Analisando as YPG: Operaçons e estratégias como Defensores de Rojava

analissando-as-ypgpor Wladimir van Wilgenburg

As YPG (Unidades de Protecçom do Povo curdas) é a força mais eficaz no terreno na Síria luitando o ISIS (Estado Islâmico). Seu sucesso contra o ISIS significa que o “califado” está lentamente entrando em colapso. Apesar do enorme papel que as YPG jogam, pouco se sabe sobre a estrutura e as capacidades do grupo que em 2012 capturou a maioria dos territórios curdos no norte da Síria.

As YPG conseguirom ganhar o apoio da coalizom liderada polos EUA contra o ISIS durante a sua defesa da cidade curda de Kobane em 2014-2015. Desde o assédio de Kobane, os curdos sírios ganharom ainda mais simpatia e apoio do Ocidente como um dos poucos grupos dispostos e aptos para derrotar o ISIS.

Ao contrário dos rebeldes árabes sírios, as YPG nom estám dispostas a trabalhar com islâmistos que som apoiados por Estados sunitas da regiom. As YPG seguem a chamada terceira linha: nom apoiar a oposiçom nem o regime sírio, já que ambos rejeitam qualquer forma de direitos dos curdos. Como resultado, chocam tanto com o regime, como também com os rebeldes sírios.

Contexto

Os três a quatro milhons de curdos sírios nom tinha nengumha experiência da insurgência armada na Síria contra o regime Ba’ath até a guerra civil. Eles nom tinham um partido curdo independente sírio forte e, como resultado, eram dependentes tanto do KDP (Partido Democrático do Curdistam) que focava a luita contra o Estado iraquiano ou o PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistam) que luita em Turquia.

Como resultado, muitos curdos sírios juntarom à luita como forças Peshmerga em 1960 e 1970 no Iraque, ou com o PKK contra o Estado turco desde a década de 1980. O regime de Assad por alguns anos concedeu refúgio ao PKK na década de 1990 até que Assad restaurou os seus laços com a Turquia. O uso das bases sírias e libaneses do PKK ajudou a construir o apoio entre os curdos na Síria. O PYD (Partido da Uniom Democrática), ligado ao PKK, foi criada na Síria no 2003.

Portanto, tanto o KDP e o PKK tinham umha base de apoio no norte da Síria e ambos começarom a desempenhar um papel através dos seus representantes e partidos curdos mais pequenos quando o regime Baath sírio perdeu o control sobre grandes partes do norte da Síria em 2012.

A ideia inicial do PKK para formar as YPG iniciou-se no 2004, após o regime sírio reprimiu a revolta curda naquel ano. Grupos de auto-defesa das YPG forom formados mais adiante no 2011 e começou a organizar-se clandestinamente nas cidades curdas.

Primeira Fase

Quando a sede da segurança nacional do regime sírio em Damasco foi bombardeada o 18 de Julho de 2012, matando muitos agentes importantes de segurança, o PYD / YPG viu umha oportunidade e, o 19 de julho, iníciou o que eles descrevem como a “revoluçom de Rojava”. Primeiro tomarom o control de Kobane desde que era umha “fortaleza” do PKK sem presença de forças do regime. A cidade de Afrin foi igualmente tomada rapidamente, mas a província de Hasakah foi mais difícil devido à presença de forças do regime.

A libertaçom progrediu em três etapas: em primeiro lugar, tendo como objetivo o regime nas aldeas que actuavam como bases avançadas das YPG; segundo, confiscando as instituiçons de serviço do regime, tais como centros de electricidade, água e juventude; e terceiro, assumindo as sedes militares, espalhrom-se sobre toda a província, exceto a cidade curda de Qamishli, onde as forças do regime permanecem até hoje.

Como resultado de umha posiçom dominante no chao polas YPG, outros grupos curdos sírios alinhados com o KDP de Massoud Barzani forom marginalizados. Barzani apoiou a criaçom das forças ” Peshmerga de Rojava ‘no Curdistam iraquiano em 2012, que agora luitam na província de Mosul contra o ISIS, mas as YPG nom lhes permitirom entrar em Rojava ao temer umha guerra civil semelhante ao do Iraque curdo na década de 1990 e nom querem a concorrência dos curdos de Barzani.

Segunda Fase

Após a YPG assumiu o control da maior parte dos três enclaves curdos de Kobane, Afrin e Jazira (Hasakah), e assegurou a cidade de Serekaniye (Ras al-Ayn) em 2013, as auto-administraçons locais forom criadas para organizar a administraçom em três cantons separados em janeiro de 2014. Após isso, o principal objetivo das YPG era unir esses cantons em um território contíguo no norte da Síria.

As YPG também moveu-se para recrutar nom-curdos e trabalhar com tribos árabes locais e grupos cristians. Isto resultou, em setembro de 2014, em uma sala de coordenaçom conjunta com o FSA (Exército Livre Sírio) em Kobane. Receando essa coordenaçom receberiam apoio dos EUA, o ISIS assediava Kobane em setembro de 2014, mas foi derrotado lá em Março de 2015. Em Junho de 2015, as YPG empurrado mais e uniu os cantons de Kobane e Jazira, com o apoio dos Estados Unidos, através da captura de Tel Abyad. A avançar este movimento, as YPG criou a multi-étnica SDF (Forças Democráticas da Síria) em outubro 2015.

O objetivo das YPG agora é unir todos os cantons com as SDF, e configurar umha regiom federal no norte da Síria e Rojava, num prazo de três meses. Em maio de 2016, as SDF lançarom umha nova operaçom, com o apoio dos EUA a tomar a cidade estrategicamente crítica de Manbij. Com esta operaçom que foi concluída o 12 de agosto, as YPG esperavam unir as suas administraçons através de Manbij e al-Bab cara Afrin.

Consideraçons Finais

Parece que a Turquia fixo acordos com o Iram e Assad para parar a criaçom de umha regiom federal no norte da Síria.

O PYD conseguiu ganhar umha posiçom dominante no norte da Síria através das YPG, enquanto os partidos ligados ao KDP estam marginalizados no chao. As YPG conseguirom dominar rapidamente, devido ao planejamento cedo, Rojava, enquanto os partidos apoiados por Barzani nom estavam preparados, e inicialmente apoiarom ‘a revoluçom síria pacífica “. As YPG forom formadas antes dos Peshmerga de Rojava, e já se tornarom em autoridade de facto no terreno. Foi também mais arriscado para Barzani envolver-se na guerra civil síria, tendo que proteger a regiom autônoma do Curdistam no Iraque.

As forças das SDF acabam de derrotar o ISIS em Manbij, mas a questom é se a coalizom liderada polos EUA permitirá que as SDF marchem sobre mais cara Afrin, ou se vam empurrá-los para se concentrar em Raqqah, onde os curdos som relutantes a ir. Além disso, a intervençom da Turquia, na cidade de Jarabulus no último mes visa prevenir a unificaçom das auto-administraçons locais no norte da Síria. Parece que a Turquia fixo acordos com o Iram e Assad para parar a criaçom de umha regiom federal no norte da Síria e apoia os rebeldes sírios a tomar Jarabulus. Isto poderia criar mais desafios para as YPG. No entanto, é evidente que as SDF seram um parceiro fundamental de Ocidente, atee que a ameaça do ISIS exista na Síria.

 

Wladimir van Wilgenburg é um analista da política curda para Jamestown Foundation e jornalista freelance. Está atualmente em Qamishli, Rojava, norte da Síria, realizando um projecto de investigaçom sobre os curdos sírios para o Instituto Iraquiano de Estudos Estratégicos (IIST), financiado polo International Development Research Centre (IDRC). He tweets at @vvanwilgenburg.

 

Publicado em The London School of Economics and Political Sciences.

 

 

Amigos ou inimigos? Um olhar atento sobre as relaçons entre as YPG e o Regime de Assad.

ypg-assad-00-ypg-liberando-complexo-habitacional-da-juventude
Milícias das YPG libertando completamente o Complejo Habitacional da Juventude e partes de Ashrafieh e Bani Zaid em Aleppo.

Por @shellshocked

O 9 de agosto, o comandante major Yasser Abd ar-Rahim do Centro de Operaçons de Fatah Halab em Aleppo fixo umha declaraçons. Incluiu algumhas mensagens drásticas para as Unidades de Proteçom do Pvo (YPG) curdas, que controlam o bairro de Sheikh Maqsood, no norte da cidade. Abd ar-Rahim afirmou que as milícias da oposiçom síria teriam a sua “vingança” e que os curdos “nom iam ter um lugar para enterrar os seus mortos em Aleppo.” Nom só acusou às YPG de matar combatentes rebeldes, mas também de colaborar com as forças de Assad durante a batalha em torno a Aleppo desde o final de junho.

ypg-assad-01-sheikh-maqsoud
Bairro de Sheikh Maqsoud
ypg-assad-01-sheikh-maqsoud-com-a-estrada-castello
Vista de Sheikh Maqsood com a Estrada Castello no fundo.

