é precisamente definido, a questom nom pode ser feita. Entom, a posiçom tomada será igualmente errada e tal erro iria jogar nas maos do AKP no âmbito de um slogan “anti-golpe”.

É necessário tomar umha posiçom clara contra as duas mentalidades pró-golpistas e deve ser realizado um esforço. Um golpe civil para governar por meio de umhas eleiçons que foi realizada na sequencia da guerra, a violência, o bombardeando de cidades é tam ilegal quanto as forças golpistas que tentarom alcançar o poder através de meios militares, com tanques e armas.

Nós já levamos resistindo ao golpe do AKP por mais de um ano. O AKP, que extorquiu o poder desde o ano passado, nom pode ser absolvido só porque um bando dentro do exército acaba de tentar usurpar o poder. Estamos contra o golpe, principalmente; apresentamos a nossa posiçom como tal e ponto final. É necessário trabalhar umha política baseada em umha perspectiva que nom encobra o golpe feito polo AKP também. Nos nossos informes, apontamos a umha liga pola democracia tanto contra a mentalidade pró-golpista dentro do AKP como a camarilha pró-golpista dentro do exército. A alternativa é umha liga pola democracia, porque os próximos desenvolvimentos iram determinar o futuro do país. Ou o AKP vai embora e as forças da democracia terám o poder ou o AKP vai fazer o seu próprio golpe permanente, institucionalizando-o, aproveitando esta tentativa de golpe militar.

Como poderia esta camarilha golpista acreditar que a tentativa seria bem sucedida? Em quem ou o que confiavam?

Desconheço-o. A camarilha golpista nom tinha apoio político. Di-se que o golpe foi realizado sem apoiar-se em nengumha alternativa política. Há só umha cousa que eu sei: nom era umha camarilha que dependesse do HDP ou das forças que o HDP representa. Essa é a única cousa da que temos certeza. No entanto, se a camarilha tinha quaisquer contacto com outras forças políticas ou foi um golpe planejado por algumas outras forças políticas? Nom podemos sabe-lo. Pode ficar claro nas próximas semanas ou meses. No entanto, na Turquia algum tem sempre um entendimento de que espera a ajuda de um golpe. Houvo sempre umha mentalidade pró-golpista que acredita que nengumha força, exceto o exército pode consolidar a democracia no país, mas nom podo saber com quem essas pessoas tenhem relaçons políticas.

Esperava essa tentativa de golpe? Recebeu algumha especulaçom ou já preveia umha coisa assim?

Fazer tal previsom seria difícil, mas ao mesmo tempo durante as conversas em Imrali, o Sr. Öcalan descreveu a mecânica do golpismo e ilustrou-no correctamente com exemplos históricos. El muito bem explicou como as chamadas mecânicas golpistas funcionam na Turquia. Assim, el previa que a mecânica golpista seria implementada umha vez que o processo de resoluçom acabara. E, nesse sentido, advertiu a Erdoğan muitas vezes. El dizia: “Di-lhe, el nom entende, está agindo como um idiota.” Continuamente o avisou, dizendo: ” Continuar o processo de resoluçom apoia-o , se esse processo termina, a mecânica golpista vai intervir e el vai acabar como o Morsi de Egito”.

Como forom os passos concretos da mecânica golpista depois de rematar o processo?

Sim, poidemos observar e muito bem compreender a mecânica golpista durante essas conversas. Quando o processo terminou, a chamada mecânica golpista já estava em funcionamento de algumha forma. A guerra contra os curdos, a destruiçom no Curdistam, o esforço do exército a tomar a iniciativa de novo, Erdogan pondo-se em reserva do exército, a renuncia do seu poder sobre o exército, a sua proposta de aliança para um bloco nacional-fascista e a rendiçom da sua vontade a esse grande bloqueo, el praticamente fazendo tudo o que este bloco quer só para ganhar a guerra contra os curdos forom realmente os sinais da mecânica golpista em funçom.

Será que o Bloco de Estado Turco, que foi formada como umha consequência da guerra contra os curdos, leva a isso?

O Staff General obtivo todas as promessas de Erdogan antes de entrar na batalha das cidades. Ou seja, entregou o sistema presidencial, e, no máximo, haveria presidência com partidos políticos, Erdogan iria desistir da idéia de aproveitar todos os poderes do Estado para si mesmo; aprovaria a lei de impunidade e nom haveria caminho de volta para as negociaçons do processo de resoluçom. Tais promessas forom feitas e, portanto, o exército começou a luitar nas cidades.

Se lembrar, dixo-se no início que esta era umha guerra do Palácio e as pessoas estavam reagindo fortemente contra Erdogan nos funerais de soldados e policias. O exército também duvidava de luitar nas cidades e formulou um parecer sobre nom entrar nas cidades. Nos primeiros momentos os tanques entraram na cidade em Silvan e em pouco tempo eles afastarom os tanques da batalha, o exército expressou a Erdogan que nom iam entrar na cidade. Depois disso, Erdogan entregou-lhes a sua vontade, a fim de fazer um acordo com o exército e tornar o exército à luita nas cidades e entrar às cidades com tanques e armamento militar.

As relaçons e mecanismos internacionais também começarom a exercer pressom sobre Erdogan.

Isto foi completamente a mecânica golpista definida polo Sr. Öcalan. Estava funcionando perfeitamente. Enquanto a paz e o acordo nom forom feitas e umha aliança nom foi formada com os curdos, a guerra contra os curdos desencadeou o mecanismo de golpe como um relógio quando chega a hora.

Neste caso, nom deve estar surpreendido com a tentativa de golpe, certo?

