O rigor da Libertaçom de Afrin

Família ferida polos ataques turcos em Afrin. Foto: efrinnews.com

Por Kevin T. Mason

Afrin foi libertado. O 18 de março do 2018, depois de umha operaçom de paz espontánea, santa, sagrada e pacificadora de 50 dias, na que Ancara di ter provocado um total de zero baixas civis, Afrin foi finalmente libertada..

Como predizendo a  Operaçom Ponla de Oliveira quase um ano antes, mais de 2.700 oliveiras tinham sido libertadad na fronteira do Afrin com a Turquia. Nas fases iniciais da operaçom, a moral dos libertadores era realmente elevada. Cantarom cançons de luitas passadas – de Grozny e Daguestam e Tora Bora. Afrin seria o próximo, cantavam. Antes da cidade de Afrin, no entanto, seria Jindires. Ao Sudoeste da cidade de Afrin, Jindires viu os telhados e alicerces dos seus edifícios libertados.

Durante toda a operaçom, cabras, galinhas e *pavos de Afrin forom libertados. Os pavos da regiom, em particular, forom libertados da servidume e retornarom à sua (presunta) pátria. Mas nem todos os animais se mostrarom merecedores de libertaçom. Algumhas das cabras de Afrin devem ter sido colaboradoras, porque foram baleadas polos libertadores de Afrin e deixadas nos campos onde caíram. Algumhas das galinhas de Afrin também devem ter sido traidoras, porque forom atingidas por ataques aéreos ao lado das suas conspiratórias famílias.

As granjas de Afrin agora som livres, tendo sido libertadas dos seus rebanhos e labregos, muitos dos quais som tam completamente livres que forom libertados das suas vidas. Até as portas das vila foram liberadas das suas bisagras. Os tratores e carros de Afrin foram liberados. Viu-se um vídeo deles desfilando polas ruas de Afrin, orgulhosamente sobrecarregados com os seus libertadores e o estoque recentemente libertado das lojas de Afrin.

As casas da comunidade Yazidi de Afrin, o último reduto dos Yazidis que permanecia imperturbável, talvez em toda a Síria, forom libertadas das famílias que viviam nelas. Os Yazidis de Afrin, como os Yazidis de Sinjar em 2014, achando difícil a libertaçom, marcharom para as montanhas.

As mulheres de Afrin forom libertadas da sua libertaçom, bem como suas irmás na Turquia. Após a tentativa de golpe no verao do 2016, o Estado turco confiscou – e fechou – centros femininos em todo o sudeste da Turquia, libertando às mulheres da carga de escolha e orientando-as para umha vida “completa”. Os centros de mulheres que permaneceram abertos tiverom todos os serviços cancelados, exceto o jardim-de-infância, que foi substituído por cursos do Corám. As ruas de Afrin forom totalmente liberadas. Tanto que nem umha alma permaneceu sobre eles para receber os seus libertadores, exceto aqueles que vagam pola cidade, libertados dos seus corpos polos ataques aéreos e bombardeios turcos. As poucas padarias deixadas em pé agora som liberadas das fileiras de pessoas esperando polo pam em umha cidade sitiada. A única instalaçom de tratamento de água na regiom foi liberada da sua obriga de fornecer água potável às comunidades de Afrin, tendo sido destruída semanas atrás. Com precisom laser, a Força Aérea Turca libertou a Afrin da sua história e cultura de 3.000 anos.

Afrin foi libertado da segurança a que foi submetido ao longo da Guerra Civil Síria. Foi liberado dos centos de milheiros de sírios deslocados internos que atoparom abrigo. Foi libertado da coexistência cultural e religiosa. As maes forom libertadas dos seus filhos e as crianças libertadas dos seus pais. O povo de Afrin deve aos seus libertadores umha dívida interminável pola sua situaçom atual.