As suas alegaçons referem-se especificamente aos incidentes que ocorrerom durante a primeira fase da batalha de Junho/Julho do 2016. Quando as forças de Assad abrirom caminho cara o sul da estrada de Castello – até entom a única rota para fornecer a parte leste de Aleppo em mans dos rebeldes. As YPG e os rebeldes entrarom em confronto diversas vezes.

O 8 de julho as YPG figerom um primeiro impulso em direçom ao Complexo da Juventude, vizinho da estrada Castello. Capturar esta área teria, polo menos em parte, dado o control aos curdos ao longo das rotas de abastecimento controladas polos rebeldes no Leste de Aleppo. Por causa da posiçom elevada de Sheikh Maqsood, há anos que já tinham umha boa visom da estrada e o tráfego. Os combates entre as YPG e diferentes grupos rebeldes continuarom durante vários dias, levando as YPG a direcionar fogo de morteiro cara a estrada. O complexo da Juventude acabou por ser conquistado polas forças curdas o 30 de Julho.

ypg-assad-03-operacom-saa-e-ypg-em-castello
Operaçons do SAA e as YPG, ao norte e sul da Estrada Castello
ypg-assad-04-mapa-aleppo-28-de-julho
Mapa da Situaçom de Aleppo a 28 de JUlho do 2016

Como se esta luita nom fôsse para alimentar as alegaçons de umha aliança entre as YPG com as tropas do regime contra as forças rebeldes, no final de julho umha imagem apareceu no Twitter. Originalmente publicada em umha conta pró-regime, um grupo de homens supostamente servindo nas unidades de Assad posavam com um homem vestindo um uniforme das YPG. Já maciçamente criticado e recebendo um tratamento de hostil por levantar armas contra as forças rebeldes, a imagem, embora non seja totalmente verificavel, tornou a situaçom ainda pior.

ypg-assad-04-suposto-ypg-com-assad
Foto dum suposto membro das YPG com forças pró-Assad

No entanto, o cenário da batalha Aleppo nom é a primeira a produzir tais acusaçons. As primeiras escaramuças relatadas ocorrerom em 2012, e também envolveu os grupos que luitam polo control de Sheikh Maqsood em outubro, embora as tropas do regime nom estavam directamente na cena.

Em outubro do mesmo ano as três partes estavam envolvidas na batalha de Ras al-Ayn. Posiçons de regime dentro da cidade, localizada na  governadoria de Hasakah [a 100 km ao aoeste de Qamishlo, 100 ao leste de Girê Spî e 75 ao noroeste de Hesekê] diretamente na fronteira sírio-turca, foram atacados por combatentes do Exército Livre Sírio (FSA) – logo apoiados por jihadistas de Jabhat al-Nusra e Ghuraba ash-Sham. Conseguiram fazer fugir às forças do regime, mas também estavam envolvidos em tiroteios com militantes das YPG. Isto foi seguido por umha série de confrontos e de cessar-fogo que eventualmente resultou em que os curdos assumirom todo Ras al-Ayn no Verao do 2013.

Os rumores de que tropas das YPG podem ter estado de apoio aéreo da Força Aérea Árabe (SyAAF) durante a batalha de Tal Tamer em março do 2015 som difíceis de verificar. No entanto, parece bastante improvável esta história, é inconsistente e nom tem referências a maior escala, por nom mencionar as histórias de 100 combatentes de Hezbollah ajudando às YPG.

Sem dúvida o maior evento para desencadear as acusaçons de cooperaçom entre as YPG e o regime de Assad ocorreu por volta do final do 2015 / começos do 2016. Em primeiro lugar, umha disputa irrompeu entre vários grupos rebeldes (nom todos eles ligados ao FSA) e as YPG sobre se este último tinha um acordo com o regime de fornecimento de Sheikh Maqsood por terra. Essas acusaçons forom apresentadas por Yasser Abd ar-Rahim entre outros. O comandante já mencionado no início do artigo. Ironicamente, todo isso aconteceu depois que as Forças Democráticas da Síria (SDF) forom fundadas: umha coligaçom das YPG curdas, unidades de antigos grupos afiliados ao FSA com homens em sua maioria árabes sunitas nas suas fileiras, homens das tribos sunitas e algumhas milícias cristians.

Enquanto isso, tanto as YPG como os rebeldes trocavam ocasionalmente fogo perto do isolado Canton de Afrin até que começarom em fevereiro do 2016. O 1 de fevereiro umha coalizom de tropas pró-regime constituidas polo Exército Árabe Sírio (SAA), as Forças de Defesa Nacional (FDN), os libaneses de Hezbollah, xiitas iraquianos e milícias afegans, assim como tropas iranianas começarom o ataque para liberar às cidades sitiadas de Nubl e az-Zahraa.

ypg-assad-06-ofensiva-norte-aleppo
Mapa que mostra a evoluo do Norte 2016 Alepo ofensivo. Linha pontilhada mostra linha de frente governo vermelho antes da linha laranja ofensivo, pontilhada mostra Linha de frente das YPG antes da ofensiva (Ofensiva começou o 1 de fevereiro de 2016; Mapa criado por MrPenguin20, Wikimedia Commons, Creative Commons Attribution-Share Alike Licença Internacional 4.0).

Este ataque constituía umha ameaça real para os rebeldes, porque, eventualmente, cortaria a rota de abastecimento vital desde Turquia a Aleppo. Assim como as forças rebeldes precisavam tanta força quanto for possível para lidar com os atacantes, as SDF / YPG lançarom o seu próprio ataque cara o leste, finalmente, alcançarom e capturarom a cidade de Tel Rifaat e a Base Aérea de Menagh. Isso efetivamente cortou a rota de abastecimento dos rebeldes e em um segundo momento levou a críticas generalizadas das empresas de informaçom e observadores ocidentais.

A Anistia Internacional afirma que, entre fevereiro e abril do 2016 nada menos que 83 civis, 30 deles crianças, morrerom em ataques de retaliaçom indiscriminados contra Sheikh Maqsood. A organizaçom acusa a vários grupos da facçom de Fatah Halab por isso. Além disso, novas armas foram usadas contra o bairro curdo. Por exemplo, em abril 2016 a Brigada dos Falcons das Montanhas financiada polos EUA atacarom várias posiçons das  SDF / YPG nos arredores de Sheikh Maqsood.

No entanto, a situaçom é muito mais complicada do que se poderia pensar que é. As acçons referidas nom devem distrair do feito de que as forças das SDF / YPG e o regime de Assad também tenhem umha história de ataques os uns contra os outros.

Disputas em Aleppo datam de setembro do 2012, quando Sheikh Maqsood ficou sob fogo. Ativistas curdos culparom o governo sírio e afirmarom que este foi um ataque de retaliaçom por hospedar membros da oposiçom que levou à morte de 21 civis. Um ataque semelhante aconteceu novamente o 26 de fevereiro de 2013, mais umha vez, causando danos e matando civis.

Por mais de dous anos, a situaçom manteve-se bastante calma até que as SDF assinarom umha trégua com as facçons rebeldes islamistas de Fatah Halab o 19 de Dezembro do 2015. Alguns dias mais tarde, as tropas das SDF e do regime de Assas entrarom em confrontos, e o mesmo Sheikh Maqsood tornou-se objetivo dos ataques da SyAAF.

Desde entom, nengumha luita importante tem ocorrido entre as duas partes na área da cidade de Aleppo. Mas, na verdade, ambos os lados luitarom entre si em outras ocasions, especialmente na governadoria nordeste de Hasakah. O governo de Assad mantém exclaves em duas grandes cidades lá: Hasakah e Qamishli. Ambos repetidamente tornou-se a definiçom de engajamentos mortais de intensidade diferente, a última sendo iniciada o 16 de agosto do 2016, envolvendo a milicianos das NDF de um lado e as tropas Asayish e YPG curdas do outro. Após umha semana de luita, o regime tivo de reconhecer umha amarga derrota: forçado a um acordo, onde todas as NDF dentro da cidade forom dissolvidas ou levadas a bases fora sem autorizaçom para entrar na cidade novamente. As únicas unidades do régime de Assad som forças policiais, que podem agir dentro do chamado quadrado de segurança, umha área que abrange nom mais do 5% da própria cidade.

Visto como um todo, as avaliaçons absolutas som impossíveis de ser feitas. O campo de batalha sírio deve ser visto como um acúmulo de muitos campos de batalha menores que nom estam necessariamente ligados uns com os outros de umha forma direta. Dous partes que estam ferozmente luitando entre si em um cenário nom é improvável que vivam lado a lado em um outro. Na sua essência, é umha forma de combater na guerra que se caracteriza por umha escassez de homens em todos os lados. As batalhas som luitas quando parecem inevitaveis. Razons para escaramuças começando ativamente podem variar, mas muitas vezes incluem determinar umha certa fraqueza do lado do adversário ou contra algum tipo de provocaçom. Embora difícil de verificar, os confrontos anteriores pareciam estar desencadeados por eventos como a detençom de rivais, ignorando checkpoints e fortalecendo as suas próprias posiçons. Ao invés de ter a vontade de expulsar aos grupos rivais umha vez por todas, esses confrontos som sobre estabelecer limites e apontar os limites que umha das partes está disposta a aceitar: umha prova de força.