Nom, nom estou surpreso. Estávamos esperando tal processo, mas é claro que era impossível para nós adivinhar, prever ou fornecer informaçons sobre o golpe. No entanto, nom ficamos chocados quando aconteceu porque se estava aproximando abertamente. Como isso aconteceria era um mistério. Seria um golpe pós-moderno como o do 28 de fevereiro, ou o exército completaria o golpe, aproveitando-se de Erdogan com o o exército ganhando lentamente a iniciativa da guerra no campo? Isso nom o sabiamos. No entanto, também se sabia que nom havia só umha camarilha no exército. Estruturas comunitários, chauvinistas, nacionalistas, americanistas forom separando-se em facçons. Nom é possível afirmar que esses grupos concordem entre si o 100% e concordem com Erdogan.

Sabe-se que houvo tensom antes de o Conselho Militar e que havia divergências antes das consultas. O Conselho Militar foi muito importante este ano. Cada conselho militar nos últimos anos tem sido muito importante, mas o Conselho Militar desse ano foi histórico para eles. Esperava-se que a tensom subiria. No entanto, ninguém estava esperando que isso se transformar em uma tentativa de golpe.

Após a tentativa de golpe, alguém do governo chamou ou tentou contatar com você?

Nom, ninguém o fixo. Houvo troque de informaçons com os nossos colegas, mas ninguém do governo contactou-nos.

Que vai acontecer? Por exemplo, pode haver uma mudança de política sobre a guerra curda? A paz pode estar na agenda? Ou será que a política de violência continuará a aumentar?

Isso depende da atitude que adote o Erdogan e o AKP. Na verdade, apareceu umha oportunidade. O Sr. Öcalan, durante as negociaçons, falou constantemente sobre a estrutura paralela no governo. “Essa mentalidade pró-golpista sempre foi um obstáculo para umha resoluçom”, alertou. Se essa mentalidade pró-golpista realmente vai ser dissolvida e se chegamos a um ponto onde a política civil e a resoluçom do problema curdo nom sejá abordado de forma provocativa; Se Erdogan realmente presta atençom aos avisos do Sr. Öcalan, um processo saudável e duradouro para a paz pode continuar. Em última análise, o enfraquecimento da mentalidade pró-golpista e a tradiçom golpista no exército, da vida civil, judicial, e da burocracia é para o benefício da democracia. No entanto, uma vez que há umha outra mentalidade golpista como o AKP contra nós, umha verdadeira compreensom da democracia nom surge.

 Que seria necessário para umha evoluçom em umha direcçom diferente?

Isso pode vir a ser umha oportunidade se Erdoğan entra em sentido e aqueles em torno del possuem a inteligência para perceber a magnitude do perigo e que a mecânica do golpismo nom desaparecera e compreender que a ameaça de golpe nom chegará ao fim enquanto a questom curda nom for resolvida em paz; umha democracia institucional e umha constituiçom libertária nom está na açom. No entanto, eu acho que isso é umha probabilidade muito pequena porque o AKP sempre usou essas oportunidades em favor da sua consolidaçom, o reforço do seu próprio poder, nom em favor da democracia. [As negociaçons com a] Uniom Europeia, cessar-fogo, processo de retirada dos guerrilheiros [retirada das fronteiras turcas], o AKP tentou-se beneficiar de todos estes.

Os resultados das eleiçons do 7 de junho de 2015 eram certamente umha oportunidade de democratizaçom e reconciliaçom e o AKP nom quixo usá-lo, tampouco. O AKP queria fortalecer-se novamente com umha instrumentalizaçom da guerra para as seguintes eleiçons do 1 de Novembro de 2015.

Ou seja, existe umha oportunidade para começar umha nova democracia em cima de umha fracassada tentativa de golpe; no entanto, o AKP nom é um partido capaz de fazer tal cousa e Erdoğan tampouco nom é um líder capaz de fazê-lo. Portanto, em vez de estar na expectativa de AKP e Erdoğan, precisamos ampliar o campo da democracia e levar, também, umha luta muito mais dura contra as duas mentalidades golpistas. A tensom vai aumentar a cada passo desde as multitudes que saem às ruas por Erdoğan nom estám em umha luita pola democracia ou algo assim. O primeiro-ministro está falando sobre alegria, mas este tem sido simplesmente umha festa de alguns reaccionários.

 Vários meios estam dizendo que há movimento nas ruas, o que é preocupante e prestes a cometer linchamentos …

Sim, mentalidade pró-ISIS, grupos pró-ISIS, incluindo Huda-PAR [um partido político islâmico do Curdistam Norte], AKP, todos os religiosos, grupos reacionários que estam fazendo um “tour de force” nas praças e exibindo o que entendem por democracia também. Eles nom querem ver ninguém, mesmo como cidadaos. Especialmente durante a tentativa de golpe, você já viu mesmo o que fizeram a os pobres recrutas fanfarrons inocentes. Até ontem, os que gritavam “mártires som imortais, a pátria está unida” quando os soldados de reempraço morriam na guerra estam agora linchando e torturando a esses soldados, cortando as suas gargantas.

A este respeito, estes grupos reacionários constituem umha ameaça importante, impedendo umha esperançosa democracia. É necessário dar a luita contra eles, mas também porque eles vam ficar mais atrevidos e funcionando por livre em todos os campos. Em todos os campos, eles vam tentar agir de forma mais imprudente. Eles podem realizar campanhas de linchamento contra os curdos, alevitas, esquerdistas, forças progressistas; eles podem até tentar massacres umha vez que estas pilhas se sentam muito mais forte a partir de agora. Esta será umha ilusom deles, mas eles nom som capazes de se libertar dos seus próprios delírios. Essa mentalidade reacionária está desprovida de qualquer análise histórica; desprovida de fazer avaliaçons políticas corretas; desprovida de compreensom dos equilíbrios internos da sociedade. A mentalidade de quem nom tem idéia de tudo isso pensa que pode mudar tudo com base só na força bruta.

Na verdade, a tentativa de golpe foi desativada graças ao posicionamento de companheiros de todos os partidos políticos, incluindo-nós. Claro, nós nom fizemos isto para apoiar o AKP mas o AKP vai tentar avaliá-lo assim e vai querer tomar vantagem delo. No entanto, se eles foram um pouco éticos e inteligentes, o AKP iria perceber o quam valiosa é a postura anti-golpista do HDP e do Movimento de Libertaçom Curdo. Eles dirigiriam em direçom à democratizaçom e reformas, deduzindo fazer isso nom para si mesmos. Mas eles nom tenhem umha mentalidade assim.

