Começa a Greve de Fame dos Curdos por Abdullah Öcalan

Greve FomeA greve de fome exigindo umha reuniom do PKK com o líder curdo Abdullah Öcalan começou ontes (luns 5 de Setembro) na capital curda da Turquia, Amed (Diyarbakır).

50 políticos, ativistas e artistas começarom a greve de fome que vai continuar até que haja umha reuniom com Öcalan, na sede do pró-autonomia curda Partido Democrático das Regions (DBP) onte à manhá.

Representantes do Partido Democrático do Povo (HDP), DBP, Congresso Democrático Popular (HDK), Congresso de Mulheres Livres (KJA) e o Congresso da Sociedade democrática (DTK) inicioarom a açom, que visa “romper o isolamento de Öcalan imposto polo Estado turco e o governo do AKP. ”

Os participantes ficarom em frente a faixas que diziam “A liberdade do nosso líder é a nossa liberdade” e “Estamos preocupados com a saúde e a segurança de Öcalan”.

A co-presidente do DBP, Sebahat Tuncel, dixo que tinham feito umha declaraçom o 31 de agosto criticando o isolamento de Abdullah Öcalan, com quem nom tiveram contacto direto desde o 5 de abril de 2015. Tuncel acrescentou que 52 dias passaram desde a fracassada tentativa de golpe na Turquia, durante a qual os autores do golpe tentaram assumir o control da Ilha Imrali.

“Apesar dos seus 18 anos de isolamento, o Sr. Öcalan tem feito grandes esforços para a resoluçom democrática e pacífica da questom curda, a democratizaçom da Turquia e para trazer a paz para o povo do Curdistam e da Turquia”, dixo Tuncel.

A co-presidente do DBP acrescentou que o processo de diálogo entre Öcalan, o movimento curdo, representantes do HDP e o Estado turco (2013-2015) tinha mostrado que a paz era possível. A decisom do Estado turco de acabar com as negociaçons após a declaraçom de Dolmabahçe resultou em dor e tragédia, dixo a porta-voz. “O isolamento de Öcalan é umha violaçom dos direitos humanos, das liberdades e da democracia”, afirmou.

O HDP e outros partidos curdos tenhem apelado para umha reuniom com o líder curdo desde o retorno dos combates entre as forças do Estado e militantes do PKK em julho passado. “Figemos todos os esforços políticos, legais, diplomáticos e humanitários para estabelecer comunicaçom com Öcalan nos últimos 510 dias, e decidimos começar a greve de fome quando todos esses esforços falharom. O Estado nom respondeu à declaraçom que figemos o 31 de agosto , por isso a nossa greve de fome indefinida e irreversível continuará até que os avogados de Ocalan, membros da família ou a delegaçom política se encontrem com el”, dixo Tuncel.

Aparecendo em um programa de televisom antontem, o ministro da Justiça da Turquia, Bekir Bozdağ, dixo que os grevistas estavam “explotando a situaçom de Öcalan.”

“Há informaçons infundadas sendo espalhadas sobre Abdullah Öcalan. Nom há nada de errado com sua saúde ou segurança”, afirmou Bozdağ.

O co-presidente do HDP, Selahattin Demirtaş, revidou dizendo que nom confiava nas declaraçons dos funcionários estatais e pediu por umha reuniom direta entre Öcalan e os seus avogados.

“Que mal pode umha breve reuniom entre Öcalan e os seus avogados fazer? Um avogado ou membro da família deve ser levado a umha reuniom com el imediatamente. Eles estam dizendo que estamos explotando a situaçom, bem, entom envie um avogado se vocé quiser colocar um fim nisso.”

Demirtaş já tinha afirmado que um confronto entre soldados do golpe e soldados que guardavam a ilha prisom de Imrali, onde Öcalan está preso, ocorreu no dia 15 de julho, com os autores do golpe tentando capturar a Öcalan.

A greve de fome de 68 dias polos presos políticos e representantes curdos no final de 2012 tinha aberto o caminho para o “processo de paz” entre 2013-2015. Comentaristas políticos curdos digeram que esta greve de fome também pretende pressionar o governo turco do AKP a voltar com as negociaçons.

Em umha das maiores campanhas de baixo assinado na história, mais de 10 milhons de pessoas assinaram umha petiçom pedindo pola arbítrio político de Öcalan e exigindo a sua liberdade.

Os nomes de quem estam em greve de fome som as seguintes:

Nadir Yıldırım: Vice co-presidente do HDP e deputado por Van

Selma Irmak: Deputada do HDP por Hakkari

Berdan Öztürk: Deputado do HDP por Ağrı

Dilek Öcalan: Deputada do HDP por Urfa

Ferhat Encü: Deputado do HDP por Şırnak

Ebru Günay: Avogada de Öcalan

Cengiz Çiçek: Avogado de Öcalan

Sebahat Tuncel: Co-presidente do DBP

Gülcihan Şimşek: Membro do Comité Executivo do DBP

Zeynel Mat: Membro da Assembelia do DBP

Mehmet Candemir: Membro da Assembelia do DBP

Uğur Bayrak: Membro da Assembelia do DBP

Zeki Baran: Membro da Assembelia do DBP

Murat Döner: da Associaçom de Solidariedade com as Famílias dos detidos e condenados (TUHAD-DER)

Leyla Güven: Co-presidenta do DTK

Hasip Yalnıç: Escritor

Zeynep Karaman: Membro do Comité Executivo do Congresso de Mulheres Livres

Ceylan Bağrıyanık: Membro da Coordenadora do Congresso de Mulheres Livres, Membro da Delegaçom de Imrali (Öcalan)

Berfin Emektar: Autora/Atriz Teatral

Abdullah Tarhan: Autor/Ator Teatral

Nazım Hikmet Çalışkan: Autor/Ator Teatral

İbrahim Halil Yıldırım: Diretor de cinema

Zeynel Doğan: Diretor de cinema

İslam Dağdeviren: Produtora de filmes

Bekir Kaya: Co-alcalde de Van

Mehmet Ali Tunç: Co- alcalde de Muradiye

Beritan Tayan: Co-alcalde de İpekyolu

Bayram Demir: Conselheiro do concelho de Batman

Berivan Özlem Kutlu: Co-alcalde de Kumçatı

Yıldız Çetin: : Co-alcalde de Gürpınar

Rukiye Eryılmaz: : Co-alcalde de Çınar

Hasan Güngör: Vice co-alcalde de Kayapınar

Zelal Abiş Birtane: Vice co alcalde de Dicle

Hayrettin Satar: Conselheiro do concelho de Bismil

Hüseyin Çelik: Conselheiro do concelho de Kayapınar

Necmi Dilmaç: Conselheiro do concelho Batman

Bayram Akman: Conselheiro do concelho Batman

Abdulkadir Çalışkan: Co-alcalde de Saray

Siyabend Yaruk: Jornalista

Arif Akkaya: Executiva do DBP de Diyarbakir (Amed)

Abbas Ercan: Co-alcalde do HDP de Kayapınar

Arzu Karaman: Co-alcalde do DBP de Bağlar

Elif Haram: Membro do Congresso de Mulheres Livre

Semra Karaduman: Membro do Congresso de Mulheres Livre

Nalan Göze: Membro do Congresso de Mulheres Livre

Talat Emre: Associaçom (Revolucionários) do 78

Rıfat Roni: Associaçom (Revolucionários) do 78

Sinan Ekinci: Execuitiva do DBP de Bağlar

Yusuf Ziya Yavuz: Trabalhador municipal

Yusuf Sökmen: Trabalhador municipal