Na verdade, quando se trata de levar suprimentos, ambos os lados som um tanto dependentes do outro. Polo menos desde abril de 2016, Sheikh Maqsood tem estado sob cerco do lado dos rebeldes em Aleppo. Ainda nom está claro que bens e em que cantidade podem ser contrabandeados para o distrito curdo através da linha de frente. Medicina e géneros alimentícios estam, principalmente, entrando polos corredores que ligam as áreas curdas e seguras do regime mas nom som suficientes para satisfazer as necessidades. Considerando os grupos rebeldes, como Fastaqim Kama Umirt,  isso como sinal dum pacto YPG-regime, os curdos dim que estes corredores forom abertos por curdos e sírios da Crescente Vermelha.

A SDF e o regime de Assad tenhem ambos outros inimigos principais: Considerando que o regime está luitando principalmente contra grupos rebeldes diversos desde o ponto de vista político e religioso, tentando construir um estado sírio truncado, as SDF têm os olhos sobre a ligaçom doa três cantons auto-declarado no norte da Síria. Ambos os objetivos realmente nom os fam entrar em caminho um do outro. Assad abandonou as áreas curdas no início do levante sírio, resultando no SAA fora das principais áreas e quando menos nom mostra muito interesse em recapturar issas áreas anteriormente perdidas. É por isso que territórios detidos polas SDF ou Assad e os seus aliados só compartilham quatro fronteiras: A regiom de  Qamishli (1), regiom de Hasakah (2), campo de Aleppo / Canton Afrin (3), o Oeste da cidade de Aleppo / Sheikh Maqsood (4).

ypg-assad-07-zonas-ypg-regime
Regiom de Qamishli (1), Regiom Hasakah (2), Rural de Aleppo / Canton Afrin (3), cidade ocidental de Aleppo / Sheikh Maqsood (4).

Politicamente e ainda mais militarmente a respectiva situaçom nessas quatro linhas de frente nunca foi o mesma. Quando houvo confrontos em Sheikh Maqsood, o estado de cousas na governadoria de Hasakah normalmente permaneceu bastante calma e vice-versa. Por uma questom de feito, as tensons e brigas ocasionais entre as forças curdas e as forças pró-Assad de Gozarto em Qamishli durante janeiro do 2016 aconteceu apenas duas semanas antes do duplo corte de linhas de abastecimento dos rebeldes na regiom norte de Aleppo.

Todo isso leva à conclusom de que, em termos gerais nom há um pacto das SDF e o regime de Assad. Ambos os lados podem, por vezes, agir de umha maneira que os benefíce tanto durante determinadas operaçons, no entanto, ainda nom está claro até que ponto isso é planejado ou arranjado. Algum tipo de plano mestre de Assad e SDF / YPG  nom existe em umha escala mais ampla. O sistema de ambos os lados é que som especialistas em ser oportunistas. Sempre que serve os seus objectivos eles vam manter o cessar-fogo e aceitar a presença um do outro. No entanto, se um competidor se está tornando demasiado fraco ou muito forte, um ataque é provável que siga. Ainda assim, especialmente com a Turquia e a Rússia aproximando-se novamente, nom fica claro se os curdos e o regime sírio seram capazes e estaram dispostos a defender as suas respectivas estratégias.

Especial agradecemento a @SerioSito e @QalaatAlMudiq

Este artigo apareceu em  Offiziere.ch e logo em bellingcat.

A incursom em Síria significa a Guerra perpétua da Turquia contra os Curdos

vinheta01Por Hawzhin Azeez

Nas últimas horas informaçons emergerom que o exército turco está bombardeando a aldeia de  Til-Emarne (al-Amarne) de Jarablus com fogo de artilharia e avions e também ataca às SDF em Ain Diwar (leste de Rojava) e Afrin (oeste Rojava). Fontes curdas relatarom que dúzias de civis foram feridos e mortos. A incursom da Turquia na Síria já confirmou o que muitos pensavam que era, umha agressom contra os curdos.

A propaganda pro-turcaa é abundante, afirmando que Jarablus foi “libertada” polo exército turco sem derramamento de sangue, em oposiçom às “YPG” – o que implica que as YPG som um exército invasor e selvagem que mata e assassina pessoas inocentes desnecessariamente, em oposiçom ao mais “legítimo” exército turco. Mas a realidade é que nom houvo “luita” para libertar Jarablus porque claramente havia um acordo entre o ISIS eTurquia. A relativa facilidade com que a Turquia tomou Jarablus suscitou importantes questons estratégicas e políticas. Por que combateu o ISIS tanto para manter Kobane ou Manbij mas nom Jarablus? Por que atravancarom-se, pugerom centos de minas e armadilhas em toda Kobanê e Manbij, perderom milheiros dos seus combatentes envolvidos em umha guerra de guerrilha e luitarom pola território casa por casa, rua por rua, mas nom há sinais das suas estratégias em Jarablus? Por que abandonarom tam facilmente e sem derramamento de sangue Jarablus?

Talvez a resposta pode ser encontrada em que os combatentes do ISIS forom vistos simplesmente trocando as suas roupas polos ‘uniformes’  dos geupos que apoia Turquia?

Seja qual for a verdade, a este respeito, a realidade é, o cerne do acordo ISIS eTurquia foi que após a perda espetacular de Manbij,  estrategicamente era melhor permitir que Turquia controlara Jarablus, o que efetivamente cortaria a possibilidade de uniom entre os cantons de Kobane e Cezire com o cantom de Afrin e estabelecer a “zona tampom” que a Turquia levava tempo procurando. Deixando nesse processo que o ISIS se recupere e contine os seus ataques em Afrin, no leste e sul do cantom de Kobane e em Cezire, o sudoeste de Rojava, norte da Síria. Esta estratégia também envolve o aumento de ataques suicidas e carros-bomba em Cezire, enquanto a inexistência de um corredor humanitário imposto pola Turquia e apoiado polo governo de Barzani na KRG (norte do Iraque) assegura um ambiente de pressom para as zonas autônomas assediadas.

Agora, existem sugestons de que a Turquia e os seus co-conspiradores estam decididos a “libertar” Manbij utilizando a presença das YPG como um pretexto para a guerra -quando é bem sabido que as YPG deixarom a cidade, so os conselhos locais das Forças Democrâticas da Síria e o Conselho Militar de Manbij, composto por luitadores locais quedarom lá. Este processo descarrila eficazmente o argumento de que os curdos estam “apropriando terras”, por nom mencionar que as Forças Democráticas da Síria (SDF) tenhem um grande número de árabes e outros grupos etno-religioso que se juntarom na libertaçom das cidades sob o control do ISIS, e os quais forom os responsáveis da libertaçom de Manbij.

Mas a história se repete novamente, entom pretensa guerra da Turquia sobre o ISIS na Síria com o nome de “Escudo do Eufrates”, é simplesmente umha tentativa mal disfarçada para atacar os curdos, como foi o caso no ano passado, quando em vez de atacar o ISIS atacou o PKK nas montanhas de Qandil no Curdistam do Sul. Naquela época, também os EUA tinham combinado com os curdos para o acesso à base militar de Incirlik (Adana). Mas agora as implicaçons geoestratégicas desta incursom na Síria som muito maiores do que o conflito turco-curdo. Aludindo a isto, o primeiro-ministro da Turquia, Binali Yildirim, afirmou que a invasom da Síria basea-se em “defender a integridade territorial da Síria” – mas o governo de Assad condenou fortemente a incursom como umha clara violaçom da sua soberania; pois reflete as aspiraçons crescentes da Turquia para a liderança e hegemonia regional.

A ascensom do neo-otonomanismo da Turquia foi apoiado pola absoluta incapacidade da Europa em lidar com o fluxo de pessoas na Europa, resultando, paradoxalmente, no fluxo de milheiros de milhons de euros cara Turquia para “parar os refugiados”. À vez, a Turquia respondeu transportando os refugiados de volta a território sírio, atirando, matando, e batendo nos refugiados na fronteira com a Síria. Ainda mais paradoxalmente, os EUA ajudarom e incitarom a Turquia na sua invasom e violaçom da integridade territorial da Síria e a entrada em Jarablus com apoio aéreo, apesar do feito de que a Turquia tem sido aliada com a filial de Al-Qaeda, Jabhat Fatah al-Sham (antes Al Nusra) e o ISIS na Síria e Turquia. A recente visita de Joe Biden e as declaraçons de começos desta semana em apoio da Turquia aludiu à presença da Turquia na Síria sendo umha idéia a longo prazo. A consequência resultante era umha invasom apoiada polos EUA de Jarablus, quando menos de umha semana antes os EUA estavam a fornecer apoio aéreo para a libertaçom de Manbij às SDF. Enquanto isso pode ser visto como umha mensagem clara dos EUA aos curdos, esta mudança de aliança também deve ser vista como um lembrete oportuno para que os curdos mantenham a integridade ideológica e militar e continuem nom alinhados com qualquer umha das partes em conflito.