Qual é a posiçom do Movimento de Libertaçom Curdo contra o golpe?

Erdogan estivo acusando o movimento curdo de estar conspirando contra el junto com as estruturas paralelas. El está tentando explicar o término do cessar-fogo com este ponto de vista. Esta tentativa de golpe demonstra claramente que nom é o caso. O movimento curdo nom mostrou nengum ato de incorreçom durante as horas da tentativa de golpe na prática. Isso deve ser observado nos livros de história. Essa ampla guerra ainda está em curso, mas nem um só guerrilheiro do movimento curdo disparou sequer umha bala naquela noite. A guerrilha nom tomou posiçom com os golpistas. O povo curdo nom tomou partido com os golpistas. A guerrilha curda poderia tirar proveito dessa tentativa e entrar em várias cidades. Mas isso seria jogar nas mans dos golpistas. O movimento curdo nom escolheu entre as duas mentalidades pró-golpistas, demonstrando umha postura digna, persistente na luita dos povos pola democracia. Mas mentalidades como a de Erdogan nom tenhem a capacidade de entender essa honrosa postura.

Temos de estar preparados para um desafio mais difícil em qualquer caso. Precisamos estar preparados para umha luita muito mais difícil em todas as áreas. Erdogan e a sua mentalidade realizou “operaçons ilegais de inteligência”, umha vez no poder. Nas operaçons contra o KCK eles prenderom milheiros de pessoas e, em seguida, anunciarom ter prendido milheiros de pessoas erradas. Mais tarde, na operaçom Ergenekon, foi o mesmo. Em operaçons contra a comunidade Gulenista, eles estam prendendo pessoas aleatórias. Agora sobre a tentativa de golpe o AKP está novamente prendendo ou cessando a qualquera que eles vêem como umha ameaça. Nom há espaço para a justiça ou equidade no mundo de Erdogan. Agora, todos os grupos da oposiçom que pareçam ser opostas a Erdogan podem ser julgadas e removidas do exército e do aparelho judicial. Isso requer atençom. Os golpistas devem ser julgados, presos e condenados perante a lei. Mas no disfarce das operaçons anti-golpe, grupos de oposiçom podem ser ainda mais oprimidos, canais de televisom e meios de comunicaçom podem ser fechados. Todos isto requere mais atençom. Nom devemos permanecer em silêncio contra as políticas injustas cara círculos inocentes.

E, claro, organizar o povo, entretanto, é umha obriga.

Mas como? A confusom é comum tanto na sociedade curda como na frente democrâtica. Ou seja, que pode fazer-se para intervir no processo?

A tentativa de golpe é tam recente e ainda nom está totalmente sob control. Ainda estam desaparecidos helicópteros e comandantes do exército cuja localizaçom é desconhecida. O seu paradeiro nom é certo. Por isso, Erdogan e a sua linha da frente ainda estam nervosos. Aparentemente, o golpe nom está totalmente reprimido. A parte sistemática e ampla do golpe está terminado, mas os seus pontos focais nom estam identificados. Tanto quanto se pode ver, esta é a imagem. A sociedade também está um pouco intranquila. Claro que a sociedade está contra os golpistas, mas as multitudes do AKP está levando às ruas estám realizando manifestaçons reacionárias, e assemelham jihadistas, membros do ISIS, assim que a sociedade em geral nom pode demonstrar a sua postura anti-golpe nas ruas e praças. Somente as multitudess organizadas como turbas polo AKP estam inundando as praças.

É claro que as águas voltaram limpas em um par de dias. Nom devemos deixar o espaço público nas maos das turbas reacionáris. Devemos tomar as praças, dizendo que “nem o golpe palaciano, nem o golpe militar”, “nom há nengumha opçom mas que a democracia”, e tomar as ruas contra todas as mentalidades golpistas. Porque as ruas som legítimas. O AKP leva vantagem deste quando se trata do seu ganho, e quando nom é, eles tentam bloquear as ruas, aterrorizar as ruas. Nós nom devemos cair nesse enredo, essa tirania do AKP. Umha cousa é clara agora: As ruas nom som legítimas só para o AKP. Quando a oposiçom encha as ruas no futuro, se o AKP tenta oprimir e dominar as ruas, todos devem lembrar-lhe o AKP a legitimidade das ruas.

Os linchamentos forom comuns nas ruas; pobres soldados fanfarrons sendo abatidos. O Erdogan nom mencionou nengum deles. Por favor, lembre, quando nós chamamos as pessoas às praças para a Resistência de Kobanê, nós nom chamamos para a violência, e 48 membros do HDP forom assassinados de um total de 55 pessoas. O AKP tentou r mesmo botarnos a culpa a nós. Hoje, eles estam linchando pessoas na televisom ao vivo, estam matando jovens recrutas, inocentes que foram redigidos pola força ao serviço militar obrigatório, o que o primeiro-ministro chama de “festa da democracia” e o Presidente da República chama “direito de manifestaçom”. O povo deve estar atento a eles. Se estas turbas continuam governando o país e fortalecendo-se, o seu desejo é o de que haja linchamentos. Eles gostariam de governar com esta mentalidade e temos de tomar as ruas para impedir-lhes sentir esse falso poder.

 Entom prevê umha ameaça de linchamentos e massacres?

O AKP pode dirigir essas massas, esses grupos para atacar certos bairros. Todo o mundo precisa de prestar atençom. Bairros curdos, bairros alevitas, e esquerdistas podem-se transformar em objetivos. Todo o mundo tem direito a necessária defesa contra qualquer ataque. No caso dessa situaçom, umha força de resistência legítima seria necessária que fôra organizada para atuar independentemente de quem ataque.