A apropriadamente chamada “Operaçom Ponla de Oliveira” continuará a semear a paz em todo o norte da Síria, deslocando ou silenciando todos aqueles que ousassem resistir a ela. A Europa e os Estados Unidos acelerarom a libertaçom de Afrin através do seu poderoso uso das “preocupaçons” e “condenaçons”. E, claro, a venda de arma. Nem mesmo umha resoluçom do Conselho de Segurança da ONU poderia deter a marcha forçada da libertaçom imposta a Afrin pola Turquia.

Após a Operaçom Ponla de Oliveira, Afrin se viu libertado do seu povo e o seu povo libertado de anos de relativa estabilidade e prosperidade. A única coisa que a operaçom nom conseguiu libertar o povo de Afrin é o seu espírito indominável. E enquanto umha única Afrini viva, continua a haver um espectro no horizonte: esperança.

Talvez essa esperança se espalhe para a Europa e os Estados Unidos, libertando-os da inaçom. E todos nós esperamos que Manbij, Kobanî e Qamişlo sejam indignos da “libertaçom turca”, e que Afrin, a tempo, também se mostre.

Originalmente publicado polo Washington Kurdish Institute  e traduzido com a sua autorizaçom.

O Sr. Mason é membro do Gabinete de Representaçom da Federaçom Democrática do Norte da Síria no Benelux. O contato com a oficina é ext.relations@rojavabenelux.nl.

 * Jogo de palavras em inglês onde turkey significa pavo e Turquia

 

 

Comandante-General das YPG Sipan Hemo: Turquia quer estabelecer umha zona tampom para impedir o nosso avanço

Mutlu 01As YPG atrairom a atençom mundial depois de liberarem Tal Abyad do ISIS. Mais recentemente, o senhor anunciou a liberaçom de Sarrin e Hasaka. É possível atualizar-nos no campo de batalha, por favor?

Sipan Hemo: A nossa campanha anti-ISIS de longa duraçom espalhou-se. Depois de Tal Abyad liberamos Ain Issa e Sarrin. As nossas forças também luitarom contra a ofensiva do ISIS em Heseke e estabeleceu o control sobre a área. As YPG estam a implantar posiçons no Monte Abulaziz bem como nas cidades e vilas recentemente libertadas para prevenir e atender às novas ofensivas do ISIS.

Há alegaçons de que as YPG luitaram ao lado das forças do regime sírio em Hasaka, estavam lá em cooperaçom?

Sipan Hemo: Estas afirmaçons nom tenhem base na realidade; elas som claramente falsas. Para começar, o regime de Assad nom tem poder para proteger Hasaka do ISIS. Salihiya, Aziziya e bairros semelhantes costumavam estar sob control do regime. O ISIS atacou e capturou estas áreas do regime. Podo dizer claramente que o regime nom contribueu para a libertaçom desses bairros do ISIS. De feito, em várias luitas entre a Asayish (força de polícia local curda) e o regime, muitos soldados e oficiais do regime morrerom.

Há especulaçons de que o ISIS lançou novos ataques em Kobane e Tal Abyad para aliviar a pressom sobre Raqqa, a que poderia ser objetivo das YPG. Algumha opiniom sobre isso?

Sipan Hemo: Como já digemos repetidas vezes o ISIS é um grande perigo para o povo curdo, bem como todos os outros povos na regiom. Estes terroristas estam atacando nom só os curdos, mas a humanidade. Luitamos o ISIS como umha questom de princípios, como um serviço à humanidade. Embora a nossa luita contra o ISIS aconteceu no Curdistam estamos prontos para ajudar na luita contra estes terroristas onde e quando fôssemos necessários e bem-vindos. Raqqa é predominantemente umha cidade árabe. Os árabes devem tomar a liderança na luita contra a tirania no ISIS em Raqqa; estamos prontos para estender a mao para os árabes. Nós defendemos a comunhom de todas as etnias e religions em Raqqa.

Mutlu 02Depois do atentado de Suruc que matou 31 civis [NT: 33 actualmente], Turquia proclamou o inicio de operaçons contra o ISIS. Qual é a sua opiniom sobre a posiçom turca?