A invasão do Jarablus é também um reflexo da recente reforço do poder político de Erdogan e o seu controle do país após a recente tentativa fracassada de golpe. Os EUA tem recompensado a Erdogan pola enorme purga de militares e civis que ocorreu e reafirmou o férreo control sobre o país, fornecendo cobertura aérea para a sua invasom da Síria. Os EUA estam alinhando-se claramente com a autocracia de Erdogan, talvez em umha tentativa equivocada de controlar a situaçom na Síria, evitando “soldados em território inimigo”, um erro que fjá cometeu na invasom do Iraque em 2003 e que lhe custou muito em diversas maneiras .

Mas os EUA está muito enganado se acredita que pode manter umha guerra delegada na Síria e controlar o regime cada vez mais inestável de Erdogan. O visível envolvimento de Iram, Arábia Saudita e os seus estados aliados menores complica mais a situaçom geopolítica. Do mesmo modo, a UE permanece completamente paralisada desenrolar umha abordagem coerente e concisa em relaçom à Turquia, nom só à luz da recente invasom, o tratamento cada vez mais abusivo dos refugiados na Turquia, mas também as violaçons dos direitos humanos contra as minorias, como os curdos, alevitas e outros, que estam ocorrendo na Turquia.

Em vez de conter a Turquia e apoiar continuamente aos curdos e as Forças Democráticas da Síria (SFD , nas suas siglas em inglês, umha combinaçom de árabes, curdos, armênios, assírios e outros grupos étnico-religiosos), na luita e rejeiçom do ISIS – algo que tenhem feito com sucesso- os EUA ea UE continuam a mostrar fraca vontade, escolhendo o que parece ser a  realpolitik sobre a política ética e democrática. No entanto, esta abordagem é questionável, considerando a ampla opiniom pública global e o feito inegável que, até à data, forom as forças mais bem sucedidas na eliminaçom do ISIS, mas também na criaçom de regions pacíficas, inclusivas e democráticas.

O que está claro é que os curdos estaram em um estado de guerra perpétua para os tempos vindouros, tanto se o conflito inclui a Turquia, o ISIS ou as suas outras filiais, a Assad, ou a todos simultaneamente. Parece que a situaçom de paz para os curdos passou a significar um estado perpétuo de resistência e auto-defesa. Mas se há umha cousa que o último ano tem demonstrado, é que os curdos som muito bons na arte da guerra e na auto-defesa. Sem mencionar que nos últimos anos o terrorismo de Estado e os abusos contra os curdos já nom podem permanecer ocultos, o que levou a umha condena crescente do terrorismo de Estado da Turquia e o apoio ao regime polos EUA e a UE. Isto, combinado com o suporte global visível para as forças curdas e as SDF na sua heróica resistência contra o ISIS asseguram um interesse internacional contínuo e a visibilidade da questom.

O que está claro é o próximo movimento na Turquia: a invasom e desestabilizaçom de Rojava com ataques contra o três cantons e “recuperar” o território para os seus aliados islamistas. A açom militar e estratégica mais difícil dos curdos ainda está por vir.

Hawzhin AzeezHawzhin Azeez tem um doutorado em Ciência Política e Relaçons Internacionais. Ela é defensora dos direitos das mulheres e dos refugiados. Está atualmente trabalhando na reconstruçom de Kobane através do Conselhode  Reconstruçom de  Kobane.

Publicado originalmente por Kurdish Question.

 

 

Por que a Turquia invade a Síria agora?

mapa-siria
Mapa da Situaçom da Síria a Junho do 2016

Por Mark Campbell

O objetivo da Turquia som os curdos nom o ISIS.

A drástica invasom das forças turcas em Jarablus é apenas a mais recente reviravolta dramática na guerra já complicada na Síria, mas por que a Turquia escolheu agora para fazer este calculado movimento?

Turquia di que o seu objetivo é atacar o ISIS e as forças curdas das YPG mas nom há provas suficientes de ataques ao ISIS.

O movimento vem curiosamente semanas depois da libertaçom da importante cidade estratégica de Manbij, ao sul de Jarablus do ISIS. As forças das SDF (Forças Democráticas Sírias) que incluem árabes sírios, luitarom fortes batalhas intensas com o ISIS pola cidade. Batalhas que virom as SDF perder mais de 400 luitadores.

A libertaçom de Manbij foi a última gota para a Turquia que vêem às forças curdas liberando faixas de território do ISIS e estabelecendo a sua própria forma de autonomia em conjunto com tribos árabes e comunidades étnicas do norte da Síria ao longo da fronteira da Turquia.

Umha rápida olhada no mapa acima mostra por que a Turquia está determinada a parar isso. Os curdos estam tentando juntar as duas áreas povoadas curdas marcadas em amarelo. (Ambos, Manbij e Jarablus estam na zona cinzenta, perto da fronteira com a Turquia entre as duas áreas curdas amarelas.) A Turquia quer parar com isso. Os curdos acreditam que a Turquia tem estado a apoiar o ISIS nos últimos 4 anos e juntando os cantons de Rojava interromperia o abastecimento do ISIS e a passagem dos seus combatentes provenientes da Turquia.

Por que a Turquia se importa tanto que os curdos liberem a sua própria terra do ISIS?

Um deles, como já foi dito, porque deteria o abastecimento do ISIS que os curdos acreditam que têm sido apoiado pola Turquia apesar dos desmentidos oficiais da Turquia.

Mas em segundo lugar, porque, desde o estabelecimento do Estado turco, a Turquia tem estado constantemente tentando assimilar à força os curdos e pacificar os seus sonhos de autogoverno. Umha regiom autônoma curda de Rojava, di Turquia, poderia motivar aos curdos no sudeste da Turquia para empurrar para a autonomia também. Mas curdos no sudeste da Turquia já estam empurrando para a autonomia e a Turquia está a realizar umha brutal guerra que inclue crimes de guerra contra civis. A incursom da Turquia em Jarablus só vai desestabilizar ainda mais a zona.

No dia depois da incursom de Jarablus, forças curdas na cidade curda de Cizre, no sudeste da Turquia, explodiu umha base do exército matando dúzias de soldados. Os confrontos armados entre o exército turco e combatentes curdos levam desde meados dos anos 90 meados e é notória a ‘Guerra Suja’ contra os curdos.

Assim, a incursom da Turquia em Jarablus e no Norte da Síria para atacar os curdos vai ter consequências graves e destabilizara a própria Turquia.

Nom há soluçom militar para aquilo que se tornou conhecido como “questom curda” mais guerra e sofrimento para os curdos nom é a resposta nem vai trazer a paz.

A pressom internacional sobre a Turquia é necessária urgentemente para suspender as operações militares contra os curdos e iniciar negociações políticas com os curdos para umha soluçom pacífica para a questom curda começando com um cessar-fogo em ambos os lados e umha retomada das negociaçons com o  lider curdo Abdullah Ocalan e o comando do PKK nas montanhas de Qandil.

No entanto, se a Turquia som autorizados a continuar a sua invasom de terras curdas na Síria a guerra está prestes a explodir e saltar sobre a fronteira para a Turquia.

E se isso acontecer, o ISIS seria o vencedor final.

As suas linhas de abastecimento permanecerám abertas e militantes do ISIS seram livres de viajar ao longo da fronteira da Turquia e daí para a Europa.

A aposta dificilmente poderia ser mais alta.

Publicado em Kurdish Question.

 

 

 

Por que nom devemos abandonar os curdos

nom-devemos-abardoar-os-curdos
Celebraçom do Dia Internacional da Mulher, Qamishli, Rojava / Joey L (c)

Por Will TG Miller

Os curdos do norte da Síria sofrerom imensamente ao longo da história. Autóctonos da regiom nunca tiverom concedido qualquer nível significativo de autonomia ou auto-governo. Durante toda a existência da República Árabe da Síria, mantiverom o status de um dos grupos mais marginalizados, de acordo com Minority Rights International, e também forom sujeitas a níveis de detençom chocantes arbitrários, e tortura aprovados polo governo, e a apropriaçom ilegal dos seus bens.

Esta foi a pior sob o pan-arabismo durante o regime de Hafez al-Assad. Um relatório da Chatham House detalha a gravidade da situaçom; a língua curda foi proibida em público, e o seu uso, bem como a música e publicaçons curdas, eram estritamente ilegais. No entanto, pouco mudou, mesmo depois de que Assad herdasse o trono no 2000, em detrimento da minoria curda.