Estamos passando por dias e horas críticos. O golpe nom foi totalmente anulado. Outras facçons também podem tomar medidas para um golpe. O AKP está a abusar das sensibilidades sociais, provocando-os, tentando levar a nossa postura anti-golpe a um rendimento político, e isso pode desencadear outros movimentos sociais. Nom temos outra opçom do que estar bem organizados e atentos, prontos para qualquer cousa.

Entrevista realizada por OSMAN OĞUZ e publicada na web do HDP.

 

Construindo a Democracia sem Estado

Building Democracy without the Statepor *Dilar Dirik

Quando as primeiras pessoas chegarom a nossa casa há alguns anos atrás para perguntar se a nossa família gostaria de participar nas comunas, eu atirava pedras contra eles para mantê-los longe, ri Bushra, umha jovem de Tirbespiye, Rojava. A mae pertence a umha seita religiosa ultra-conservadora. Antes, ela nunca tinha sido autorizada a sair da sua casa e cobria todo o corpo, exceto os olhos.

“Agora eu formo ativamente parte da minha própria comunidade “, di ela com um sorriso orgulhoso e radiante. “A gente procura-me em busca de ajuda para resolver problemas sociais. Mas, no momento, se tivesses me perguntado, eu nom teria sequer conhecido o que significava “conselho”  ou que fai a gente nas assembléias.”

Hoje, em todo o mundo, as pessoas recorrem a formas alternativas de organizaçom autónoma para dar significado a sua existência mais umha vez, de modo a reflectir a criatividade do desejo humano de expressar-se com liberdade. Estas coletividades, comunas, cooperativas e movimentos de base podem ser qualificadas como mecanismos de auto-defesa do povo contra a invasom do capitalismo, o patriarcado e o estado.

Ao mesmo tempo, muitos povos indígenas, culturas e comunidades que enfrentam a exclusom e a marginalizaçom tenhem protegido os seus caminhos comunalistas de vida até este dia. É surpreendente que as comunidades que protegiam a sua existência contra a ordem mundial evoluindo em torno deles som freqüentemente descritos em termos negativos, como “falta” algo -notavelmente, um estado. As tendências positivistas e deterministas que dominam a historiografia de hoje tornam tais comunidades incomuns, incivilizadas, para trás. A Condiçom de Estado é assumida ser umha consequência inevitável da civilizaçom e a modernidade; um passo natural na evoluçom linear da história.

Há, sem dúvida, algumhas diferenças genealógica e ontológicas entre, por falta de umha palavra melhor, as “modernas” comunas revolucionárias, e as comunidades naturais, orgânicas. As “modernas” estam desenvolvendo-se principalmente entre os círculos radicais nas sociedades capitalistas como revoltas contra o sistema dominante, enquanto as naturais constituem umha ameaça para as potências hegemônicas pola natureza da sua própria sobrevivência. Mas ainda assim, nom podemos dizer que estas comunas orgânicas sejam nom-política, em oposiçom às comunas metropolitanas com a sua intençom política, orientadas a objectivos.

Séculos, talvez milênios de resistência contra a ordem capitalista mundial som, na verdade atos muito radicais de desafio. Para essas comunidades, relativamente neutras para as correntes globais, devido às suas características, geografia singular ou resistência ativa, a política comunal é simplesmente umha parte natural do mundo. É por isso que muitas pessoas em Rojava, por exemplo, onde umha transformaçom social radical está actualmente em curso, referem-se à sua revoluçom como “um retorno à nossa natureza” ou “a conquista da nossa ética social.”

Ao longo da história, os curdos sofrerom todos os tipos de negaçom, opressom, destruiçom, genocídio e assimilaçom. Forom excluídos da ordem estatista em duas frentes: eles nom so lhes foi negado o seu próprio estado, mas forom simultaneamente excluídos dos mecanismos das estruturas dos Estados ao seu redor. No entanto, a experiência de apatridia também ajudou a proteger muita ética e valores sociais, bem como um senso de comunidade, especialmente nas aldeias rurais e montanhosas muito longe das cidades.

Hoje em dia, aldeias curdo-alevi em particular, som caracterizadas por processos de terra comum e constataçom de ritos de conciliaçom para conflitos sociais baseados na ética e o perdom para o benefício da comunidade. Mas enquanto esta forma de vida é bastante prevalente no Curdistam, há também um novo esforço consciente para estabelecer um sistema político centrado em torno de valores comunais do Confederalismo Democrático, construído através da autonomia democrática com a comuna em seu coraçom.

O Confederalismo democrático na Rojava

O Partido dos Trabalhadores do Curdistam (PKK), como muitos movimentos de libertaçom nacional, inicialmente pensou que a criaçom de um estado independente seria a soluçom para a violência e a opressom. No entanto, com as mudanças no mundo após o colapso da Uniom Soviética, o movimento começou a desenvolver umha auto-crítica fundamental, bem como umha crítica às políticas socialistas dominantes da época, que ainda estava muito focada em tomar o poder estatal. Perto do final da década de 1990. O PKK, sob a liderança de Abdullah Öcalan, começou a articular umha alternativa para o Estado-naçom e o socialismo de estado.

Ao estudar a história do Curdistam e o Médio Oriente, bem como a natureza do poder, o actual sistema económico e as questons ecológicas, Öcalan chegou à conclusom de que a razom para “problema de liberdade” da humanidade nom era a apatridia mas o surgimento do Estado . Em umha tentativa de subverter o domínio do sistema que se institucionalizou em todo o mundo ao longo de 5.000 anos como umha síntese do patriarcado, o capitalismo e o Estado-naçom, este paradigma alternativo baseia-se no opostos – a libertaçom das mulheres, ecologia e democracia de base.

O Confederalismo democrático é um modelo social, político e económico da auto-governo de diferentes povos, desenvolvidos por mulheres e jovens. El tenta na prática expressar a vontade do povo, visualizando a democracia como um método em vez de um objectivo por si só. É democracia sem Estado.