Sipan Hemo: Nom queremos interferir nos assuntos internos da Turquia. No entanto, estamos criticando a Turquia pola sua hostilidade com a Revoluçom do Curdistam sírio. Esperávamos que em vez de hostilidade, Turquia seria amiga do povo curdo e nós estendemos a nossa amizade para a Turquia em todas as oportunidades. No entanto Turquia tem mostrado animosidade contra o Curdistam sírio durante os últimos quatro anos. Mais recentemente eles começarom a usar Turcomanos como umha ferramenta para impedir-nos de unir os nossos três cantons. Infelizmente a comunidade internacional está a fechar os olhos a esta agressom turca. Turquia alegou que ela vai começar operaçons contra o ISIS, na realidade nom luita contra o ISIS. A cidade de Jarablus que está sob control do ISIS está na fronteira turca e dentro da nossa visom desde Kobane; e nós nom vimos qualquer açom turca contra o ISIS em Jarablus, exatamente o oposto. Sob o pretexto de atacar o ISIS, Turquia atacou às nossas forças em Zormaxara duas vezes. Eles também atacarom as nossas forças em Tal Abyad. O objetivo de Turquia neste conflito é enfraquecer as nossas forças.

Mas a Turquia está a rejeitar essas afirmaçons?

Sipan Hemo: O Exército Sírio Livre confirmou os ataques turcos à imprensa e vemos tudo, desde Kobane. Turquia, claro, vai negar a sua agressividade. Basta olhar para os mídias turcos, nom há umha única imagem de ataques turcos no ISIS. Pode ver centos de fotografia de ataques turcos ao povo curdo na imprensa turca. A Turquia está fazendo as mesmas cousas no Curdistam do Norte [Turquia] Sul [iraque] e Oeste [Síria]. A comunidade internacional apoiou a Turquia na luita contra o ISIS, mas a Turquia usa isso como umha cortina de fumaça para atacar os curdos; infelizmente, sem nengumha reaçom da comunidade internacional.

Você dixo que a Turquia quer usar os turcomanos nas áreas ao redor Jarablus e Azaz. Fala-se de criar umha zona segura. O que é exatamente esta zona segura e que nos pode dizer sobre os turcomanos na Síria.

Sipan Hemo: Os Turcomanos componhem cerca do 1,5% da povoaçom da Síria. Estes turcomanos vivem por toda Síria, de Latakia até Idlib. Há apenas algumhas aldeias turcomanas em Azaz, nom mais de sete em toda a área de Azaz a Jarablus. Quase nengumha delas é turcomana so aldeias, muitas também tenhem residentes curdos. O objetivo da Turquia nom é proteger os turcomanos mas tornar-se um obstáculo para os ganhos dos curdos no Curdistam sírio. Há muitos mais turcomanos em Layakia e Idlib. Porque é que a Turquia nom estabelece um refúgio seguro para os turcomanos lá? Eles só querem usar os turcomanos como umha desculpa para estabelecer umha zona tampom em redor Jarablus e impedir a unificaçom dos cantons de Kobane e Afrin.

Dixo que a comunidade internacional está permanecendo em silêncio com a agressom turca. No entanto, existem reaçons nos EUA. A Administraçom Obama está sendo criticada por fazer a vista grossa com Turquia. O porta-voz do Departamento de Estado Kirby dixo que com a disponibilidade da base de Incirlic as YPG poderiam ser apoiadas de forma mais enérgica. Há muita discussom sobre o papel das YPG na estratégia síria de Washington.

Sipan Hemo: Certo! Temos vindo a colaborar com os Estados Unites na guerra contra o terror com grande sucesso por um tempo. Agradecemos mais umha vez aos Estados Unites polo apoio aéreo. Nós esperamos expandir esta colaboraçom terrorista anti-jihadista e estabelecer relaçons ainda mais perto. Todas as organizaçons terroristas som umha ameaça para o povo do Oriente Médio e devem ser neutralizadas. Desejamos cooperar com todas as pessoas / naçons e estabelecer laços de fraternidade e amizade entre os povos. Nom devemos deixar que todos os ganhos contra os terroristas jihadistas escorreguem. Gostaria de salientar aqui que um país do Oriente Meio desempenha um papel essencial na sobrevivência e expansom do ISIS. Esse país é a Turquia. Nós compartilhamos esse feito (a ajuda turca ao ISIS) com o público internacional em muitas ocasions.