Isso fai que o recente ressurgimento dos curdos no quadro da mesma Síria, que reprimiu qualquer expressom de identidade curda, muito incrível. A regiom autônoma de Rojava veu a existir em 2013 conforme as milícias curdas regionais formadas após o Exército Árabe da Síria evacuaara rapidamente vastas áreas de território em face das bandas de terroristas islâmicos, bem como outras organizaçons mais importantes, como a FSA, Jabbhat Al Nursa, e o ISIS. As milícias curdas assumirom a infra-estrutura governamental e militar deixadas para trás quando os Assadistas evacuarom.

Rojava tivo pouco tempo para se alegrar na sua independência nominal da Síria, umha vez que foi imediatamente atacada de todas as direcçons. Os ataques de grupos terroristas dentro da Síria continuou, e as pessoas de Rojava encontrarom a sua determinaçom testada na longa e sangrenta batalha de Kobanî. A vitória improvável adquirida pola ala militar do governo de Rojava, as YPG, foi à custa de muitas vidas de civis mortos por carro-bomba e bombardeios indiscriminados polo ISIS. Apesar das perdas, a derrota do ISIS sublinhou a determinaçom dos curdos de Rojava para o mundo e mostrou que eles nom iam renunciar à sua independência há muito desejada tam facilmente.

Desde entom, no entanto, parece que, embora a situaçom tem a concluir só que a pior. Apesar do feito de que Salih Muslim, co-presidente do PYD, tem declarado repetidamente que o governo de Rojava nom busca a independência da Síria, e em vez disso procura manter o seu estatuto de umha regiom autónoma semelhante ao Curdistam iraquiano, o governo sírio tem efetivamente cortado os laços com a regiom e recusa a conceder-lhe ajuda militar, econômica ou qualquer outra. Isto é apesar das repetidas aberturas de Muslim para o governo sírio e declaraçons de apoio contra os grupos islâmicos que fazem umha guerra terrorista contra as duas entidades.

A partir da sua fronteira norte com a Turquia, Rojava está sob ataque constante. O governo turco afirmou a sua intençom de nom aceitar qualquer tipo de entidade autônoma curda dentro Síria, independente ou nom, e levarom a cabo ataques regulares de bombardeio contra alvos civis a fim de enfraquecer a vontade do povo curdo. Estes ataques intensificarom no início deste ano, à frente da força oficial de invasom, que entrou no Curdistam sírio em agosto.

Assim, o incipiente governo regional de Rojava encontrou-se luitando umha guerra em três frentes; contra o o ISIS, contra a Turquia, e às vezes até mesmo contra o governo sírio. Apesar das repetidas tentativas de umha paz significativa, este estado de hostilidades diretas tem visto pouca mudança nos últimos anos. Enquanto os EUA se envolveu em lançamentos aéreos esporádicos para ajudar a Rojava nos últimos dous anos, a sua assistência (e promessas de ajuda) tem sido evasiva e indecisa. A Rússia, por outro lado, tem-se revelado um aliado muito mais eficaz, permitindo às YPG chamar por ataques aéreos identificando posiçons, dando-lhe algumha superioridade aérea muito necessária na luita contra o ISIS e outros grupos terroristas.

No entanto, qualquer apoio dado pola Rússia – em outras palavras, qualquer apoio substancial -tem sido constantemente prejudicado por Ocidente em cada turno. O ex-secretário de Relaçons Exteriores britânico Philip Hammond dixo no início deste ano que estava “perturbado” com os relatos de ajuda russo para as forças curdas no norte da Síria, pouco antes dos britânicos juntaram-se aos americanos em chamar os russos para ‘sair’ da Síria. No entanto, eles nom fornecem nengumha alternativa eficaz, condenando a Rojava à extinçom nas maos de Turquia e o ISIS.

O comportamento dos Estados Unidos tem sido particularmente perturbador. Após a tentativa separatista de Kosovo nos Balcás, os EUA enviaram a sua força aérea para deixar cair umha quantidade surpreendente de bombas sobre a Sérvia, a fim de garantir a independência do estado incipiente. Assegurar os direitos humanos do povo do Kosovo e impedir o genocídio estavam entre as razons usadas para legitimar esta campanha. Diante disso, as açons norte-americanas na Síria som difíceis de racionalizar. Elas som inconsistentes, nom só com as suas decisons anteriores ao enfrentar circunstâncias similares, mas também com a ideia da América como umha naçom em busca de manter a ordem internacional, evitar o genocídio e os crimes contra a humanidade, e garantir a paz no mundo.

Os Estados Unidos e a Gram-Bretanha optarom por ver Rojava e de feito o povo curdo nom como qualquer outra naçom ou merecedor das liberdades fundamentais, os direitos humanos, e direito às normas mínimas de dignidade, mas em vez disso como peons em umha espécie retorcida de Grande Jogo que está sendo jogado por políticos de Washington contra a Rússia de Putin. Como peons, os curdos estam a ser utilizados quando é conveniente e descartados quando se tornam um inconveniente. E dada a resposta silenciosa dos EUA à invasom turca de Rojava no mês passado, parece ser o caso que o ‘inconveniente’ está aumentando.

Cada vez mais, as vozes de políticos ocidentais, grupos de reflexom e os chamados “analistas políticos” parecem estar a aumentar. A condenaçom das instituiçons de Rojava polos ocidentais é cada vez mais dura. Eles criticam a regiom autónoma por nom ser plenamente democrática, apesar do fato de que está envolvida em umha guerra com os adversários genocidas cujo objetivo é nom só a destruiçom da estrutura administrativa, mas também do povo curdo como um todo. Eles exigem que o governo cesse a sua política de recrutamento, ignorando o conflito existencial, e ao mesmo tempo nom oferecendo absolutamente nada em termos de umha alternativa.

Claro, algumhas críticas sobre o governo e as forças armadas de Rojava som legítimas. Há algumhas evidências que sugerem que aconteceu em algumha ocasioom o recrutamento de menores de 18 anos, apesar de ser ilegal sob as leis de Rojava. Há também razons para criticar a estrutura do governo e o domínio total do PYD à custa de outros partidos.

Mas essas críticas estam ultrapassando nas suas conclusons. Sugerem que, desde que existem problemas como esses, o Ocidente deveria abandonar os curdos sírios aos lobos.

A fazer isso seria desastroso. Nom só seria fortalecer o Estado Islâmico, a posiçom totalitária do governo Assad, mas também umha Turquia cada vez mais islâmista e autocrática. Isso representaria umha grave traiçom das promessas anteriores de apoio feita aos curdos, e, assim, fazer que os EUA a sofrer um golpe enorme ao seu prestígio internacional. Mas o mais importante, constituiria umha traiçom dos princípios que nos som tam caros; os dos direitos humanos universais, o direito internacional e o princípio da auto-determinaçom, conforme descrito na Carta da ONU.

Abandonando os curdos nom imos ganhar nada e reforçariamos os nossos inimigos. Devemos apoiá-los contra os nossos inimigos mútuos como a única pedra de estabilidade no turbulento Oriente Médio.

Will TG Miller é um analista político e ativista da causa curda. O seu trabalho incide sobre o Oriente Médio, Islamismo, e os direitos humanos.

Publicado em Kurdish Question.

 

O Perigroso jogo da Turquia na Síria ameaça todo Oriente Médio

Turkey DangerousPor Cihad Hammy

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan e Vladimir Putin reunirom-se recentemente para abrir um novo capítulo nas relaçons turco-russas, normalizar laços até entom tensos entre os seus países. Esta tensom começou no ano passado, quando a Turquia derrubou um aviom russo que estava violando o espaço aéreo turco. Este novo capítulo muda drasticamente toda a cena do conflito Sírio.

No centro deste novo desenvolvimento encontra-se o antagonismo profundamente arraigado de Ancara em relaçom os curdos, tanto na Síria como em Turquia. A fim de antecipar os planos curdos para conectar os três cantons de Afrin, Kobane e Jazeera, Ankara adotou medidas para normalizar as relaçons com a Rússia, o Iram e a Síria, e ganhar o seu apoio a umha intervençom militar no norte da Síria.

 Tensons de Washington e Ancara sobre os Curdos Sírios

Washington tem um sucesso notável na melhoria da sua coordenaçom com os curdos sírios para destruir o ISIS, que é agora a prioridade de Washington no conflito Sírio. A coalizom internacional liderada polos EUA estabelecerom umha parceria bem sucedida e eficaz com as Forças Democráticas da Síria (SDF). Esta força, liderada polas YPG curdas, inclui diversos povos da regiom do norte da Síria, ou seja, árabes, assírios, armênios, Turcomanos, e facçons circassianas e grande número das Unidades de Proteçom das Mulheres (YPJ).

As forças das SDF e das YPJ som eficazes em derrotar e tomar cidades do Estado Islâmico no leste e norte da Síria. Por isso, ganharom a confiança das instâncias de decisom dos EUA e agora som apoiados por ataques aéreos dos EUA e forças especiais. Sob este modelo, a cidade mais recentemente libertada foi Manbij, umha cidade altamente estratégica, que serviu como centro nas principais rotas de abastecimento do ISIS. O sucesso de Manbij cortou o ISIS com o exterior e agora os impede de mover aos seus combatentes da Síria para realizar ataques terroristas na Turquia e na Europa.