Embora propon novas estruturas normativas para estabelecer um sistema político consciente, o Confederalismo Democrático inspira-se também em formas milenarias de organizaçom social que ainda existem entre as comunidades no Curdistam e além. Este modelo pode parecer muito forçado à nossa imaginaçom contemporânea, mas el realmente ressoa bem com um forte desejo de emancipaçom entre os diferentes povos da regiom. Embora o sistema foi implementado em Bakur (Curdistam do Norte) durante anos, dentro dos limites da repressom estatal turca, foi na Rojava (Curdistam do Oeste) que umha oportunidade histórica surgiu para por o Confederalismo Democrático em prática.

O sistema coloca a “autonomia democrática” no seu cerne: as pessoas organizam-se diretamente na forma de comunas e criam conselhos. Em Rojava, este processo é facilitado polo Tev-Dem, o Movimento para umha Sociedade Democrática. A comuna está composta de umha vizinhança consciente auto-organizada e constitui o aspecto mais essencial e radical da prática democrática. Ela tem comissons de trabalho sobre diferentes temas como a paz e a justiça, a economia, segurança, educaçom, mulheres, jovens e serviços sociais.

As comunas enviam delegados eleitos para os conselhos. Os conselhos de aldeia enviam delegados aos municipios, os municípios enviam delegados às cidades, e assim por diante. Cada umha das comunas é autônoma, mas elas estam ligadas umha a outra através de umha estrutura confederal com o fim de coordenaçom e salvaguarda dos princípios comuns. Só quando os problemas nom podem ser resolvidos na base, ou quando as questons transcendem as preocupaçons dos conselhos de nível mais baixo, elas som delegadas para o próximo nível. As instâncias “superiores” som responsáveis perante os níveis “inferiores” e informam sobre suas açons e decisons.

Enquanto as comunas som as áreas para a resoluçom de problemas e organizar a vida cotidiana, os conselhos criam planos e políticas para a coesom e a coordenaçom da açom. No início da revoluçom e nas áreas recém-libertadas, as assembleias tiveram que erguer os conselhos do povo em primeiro lugar e só mais tarde começou a desenvolver as estruturas organizacionais de base mais descentralizadas na forma de comunas.

As comunas trabalham no sentido de umha sociedade “político-moral”, composta por indivíduos conscientes que entendem como resolver problemas sociais e que cuidam do auto-governo diário, como umha responsabilidade comum, em vez de submeter-se a elites burocráticas. Tudo isso conta com a participaçom voluntária e livre das pessoas, ao invés da coerçom do Estado de Direito.

Claro que é difícil aumentar a consciência da sociedade em um curto espaço de tempo, especialmente quando as condiçons de guerra, embargos, mentalidades internalizadas e antigas estruturas despóticas tenhem sido profundamente institucionalizadas e pode levar a abusos de poder e mentalidades apolíticas. Um sistema de educaçom alternativa, organizada através de academias, busca promover umha mentalidade social saudável, embora a auto-organizaçom na prática reproduz umha sociedade consciente, mobilizando-a em todas as esferas da vida.

As mulheres e os jovens organizam-se autonomamente e incorporam as dinâmicas sociais às que estam naturalmente inclinados para mais democracia e menos hierarquia. Eles posicionam-se “à esquerda” do modelo de autonomia democrática e formulam novas formas de produçom e reproduçom do conhecimento.

Hoje, o movimento de libertaçom curdo reparte o poder igualitariamente entre umha mulher e um homem, desde Qandil a Qamishli e Paris. A idéia por trás do princípio da co-presidencia é tanto simbólico como prático descentralizador do poder e promove a descoberta do consenso, enquanto simboliza a harmonia entre mulheres e homens. Só as mulheres tenhem o direito de eleger a co-presidenta, enquanto o co-presidente é eleito por todos. As mulheres organizam as suas próprias estruturas, mais fortes, mais ideologicamente conscientes em direçom à confederaçom de mulheres, começando com as comunas autônomas de mulheres.

O Princípio da Naçom Democrática

Outro princípio importante articulado por Öcalan é a “naçom democrática”. Ao contrário da doutrina monista do Estado-naçom, que se justifica por meio de um mito machista, este conceito prevê umha sociedade baseada em um contrato social comum e os princípios éticos fundamentais, tais como a igualdade de género. Assim, todos os indivíduos e grupos, étnias, linguas, sexos, identidades e tendências intelectuais e religiosas podem expressar-se livremente e adicionam a diversidade para esta naçom expansiva, a ética baseada, a fim de garantir a sua democratizaçom. Quanto mais diversificada for a naçom, quanto mais forte a sua democracia. Os diferentes grupos e seçons também som responsáveis por si mesmos de democratizar desde dentro.

Em Rojava, curdos, árabes, cristians siríacos, armênios, turcomanos e chechenos tentam criar juntos umha nova vida. A mesma lógica subjacente ao projecto do Partido Democrático do Povo, ou HDP, através da fronteira com Turquia. O HDP uniu todas as comunidades da Mesopotâmia e Anatólia sob a égide da “uniom livre” na naçom democrática.

Entre as suas deputadas conta curdos, turcos, armênios, árabes, assírios, muçulmanos, alevitas, cristians e jazidis -umha maior diversidade do que em qualquer outro partido no Parlamento turco. Contrastando com a monopolismo da ideologia do Estado-naçom, o conceito de naçom democrática serve como um mecanismo de auto-defesa ideológica dos diversos povos.

Apesar de muitas comunidades diferentes participam activamente na revoluçom de Rojava, ressentimentos há muitos pendentes de prevalecer. Confederaçons tribais inteiras de árabes unilateralmente expressarom o seu apoio para a administraçom, mas em algumhas partes, os árabes permanecem desconfiados. Documentaçom dos serviços secretos revelam que já no início de 1960, o partido Baath da Síria fixo planos altamente sofisticados para lançar comunidades diferentes umhas contra as outras, especialmente em Cizire. Em cima das tensons pré-existentes, forças externas, adicionarom combustivel e instrumentalizam o conflito entre diferentes comunidades para promover as suas próprias agendas. A criaçom da unidade entre os diferentes grupos étnicos e religiosos da Síria, e no Médio Oriente em termos mais gerais, seria tornar mais difícil de dividir e governar a regiom.