Que deveria ser feito para melhorar o relacionamento com os Estados Unidos? Já receberom algumha armas dos Estados Unidos?

Sipan Hemo: Nós pugemos grande importância no apoio aéreo americano. Pedimos armas pesadas aos Estados Unidos. Pedimos também equipamentos de visom noturna e outros instrumentos técnicos. Pedimos estes, a fim de expandir a nossa capacidade de luitar o ISIS. Estamos determinados a luitar o ISIS e gostariamos de fazer progressos na luita anti-ISIS. Para isso queremos ter umha aliança mais forte com os Estados Estados.

Depois da libertaçom de Tal Abyad, há algumhas línguas afiadas contra vocês. O Governo e medios [turcos]perto de el começou a usar o argumento de que as YPG som o PKK. Que di a este respeito?

Sipan Hemo: Como digemos muitoas vezes e novamente, nom temos relaçons formais com o PKK. Nós nom agimos em nome ou em coordenaçom com o PKK. Nós vemos o PKK como um movimento curdo e Kurdistani. Sem dúvida estamos em contato com todos os partidos curdos, PKK incluído. Somente os inimigos da humanidade teriam-se de incomodar com as YPG. Caso contrário, qualquer pessoa que se preocupa com a amizade e fraternidade, independentemente da sua afiliaçom ou opiniom do PKK, teria orgulho das YPG. Isso ocorre porque as YPG e YPJ tenhem luitado o ISIS há mais de um ano, nom só para os curdos, mas também para a Síria e toda a humanidade. Como as YPG / YPJ luitamos pola democracia e queremos colaborar com todas as forças amigas ao redor do mundo na nossa luita.

Mutlu 03Que pensa dos seus aliados árabes e cristians?

Sipan Hemo: Como você sabe Síria é um mosaico de etnias e religions. Cristians, Alewitas, Turcomanos, siríacos, druzos, curdos, árabes e outros povos componhem este mosaico. Infelizmente um sistema político que represente a todos esses povos nom foi estabelecido. Todos estes povos na Síria devem estabelecer objetivos comuns. Estamos com muito cuidado sobre o que passa na regiom curda, mas também importam-nos muito o que está acontecendo na Síria em geral. Vamos, portanto, continuar a nossa luita contra as organizaçons terroristas radicais na Síria.

Embora os dous outros cantons (Jazira e Kobane) agora estam unidos, o Canton de Afrin está fisicamente separado. Qual é a situaçom em Afrin?

Sipan Hemo: Os cidadaos do Canton de Afrin desejam-se unir com os outros dous cantons. Cada curdo em Afrin sonha de tomar um ônibus em Afrin e viajar ate Erbil e voltar. No entanto, devido à intromissom de outros países, o Canton de Afrin permanece desconexo dos outros cantons. Efrin é próspero e o seu povo som patriotas. Afrin tem umha vasta experiência militar e conhecimento. Caso haja um ataque em Afrin el vai ser defendido como Kobane e Hasaka.

Eu gostaria de salientar que o povo curdo esta passando por um período muito crítico. Todos os partidos e organizaçons curdos devem prestar a máxima atençom às questons importantes da povoaçom curda. Todos os ganhos obtidos polas YPG / YPJ som ganhos para o povo curdo em todos os lugares. Todos os curdos devem estar cientes deste feito. As YPG / YPJ ganharom a admiraçom de pessoas em todo o mundo. Vamos continuar a nossa luita. Nós estamos luitando pola dignidade humana, polos valores humanos. Vamos desenvolver a nossa luita baseado nos desejos das pessoas democráticas em todo o mundo.

Entrevista realizada por Mutlu Civiroglu e traduzida ao inglês por @haktas12 e publicada no website pessoal de Mutlu Civiroglu.