No entanto, o governo de Erdogan está extremamente descontente com o apoio que Washington fornece às SDF porque fortalece ao Partido da Uniom Democrática (PYD), um grupo curdo ideologicamente vinculado ao Partido dos Trabalhadores do Curdistam (PKK), o odiado inimigo interno da Turquia. Ancara rejeita qualquer entidade que ostente a aparência de auto-governo curdo, tanto em Ancara ou ao longo da sua fronteira sul, e considera o PYD como parte do PKK. Em fevereiro passado, umha delegaçom, incluindo o enviado dos EUA para a coalizom internacional contra o ISIS, Brett McGurk, reuniu-se com as YPG. Isto levou a Erdogan a exigir furiosamente que Washington optara entre el ou os curdos sírios. “A quem quere de parceiro, a mim ou os terroristas de Kobane?” dixo Erdogan a jornalistas no seu aviom quando regressava de umha viagem à América Latina e o Senegal.

Nom muito tempo depois do ultimato de Erdogan, Washington respondeu declarando que o PYD nom era umha organizaçom terrorista e os combatentes curdos eram os mais bem sucedidos no combate contra o ISIS dentro da Síria. Além disso, a coalizom liderada polos Estados Unidos enviou autoridades militares e conselheiros para o norte da Síria, a fim de apoiar as forças terrestres curdas na destruiçom do ISIS. De qualquer modo recentemente Washington mudou a sua postura por apaziguar a Ankara e pedindo as forças das YPG “recuar para o leste do Eufrates”. Embora esta seja umha vitória diplomática que Ankara ganhou mudando a sua política externa e buscando apoio de Moscou, o Iram e a Síria, isso nom significa que os laços entre os curdos sírios e os EUA foram completamente cortados.

Novas aproximaçons de Ancara e as suas reflexons sobre os curdos

Durante quase um século, os estados-naçom do Oriente Médio se unirom no combate e repressom dos curdos. Hoje, a aproximaçom de Ancara com a Rússia renova esta dinâmica, abordando nom só a sua própria agenda anticurda, mas também a de Síria e Iram.

Para Assad, a aproximaçom ajuda a manter o seu regime centralizado porque o projeto político que os curdos na Síria estam realizando tem como objectivo desmantelar o poder do Estado-naçom centralizado e em vez disso tenta capacitar as pessoas em torno de instituiçons de base. O regime também pode encontrar a oportunidade para retomar territórios no leste da Síria agora sob control curdo. Na verdade, a última luita entre o Exército sírio e as YPG em Hesekê pode ser interpretado como um gesto de boa vontade por parte do regime em relaçom a aproximaçom de Moscou com Ancara. Em troca, Ancara pode cortar o apoio de grupos islâmicos autoritários em luita contra Assad em Aleppo e direcionar estes grupos-islâmica -authoritários contra os curdos no norte da Síria. (Algo que está acontecendo agora em Jarablus.)

Teeram como Ancara, teme que os curdos sírios vaiam incentivar aos curdos iranianos a se revoltar e exigir os seus direitos cívicos e culturais. Umha revolta curda no Iram ameaça o seu regime islâmico e a segurança nacional. Iram pode deixar de lado velhas tensons com Ancara e cooperar na luita contra a maior “ameaça perigosa”, os curdos. Quanto a Moscou, a nova aproximaçom ajuda a manter no poder a Assad.

Para evitar mais autonomia dos curdos, Ancara enviou as suas tropas de terra no norte da Síria, a fim de antecipar-se a ligaçom dos cantons curdos de Kobane, Jazeera, e Afrin. No entanto, a fim de intervir no norte da Síria a esta escala, eles deveram ter tido a aprovaçom de Moscou e Teeram. Tendo feito isso, eles agora estam usando tropas e grupos islâmicos autoritários como Faylaq al-Sham, Ahrar Alsham, Sultan Murad, e o batalhom Nour al-Din al-Zenki para tomar o control de Jarablus e Al Bab.

É óbvio que a chamada guerra de Ancara contra o Estado Islâmico (ISIS), em Jarablus foi apenas umha substituiçom de combatentes do ISIS por outros grupos islâmicos autoritários que som cópias dos jihadistas. A “luita” contra o ISIS em Jarablus testemunhou que nom há armadilhas, nom há franco atiradores do ISIS, nom há lutadores à espreita do ISIS usando escudos humanos, nom houvo ataques a bomba, sem nom houvo resistência do ISIS. Nom houvo luita em Jarablus, mas sim ordes dadas polo governo turco e a realizaçom dessas ordens polos seus “soldados”. Isso ficou claro para os meios de comunicaçom internacionais e a opiniom pública e nom puido ter escapado à atençom dos governos ocidentais.

 Apoio dos Jihadistas da Turquia Mostra as Aspiraçons Neo-otomanas Estam Bem Vivas

Nom é umha coincidência que o 24 de agosto, o mesmo dia em que Ankara invadiu a Síria, é o mesmo dia da Batalha de Marj Dabiq. A batalha tivo lugar em 1516-1517 entre o Império Otomano e o Sultanato Mamluk e terminou em umha vitória otomana e a conquista de grande parte do Oriente Médio. O simbolismo da batalha de 500 anos atrás foi muito usado na Turquia antes da operaçom e é um sinal da continuaçom da mentalidade expansionista do governo turco. Embora o governo afirma que nom está na Síria permanentemente, a tentativa é colocar umha regiom sob control islâmico e a mentalidade que ocupava o Oriente Médio há 500 anos. O movimento é também umha mensagem ao mundo inteiro de que a Turquia ainda é um jogador no jogo da Síria e nom pode ser ignorada.

No entanto, a intervençom de Ancara nom será um piquenique turístico, mas sim um pesadelo carregado com perdas militares e humanas. Já vários tanques turcos forom destruídas e um soldado foi morto no sul de Jarablus. Turquia lançou ataques aéreos em Afrin (sudoeste) e Ain Diwar (sudeste) e dirigiu os seus tanques para a fronteira de Kobane para erigir um muro. Mas el está sendo recebido com resistência em todos os lugares, e nom só dos curdos, mas de árabes -quem Turquia alega estar liberando dos curdos- e outros grupos etno-religiosos.

Mapa Jarablus Manbij Al BabA Intervençom da Turquia vai aumentar a violência na Síria e na Turquia

Os governos ocidentais e dos Estados Unidos som forças pragmáticas; eles só ajudam movimentos ou estados quando se trata de proteger os seus próprios interesses. A este respeito, os EUA ao que parece, está contente com a intervençom turca na Síria porque a sua principal preocupaçom é degradar o ISIS. Como tal os EUA nom se preocupam com os resultados desta intervençom, o que provavelmente vai levar a anos de violência entre o governo turco e os curdos na Síria, e alimentar a violência, guerra e instabilidade na Turquia. A ‘Sirianizaçom’ da Turquia, neste sentido, é cada vez mais provável. Na verdade, cousas tais como democracia, paz e a estabilidade, que som necessários para os povos do Oriente Médio, como o pam e água som de importância secundária ou nem sequer existem na política externa dos EUA.

Nom é necessário ler volumes de saber quem está a favor e tem um projeto para a paz e a democracia na Turquia e no Oriente Médio e quem pode iniciar um fim à confusom atual. Lendo apenas umha página escrita por Abdullah Öcalan – líder curdo e pensador que inspirou o Modelo de Rojava – iria esclarecer quem quer a paz, a liberdade, a democracia, a estabilidade, a convivência, fraternidade, igualdade de gênero, e umha sociedade ecológica e ética na Turquia e o Curdistam . Todos esses valores e princípios estam agora sob sete chaves em umha prisom turca. O governo turco nom quer um fim para o conflito; se o figesse, teriam acabado com o isolamento de Öcalan para lhe permitir desempenhar um papel eficaz no fortalecimento do estagnado processo de paz. Em vez disso, optou por prosseguir a sua política de isolamento de Öcalan e dos políticos curdos em geral, mesmo após a recente tentativa de golpe.

Isso deixa apenas umha coisa para os curdos: a resistência. Porque a resistência é a única cousa que pode trazer o Estado turco de volta a qualquer tipo de mesa de negociaçom. Como o co-presidente do PYD, Saleh Moslem, dixo após a intervençom de Ancara na Síria, “A Turquia vai perder muito no lamaçal da Síria, e seram derrotados como o Daesh (ISIS).” Agora, apenas umha derrota turca rápida pode salvar a regiom. A alternativa é que todos os envolvidos perdam.

Jihad Hammy é um curdo de Kobanê. Ele era um estudante de literatura de Inglês da Universidade de Damasco antes de fugir devido à guerra civil na Síria.

Artigo publicado em Kurdish Question.