Um membro árabe da administraçom de Rojava explicou porque este modelo democrático conta com tam pouco apoio por parte dos estabelecidos, bem como grupos políticos recém-formados na regiom e além:

“O sistema de autonomia democrática nos nossos três cantons treme e perturba o mundo inteiro porque o sistema capitalista nom quer liberdade e democracia para o Oriente Médio, apesar de todas as suas pretensons. É por isso que toda a gente ataca Rojava. As diferentes formas de Estado exemplificadas pola República Árabe Síria sob Assad e o Estado islâmico som dous lados da mesma moeda ja que negam e destruem o mosaico da diversidade da nossa regiom. Mas cada vez mais árabes do resto da Síria venhem para Rojava a aprender sobre a autonomia democrática, porque vêem umha perspectiva para a liberdade aqui.”

Um Modelo econômico e Político alternativo

O efetivo sistema de auto-organizaçom, combinado em certa medida com o embargo, que exigiu a autoconfiança e criatividade, assim, alimentou, poupado Rojava da corrupçom económica através de mentalidades capitalistas internas ou exploraçom externa. No entanto, a fim de defender os valores revolucionários além da guerra, umha visom econômica calibrada é necessária para umha sociedade mais justa, economica, ecológica, feminista que pode sustentar umha populaçom empobrecida, traumatizada e brutalizada.

Como envolvem as pessoas ricas, que nom se preocupam polas cooperativas, e evitar ser acusados de autoritarismo? Como organizar os princípios de emancipaçom e de libertaçom na urgência da guerra e umha economia de sobrevivência? Como descentralizar a economia ao mesmo tempo garantir a justiça e a coesom revolucionária? Para as pessoas em Rojava, a resposta está na educaçom.

“Que significa a ecologia para ti? “, Umha mulher na academia das mulheres Ishtar em Rimelan pede as suas companheiras em umha sala decorada com fotos de mulheres como Sakine Cansiz e Rosa Luxemburgo. Umha mulher velha com tatuagens tradicionais nas suas maos e rosto responde: “Para mim, ser mae significa ser ecológica. Viver em harmonia com a comunidade e natureza. As maes sabem melhor como manter e organizar esta harmonia. “Talvez seja a questom ecológica, que ilustra mais claramente em Rojava o dilema de ter grandes princípios e intençons e a vontade de sacrificio, embora muitas vezes sem as condiçons para implementar esses ideais. Por razons óbvias, a sobrevivência, muitas vezes tem prioridade sobre o ambientalismo.

Polo momento, polo menos, é possível falar de um sistema dual de transiçom em que a auto-gestom democrática de Rojava estabelece princípios revolucionários e ecológicos, com cuidado manobrando na guerra e na política real, enquanto o movimento popular organiza a povoaçom desde abaixo. No nível cantonal, especialmente no que di respeito a questons relacionadas com a política externa, práticas centralistas ou polo menos nom revolucionárias som, até certo ponto inevitáveis, especialmente porque Rojava está política e economicamente entre umha rocha e umha espada. É o sistema de autonomia democrática resultante da base ao que as pessoas geralmente se referem quando falam da “revoluçom de Rojava”.

A dinâmica descentralizadora da organizaçom desde a base, principalmente nas comunas, até mesmo servir como umha oposiçom interna aos cantons e facilitar a democratizaçom, que, devido à sua complicada geografia- ainda mais limitada por partidos políticos e grupos nom-revolucionárias – pode tender a umha concentraçom de poder (embora os cantons, como som atualmente, ainda som muito mais descentralizados e democráticos do que estados comuns).

Muito mais importante do que o mecanismo exato por meio do qual a vontade popular se expressa, é o significado e o impacto da autonomia democrática nas próprias pessoas. Se eu tivesse de descrever a “democracia radical”, eu acho nomeadamente as pessoas da classe trabalhadora, as mulheres às vezes analfabetas em bairros que decidiram organizar-se em comunas e que agora fazem política. Risos e jogos de crianças, cacarejar da galinha, sentados em cadeiras de plástico componhem a melodia para a etapa em que as decisons relativas às horas de eletricidade e disputas de bairro som feitas. Deve-se também notar que as estruturas funcionam melhor em áreas rurais e pequenos bairros que nas cidades grandes e complexas, onde som necessários maiores esforços para envolver as pessoas. Aqui, o poder pertence a pessoas que nunca tiveram nada e que agora escrevem sua própria história.

“Queres ver os nossos legumes? “Qadifa, umha mulher velha Jazidi pergunta-me em um centro de Yekîtiya Star, o movimento das mulheres. Ela parece ter pouco interesse em explicar o novo sistema, mas ela está disposta a mostrar os seus frutos no seu lugar. Nós continuamos a nossa conversa sobre as transformaçons da vida cotidiana na Rojava ao comer os deliciosos tomates de umha cooperativa de mulheres no quintal.

A Autodeterminaçom de Rojava está a ser vivida no aqui e agora, na prática quotidiana. Milheiros de mulheres como Qadifa, mulheres previamente completamente marginalizadas, invisíveis e sem voz, agora assumem posiçons de liderança e moldeam a sociedade. Hoje, pola manhá, elas podem, por primeira vez colher os seus próprios tomates da terra que foi colonizada polo Estado durante décadas, enquanto agem como juízes em tribunais populares à tarde.