 

 

 

 

 

O novo ano escolar em Rojava

Escola Rojava 03A transformaçom social da Rojava (Curdistam da Síria), quer revoluçom quer mudança, quer evoluçom tem umha pedra fundamental na educaçom. No dia a dia, olhamos para os movimentos militares, as vitórias, derrotas, mortes ou declaraçons políticas. Mas Rojava nom só está sendo construída nas trincheiras. É nas aulas, onde o movimento de libertaçom curdo quer ampliar a sua mudança social. A máxima é clara: a paz é construída nas escolas.

Escola Rojava 01 cPor isso houvo um triplo esforço que vai dar resultados nas próximas semanas com o início do curso. Primeiro com novos livros de ensino. Assad proibiu qualquer outra língua que nom fôsse o árabe. Após 52 anos de proibiçom haverá livros em língua curda, e a língua assíria vai ser ensinada, umha variante do aramaico, perseguido polo pai de Assad depois do seu golpe de Estado no 1970. E também por Assad filho depois de ter sido escolhido a dedo polo seu pai golpista em 2000. Agora, depois de dous anos sombrios, estream-se os primeiros livros de ciência em curdo, nomeadamente em dialeto Kurmanji.

Escola Rojava 02 bEm segundo lugar forom construídas novas escolas. Emblematicamente em Kobanê, a cidade destruída polo Estado Islâmico entre Setembro 2014 e Janeiro de 2015. Construirom-se escolas com a recolhida de fundos solidários.

Escola Rojava 04E, finalmente, formarom mais professores e, acima de tudo, professoras. Aos 700 do Cantom de Cizire agora se juntam mais alguns centos. Como aqueles que concluíram umha formaçom abrangente em Tell Temir, para ensinar árabe. Professoras e professores que ensinam seguindo o modelo de Rojava que foi introduzido há dous anos. Sem memorizaçom. Com um diálogo permanente professor-aluno. Com o convite aos  “mais velhos” para manter umha sinergia constante e a transferência de conhecimento para os estudantes.

Escola Rojava 06Baseado no artigo de Cristina Torrent para Kurdiscat.

Umha revoluçom nom é um jantar de gala

A revoluçom nom é um jantar de galaEscrito por Meredith Tax

A palavra “revoluçom” significa o mesmo para o movimento de libertaçom curdo e para os esquerdistas norte-americanos que apoiaram o Bernie Sanders? Uma pequena história…

Durante o século XX ficava claro o que as pessoas queriam dizer quando usavam a palavra “revoluçom”. Mao Tsé-Tung falou, melhor do que ninguém: “Nom se obtêm com a mesma elegância, calma e delicadeza. Nem com a mesma suavidade, amizade, cortesia, moderaçom e generosidade. A revoluçom é umha insurreiçom, um ato de violência na qual umha classe invalida a outra”.

Os fundadores do PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistam) na Turquia consideraram esta definiçom em 1978 quando apresentaram umha estratégia de guerra popular que iria conduzir à formaçom de um Estado curdo independente. Ao princípio, centraram-se na “propaganda polos feitos” e no treinamento militar na construçom do que, logo, converteu-se numha força extremadamente combativa, como foi descoberto polo ISIS na Síria. Mas, a sua visom sobre a revoluçom foi enormemente ampliada durante a década de 1990 quando o movimento de resistência civil chamado Serhildan surgiu nas regions curdas da Turquia, juntamente com os esforços em construir um partido parlamentário que pudesse combinar trabalho eleitoral e o de apoio.

Isto nom foi fácil eis que cada vez que os curdos fundavam um partido dentro do sistema eleitoral e se candidatavam a algum cargo o Estado turco declarava ilegal essa organizaçom -isto aconteceu em 1993, 1994, 2003 e 2009 e, agora, está acontecendo com o HDP (Partido Democrático dos Povos)-, apesar de todo (e devido a isso) obtivo 13,1% de votos nas eleiçons estatais parlamentárias em junho de 2015.

A resposta de Erdogan a este sucesso eleitoral foi a convocaçom de novas eleiçons e, ao mesmo tempo, iniciar umha política militar forte sobre as cidades curdas no sudeste da Turquia onde a povoaçom civil foi submetida à bombardeios, desocupaçons e inúmeros crimes de guerra, ao mesmo tempo em que as suas casas e as vizinhanças eram destruídas. Todo isso foi feito em nome do combate ao terrorismo do PKK.

De feito, o PKK rechaça o terrorismo há mais de 20 anos, no seu 5º Congresso, realizado em 1995, quando juraram publicamente respeitar a Convençom de Genebra e as todas as leis de guerra, rechaçando, assim, os crimes contra a povoaçom civil mas, mantendo o seu direito à autodefesa armada contra o governo turco. Neste mesmo Congresso, fundaram o exército das mulheres dando-lhe total independência para aumentar a sua capacidade de autogestom e incentivar a liderança das mulheres nesta luita. A Co-prefeita de Amed (Diyarbakir), Gültan Kişanak, declarou, em recente entrevista, sobre a forma na qual o PKK foi-se transformando, dizendo que, no princípio, a perspectiva era de realizar primeiro a revoluçom e, depois, tomar providências em relaçom às mulheres mas, isso mudou na década de 1990 dada a enorme influência do movimento internacional polos direitos das mulheres:

“Neste novo ambiente as mulheres começaram a assumir funçons importantes e criaram as suas próprias estruturas separadas, nom só seguindo o que dizia o movimento politico de modo geral mas, também, criando políticas alternativas que o partido tivo que obedecer… Estas mudanças nom foram fáceis e os direitos nom foram cedidos polos homens sem mais nem menos: as mulheres curdas temos lutado em todos os níveis e conseguimos estas mudanças apesar das barreiras que enfrentamos dentro da sociedade patriarcal e, em que pese, a resistência de alguns dos nossos companheiros homens”.

Os curdos em Rojava (Curdistam sírio) seguem a mesma filosofia política do movimento na Turquia. Por tanto, apesar de Rojava ser umha novidade que declarou a autonomia em 2012, o movimento lá presente está embasado em quarenta anos de experiência política acumulada nos quais, nos últimos vinte, se deu especial destaque ao desenvolvimento da democracia local, à organizaçom comunitária e à liderança das mulheres.

Comecei a estudar o movimento das mulheres curdas durante a batalha em Kobane e, rapidamente, fiquei convencida de que a sua história é tam importante que tinha a obrigaçom de fazer isto, de escrever em inglês o mais rápido que podia, apesar de que nom poderia ir até lá e estava limitada pola minha falta de conhecimento em outros idiomas.

Na medida em que trabalhava emA Road Unforeseen: Women fight the Islamic State” [Um caminho imprevisto: a luita das mulheres contra o Estado Isâmico], era constantemente chocada pola natureza radical desta revoluçom e pola forma em que questiona as estruturas mais básicas da esquerda, nom só no que se refere às mulheres mas, sobre a relaçom entre a luita armada, o movimento de massas, a atuaçom dos partidos no parlamento e o próprio Estado em si mesmo.

As revoluçons marxistas-leninistas do século XX estam embasadas na premissa de que o Estado era um instrumento de dominaçom da classe burguesa que poderia ser tomado e convertido aos interesses da classe operária sob a “ditadura do proletariado”. No seu 5º Congresso em 1995, o PKK descreveu como se desenvolvera isso na URSS: “Ideologicamente, produziu-se um declínio em direçom ao dogmatismo, ao materialismo vulgar a ao chauvinismo pan-russo; politicamente, foi a criaçom do centralismo extremo, umha suspensom da luita de classes democrática e a emergência dos interesses do Estado a um nível de fator determinante; socialmente, reduziu-se a vida livre e democrática da sociedade e dos seus indivíduos; economicamente, o setor estatal foi dominante e foi um fracasso a tentativa de superar umha sociedade de consumo que era mantida no estrangeiro; militarmente, o crescimento do exército e da adquisiçom de armas tivo prioridade sobre outros setores. Este desvio ficou cada vez mais claro durante a década de 1960, levando o sistema soviético a umha condiçom de estancamento absoluto”. 

Em 1989, Abullah Öcalan foi capturado, preso e acusado de assassinato, extorsom, separatismo e traiçom; a sua sentença de morte foi transformada em prisom perpétua devido as regulaçons implementadas pola Uniom Européia.

Começou a estudar a escrever dentro da prisom e, assim, deu inicio aos questionamentos sobre o papel do Estado. Na sua Declaraçom do Confederalismo Democrático em 2005, bem como nos seus escritos sobre as mulheres, expôm umha teoria que rompe completamente com o manual leninista.

Atualmente o movimento de libertaçom curdo afirma a ideia de que os Estados som intrinsecamente hierárquicos, com bases étnicas e sexistas e que ao invés de tomar o aparelho estatal um movimento de libertaçom deve estar envolvido com o Estado apenas até o ponto em insistir que este deve ser democrático e permitir a autonomia; pra além disso, o movimento deve concentrar as suas forças no desenvolvimento de economias democráticas e da autonomia local embasado em princípios anticapitalistas, feministas e ecológicos.