Muitas famílias dedicam-se totalmente à revoluçom agora; especialmente aquelas que perderom seres queridos. Muitos domicílios familiares começam lentamente a funcionar como casas do povo (“gel mala”) que coordenam as necessidades da povoaçom: as pessoas entram na casa um do outro com os seus filhos para criticar ou discutir ou sugerir idéias sobre como melhorar as suas novas vidas. Os tópicos da mesa do jantar mudarom. As questons sociais tornam-se literalmente sociais, tornando-se responsabilidade de todos. Todos os membros da comunidade tornam-se em líder.

A lenta transiçom da tomada de decisom social a partir de construçons atribuídas às áreas da vida cotidiana é um fruto dos esforços por construir umha nova sociedade moral e política. Para as pessoas de países capitalistas avançados esta maneira direta de comandar a própria vida pode parecer assustador às vezes, especialmente quando as cousas importantes, como a justiça, educaçom e segurança estam agora nas maos de pessoas como si mesmos, em vez de ser entregues aos aparatos estatais anónimos.

Legado da Resistência do Comuna

Umha noite que eu estou sentada perto de Tell Mozan, umha vez o lar de Urkesh, de 6.000 anos, antiga capital dos Hurrians. Nas proximidades está a fronteira entre a Síria e a Turquia, desde há menos de um século. Enquanto bebia chá com Meryem, umha comandante de Kobane, vemos as luzes da cidade de Mardin no Curdistam do Norte, do outro lado da fronteira.

“Nós luitamos em nome da comunidade, dos oprimidos, de todas as mulheres, polas páginas nom escritas da história”, di ela. Meryem é umha das muitas mulheres que se encontrarom com Abdullah Öcalan na sua juventude, quando el chegou a Rojava na década de 1980. Como milheiros de mulheres, em busca de justiça além da sua própria vida, um dia ela decidiu tornar-se umha combatente da liberdade nesta regiom que é ao mesmo tempo o lar de milheiros de crimes de honra e milheiros de deusas, adoradas em todas as formas e tamanhos.

O que atraiu aos movimentos anti-sistêmicos em todo o mundo da histórica resistência em Kobane forom talvez as muitas formas polas quais a defesa da cidade espelhavam umha corrente milenaria da luita humana; as formas em que ela carregava traços universais que ressoam com imaginários coletivos de um mundo diferente. Muitas comparaçons forom feitas com a Comuna de Paris, a Batalha de Stalingrado, a Guerra Civil Espanhola, e outros casos míticos de resistência popular.

Nos zigurates de Sumer, complexos de templos maciços da antiga Mesopotâmia, múltiplos mecanismos hierárquicos começarom a ser institucionalizados por primeira vez: o patriarcado, o estado, a escravitude, o exército permanente e a propriedade privada – o início da formalizaçom da sociedade de classes. Este era propôs umha ruptura social profunda caracterizada pola perda de status social das mulheres e o aumento do homem dominante, especialmente o sacerdote, que tomou o monopólio do conhecimento. Mas também é onde amargi, a primeira palavra para o conceito de liberdade, literalmente “o retorno à mae”, surgiu por volta do 2300 aC

Öcalan propon a ideia de duas civilizaçons: el afirma que, no final do período Neolítico, com o surgimento de estruturas hierárquicas na antiga Sumer desenvolveu-se umha civilizaçom baseada na hierarquia, violência, submissom e monopolismo -o “mainstream” ou “civilizaçom dominante”. Por outro lado, o que el chama de “civilizaçom democrática” representa as luitas históricas dos marginalizados, dos oprimidos, dos pobres e dos excluídos, especialmente as mulheres. O Confederalismo democrático é, portanto, um produto político e manifestaçom desta civilizaçom democrática milenar.

O modelo de autonomia democrática, por sua vez, nom é so umha perspectiva prometedora para umha soluçom justa e pacífica para os conflitos traumáticos da regiom; em muitos aspectos, o surgimento da revoluçom Rojava ilustra como a autonomia democrática pode realmente ser a única maneira de sobreviver. Neste sentido, a comuna revolucionária é um património histórico, umha fonte de memória colectiva para as forças da democracia em todo o mundo, e um mecanismo consciente de auto-defesa contra o sistema estatal. El carrega um legado milenar e manifesta-se em novas formas hoje.

O que une momentos históricos de resistência humana e o desejo de um outro mundo, desde os primeiros combatentes da liberdade da história até a comuna de Paris e a sublevaçom dos Zapatistas às praças da liberdade em Rojava, é o poder inquebrável a ousar imaginar. É a coragem de acreditar que a opressom nom é o destino. É a expressom do desejo antigo da humanidade de se libertar.

Bijî komunên me! Vive la commune!

 Este artigo foi originalmente publicado em Roar Mag e depois em Kurdishquestion.
Dilar-Dirik-140x140*Dilar Dirik, 23 anos, fai parte do movimento das mulheres curdas, escritora e estudante de doutorado no Departamento de Sociologia da Universidade de Cambridge.Escreve regularmente sobre o movimento de libertaçom curdo em vários meios de comunicaçom internacional.

 

 

Estam os curdos, e a Democrácia em Turquia, em perigo

turkey-kurds-middle-eastEm Diyarbakir, onde estou neste dia agradável de fevereiro, ouvim sons de tiros e artilharia durante horas. Pergunto-me quantas pessoas poderiam ter morrido hoje. Estamos supostamente em um país candidato à União Europeia mas é impossível dizer que os tanques estám disparando nas nossas cidades com toques de recolher ininterruptos por semanas.

Ocasionalmente temos umha delegaçom internacional interessa-se pola situaçom dos curdos. Mas de modo geral, todo o que os europeus querem falar é sobre a crise dos refugiados e todo o que os americanos querem focar é a luita contra o ISIS. Entendendo que ambos som problemas graves e representam umha ameaça existencial para a ordem mundial, é difícil para nós, curdos na Turquia entender por que a nossa própria situaçom trágica, intrinsecamente relacionada com essas questons, é ignorada polo mundo.

O feito é, umha verdadeira guerra está fervendo nos assentamentos curdos da Turquia desde meados do verao, quando as negociaçons de paz entre o governo da Turquia e o Partido dos Trabalhadores do Curdistam (PKK), de repente quebrou. Com isso, o nosso esforzo para umhas reformas democráticas em face das leis cada vez mais despóticas do presidente turco Recep Tayyip Erdogan sofreu um grande revés.

O processo de soluçom e paz, que começou com a iniciativa do líder curdo Abdullah Öcalan, agora sob um grave isolamento na prisom, deu-nos um momento de trégua parcial. Nós ainda tinhamos muito a fazer, mas estávamos no nosso caminho para alcançar umha paz duradoura turco-curda.

O meu partido, o Partido Democrático do Povo (HDP), fundado em 2014, é um produto dessa paz. Embora corroborada polo movimento curdo em 2014, o HDP nunca foi projetado para servir so os curdos, em vez, acredita em turcos e curdos trabalhando juntos, de braço dado, poderiam salvar a coxa democracia da Turquia.

Mirando o Oriente Médio, com povoaçons forçadas a escolher entre o ISIS e os déspotas, e nós sabíamos que era a panaceia. Em um regime cada vez mais sufocante, estava claro que nom havia saída individual. A única salvaçom era um modelo democrático pluralista com credenciais seculares, governos locais e autônomos mais fortes que apliquem a expansom dos direitos individuais e coletivos.

Com essa imagem, e com uma agenda progressista que nom só enfatizou mas refletiu o nosso compromisso com a diversidade, a igualdade de género e a luita de classes dentro de todos os níveis da estrutura partidária, conseguemos umh sem precedentes vitória com o 13 por cento. O nosso apelo é tam amplo que nom só temos umha quota de mulheres: na verdade, tivemos de fato listas de mulher-home. Tivemos armênios, jazidis, árabes, assírios, trabalhadores, acadêmicos, jovens, professores e ativistas dos direitos humanos nas listas. Nos nossos filmes da campanha, dançamos de braço dado, homens e mulheres, turcos e curdos, e cantamos cançons para a paz. Os nossos 6 milhons de cidadaos saírom e votatom por essa imagem.

Sabíamos que eramos o futuro da Turquia. Mas o que nom sabiamos era quanto outros ansiavam o passado.

A nossa vitória nas eleiçons de junho negou-lhe o nacionalista e sectário partido no poder seguer os 13 anos reinado de partido único. A partir daí, tornamos-nos no inimigo a ser vencido a qualquer custo. O Presidente Erdogan astutamente bloqueou a formaçom de um governo de coalizom, declarou-nos “terroristas”. Imediatamente após as eleiçons, terminou o processo de paz e levarom ao povo de volta para os horrores da guerra civil dos anos 90.

Estávamos no fim de receber o terrorismo do ISIS (o nosso local de Mersin foi atacado, e perdemos 133 pessoas nos ataques suicidas de Ancara e Suruç) e ainda fomos tratados como os terroristas. Turquia, sob a cobertura de aderir à coalizom anti-ISIS, começou a bombardear o PKK. O verdadeiro objetivo, claro, era consolidar o voto nacionalista para as eleiçons antecipadas de novembro. Funcionou.

Claro que Erdogan tinha motivos para entrar em pânico. Como um novo partido, tinha entrado no parlamento em junho com 80 deputados e estavam determinados a desafiar o seu autoritarismo e o uso inconstitucional dos poderes presidenciais.

Nom só isso, o nosso compromisso com a diversidade étnica e o feminismo estava ideologicamente em desacordo com o estilo sectário do AKP, dominado por homens. Durante as negociaçons de paz com o líder curdo preso Abdullah Öcalan, autoridades turcas perguntarom-lhe: “Que tem a ver o problema das mulheres com o processo de paz curda?” Por onde começar? Nós estamos tam longe da mentalidade do AKP. Eles nom tinham nengum entendimento do que exige a nossa luita pola igualdade para todos, nom so os curdos, todos.

A guerra está rasgando as cidades curdas e destruindo o próprio conceito da nossa unidade. Cerca de 400 civis, centos de forças de segurança turcas e um número desconhecido de militantes curdos perderom as suas vidas. Erdogan conseguiu obter 40-50 cento de votos para o seu partido, mas ao custo de devastar o país.

O presidente da Turquia nom está disposto a voltar à mesa de negociaçons e el já voltou o seu olhar para os curdos sírios.

Os nossos irmaos e irmás através da fronteira travam umha luita heróica contra um culto apocalíptico escuro e figerom grandes ganhos com a ajuda da comunidade internacional.

Poderia pensar-se que a Turquia gostaria de ter uma zona tampom curda na sua fronteira do sul para afastar os terroristas e jihadistas, mas muito polo contrário. Os ganhos do PYD na Síria criarom um sentimento de pânico em Ancara que a anterior aquisiçom do ISIS da mesma regiom. Como a Turquia derrubou todas as passagens fronteiriças com o PYD, Erdogan declarou-nos grupo “terrorista” -embora nem umha única bala tinha sido disparada desde o lado dos curdos sírios contra Turquia.

Durante as últimas semanas, Ancara bombardea posiçons curdas na Síria, enquanto a artilharia estava destruindo as nossas cidades dentro Turquia. Queremos que os toques de recolher de 24 horas e a violência dentro Turquia parem antes que as cousas saiam de control. Temos estado repetidamente chamando a ambas as partes para parar a luita. O espaço para a oposiçom política democrática para os curdos está-se estreitando e isso é exatamente o que o governo quer ver.

Apesar dos esforços para processar os nossos deputados, incluindo-me a mim mesmo; apesar da prisom ou destituiçom dos nossos representantes eleitos; apesar do apagom dos meios de comunicaçom turca no nosso partido imposto desde julho, muitos democratas na Turquia continuarám a estar conosco na nossa luita pola paz. Mas o mundo nom percebe.

Selahattin Demirtas é co-presidente do terceiro maior partido político da Turquia, o Partido Democrático dos Povos (HDP).

Publicado em Newsweek.