Esta estratégia, que está sendo colocada em prática em Rojava, ainda nom foi capaz de chegar a sua plenitude devido à guerra e ao embargo que assola a regiom. Rojava está cercada por forças hostis em todas as suas fronteiras: luitando contra o ISIS, Jabhat al-Nusra (agora usando um novo nome[Jabhat Fateh al-Sham (Frente de la Conquista de Levante)]) e outros grupos islamistas na Turquia; sendo bombardeada polo exercito turco e, recentemente, por Assad; também, está sendo bloqueada polos aliados da Turquia, o PDK na regiom autônoma do Curdistam iraquiano que fai fronteira com a Síria.

Juntos, o PDK e a Turquia impugerom um brutal cerco econômico sobre Rojava, negando-lhes alimentos, materiais de construçom, material de uso médico e até mesmo remédios, fazendo com que se torne muito difícil que as pessoas poidam entrar ou sair da regiom.

Na medida em que a ONU envia ajuda estes recursos som acumulados nas fronteiras, Rojava nom está conseguindo, sequer, alimentar os centos de milheiros de refugiados que buscam asilo naquela regiom, a última onda vem de Manbij e Aleppo (cidades que tiveram grandes embates no último mês). A OTAN nom colocou pressom suficiente na Turquia para insistir que seja levantado o cerco à regiom e os EUA nom usaram da sua influência com o PDK (Partido Democrático Curdo).

Por mais que o golpe fosse dirigido polos mesmos oficiais que estavam bombardeando as cidades curdas, os porta-vozes destas regions asseguram que o que aconteceu foi um contra-golpe, com a intençom de que Erdogan poidesse impôr umha ditadura islamista ao invés de umha ditadura militar. Sem dúvidas é muito significativo que o único partido que Erdogan excluiu depois do golpe é a grande coalizom democrática do HDP, partido formado por curdos, inconformistas, intelectuais, feministas, minorias e homossexuais.

Foi umha experiência estranha estar escrevendo “Um caminho imprevisto” justamente quado estava começando ter sucesso a “revoluçom política” de Bernie Sanders nos EUA. Apoiei ao Sanders; era muito bom ouvir um político de renome nacional usar a linguagem da esquerda, algo que se tinha convertido em um tabu entre as principais correntes dos EUA depois da caída do muro de Berlim. E foi comovedor ver umha nova geraçom sensível frente às ideias radicais.

Mas, Bernie nunca explicou realmente o que queria dizer com umha “revoluçom política” e, muitos dos seus seguidores, eram jovens e nom tinham estudado muito sobre história, isso fazia que parecera possível pensar e fazer umha revoluçom em umha campanha eleitoral. A sua dor quando Bernie avaliou a Hillary Clinton -como sempre dixo que faria se ela conseguisse a nomeaçom- foi compreensível, como foi a sua indignaçom de que o sistema de partidos fosse partidista, regido por umha carreira de afiliaçom à longo prazo, e bastante hostil às emergências democráticas repentinas vindas de fora.

A história do movimento curdo poderia lhes ensinar o difícil que é fazer umha revoluçom, o tempo que demora tudo isso e o porque as mulheres serem a chave deste processo. Como dixo Frederick Douglass: “O poder nom concede nada sem umha demanda. Nunca o fixo e nunca o fará”.

A história do proletariado dos EUA mostra que quando os interesses econômicos substanciais estam em jogo, os poderes fáticos podem luitar para manter cada polegada. O tipo de mudança que precisamos nos EUA nom vai acontecer em um ciclo eleitoral. Nom vai acontecer somente por meio de umha política eleitoral nem somente por meio de protestos. Isto só irá acontecer por meio do tipo de organizaçons que os curdos venhem criando.
O movimento de libertaçom curdo desenvolve a força que foi construída em muitos anos de educaçom popular, de construçom das suas próprias instituiçons, combinando trabalho eleitoral e parlamentário com a resistência nom violenta e a autodefesa armada sempre e quando for necessária, destinando os seus esforços em “servir ao povo”, como diriam as Panteras Negras, ao mesmo tempo, em que vam construindo organizaçons administradas democraticamente que poidam ser sustentáveis. É por isso que é tam importante apoiá-las, bem como aprender dos seus exemplos.

A recente tentativa de golpe de Estado na Tuquia em julho -o qual foi imediatamente denunciado polo HDP- nom parece ter mudado em nada os assuntos relativos aos curdos.

lead-Meredith-TaxMeredith Tax é escritora e ativista política desde o final da década de 1960, foi membro do Bread and Roses, fundadora presidente da Comissom Internacional de Mulheres Escritoras do PEN, presidente fundadora de  Women’s WORLD, e co-fundadora do Centre for Secular Space. Os seus últimos livros som Double Bind: The Muslim Right, the Anglo-American Left, and Universal Human Rights e A Road Unforeseen: Women Fight the Islamic State.

Publicado em Opendemocracy.

 

 

Umha carta de amor para Jarablus

Mulheres curdas em Kobanê / Hawzhin Bouhaddou
Mulheres curdas em Kobanê / Hawzhin Bouhaddou

Por Hawzhin Azeez

Turquia está a atacar a cidade de Jarablus com a ajuda de grupos islâmicos apoiados por eles e apoio aéreo dos EUA. Nom so estam os curdos e as Forças Democráticas da Síria (SDF) em Rojava cercados no sul polos russos apoiando as forças do regime, o Isis no centro, juntamente com umha amálgama de outros aspirantes a jihadistas que competem entre si para ganhar poder e território, mas agora no norte os EUA aprovarom a invasom da Síria pola Turquia e os seus clones do ISIS que se está desenrolando. Pior ainda, embora nom surpreendente, é a crença generalizada de que Barzani aprovou a invasom depois de umha reuniom entre el e Erdogan ontem.

Traído, cercado, sufocando em meio ao fedor sufocante da traiçom, as YPG-YPJ-SDF, cansas da recente libertaçom de Manbij e, em seguida, o conflito com Assad em Hesekê, Rojava continua incansável. O problema que a Turquia, Assad, EUA, Iram e os seus companheiros enfrentam nom é a “questom curda”, que as suas mentes fascistas, imperialistas, violentamente coloniais orientalistas sempre considerarom como o “problema curdo”. O que eles enfrentam é a “Alternativa curda”, umha ideologia que viu milheiros desses combatentes da liberdade subir ao Monte Shengal para libertar os Jazidis e luitar contra exércitos mil vezes melhor equipados ca eles, a ideologia era mais poderosa do que quaisquer armas ou bombas que o ISIS e a Turquia poderia lançar aos curdos, e, finalmente, levou à liberaçom de Kobane; a mesma ideologia que arde mais brilhante do que as bombas Made-in-USA que som acionados por maos turcas em Jarablus sobre os seus civis inocentes agora, e que atuará como a luz guia que vai levar os deslocados a Kobane, Cezire e Afrin.

As livres, zonas autônomas de liberdade, humanidade, e resistência continuam a existir; sobrevivem e sobrevivem e sobrevivem e permanecem e ardem brilhantes, apesar das fronteiras fechadas, as reunions secretas, as alianças feitas e quebradas. Já nom podemos confiar nas montanhas, pois mesmo elas nom podem proteger-nos contra esse tipo de traiçom, assim como nós nunca fomos quem de confiar em certos curdos. Mas o ponto de partida da nossa libertaçom já está ao nosso alcance. Nas maos de jovens que termam as armas da libertaçom e a liberdade, e a ideologia de inclusom e multiculturalismo, por outro. À medida que os imperialistas vampiros, sedentos de sangue do capitalismo ajudam-se os uns aos outros a destruir a Síria e Rojava, bombardeando crianças com terror e traumas, nós reconstruímos; levarmos os famintos, os cansados, os deslocados e os despossuídos; levarmos as mesmas pessoas que eram responsáveis e encarregadas das nossas torturas, violaçons, massacres e opressons pouco tempo atrás, e colocamos o pano quente da democracia inclusive nos seus ombros cansos. E esta é a maior arma, a maior ameaça, o maior artefato explosivo de umha profunda mudança e humanidade que eles estam tentando sufocar com as suas tácticas terroristas na pretensom de destruir outros terrorismos que o seu terrorismo provocou. Mas a nossa arma é muito maior; o já frágil, home velho – considerado tam perigoso- que eles forçarom-no a sentar sozinho em uma cela por 17 anos na Ilha de Imrali – que deu origem a umha ideologia e umha revoluçom tam profunda que destruiu milheiros de anos de racismo e sexismo- assim que as mulheres árabes cansas podem fugir voluntariamente cara a seguridade das armas libertadoras das. A ideologia que orienta armênios, assírios, árabes, cristians e outros a juntar as maos com os Curdos – voluntaria e organicamente, com o sangue dos seus corpos que estam juntos nas linhas da frente- a formar a alternativa:

A lenda de Rojava, de Kobane vive hoje; respira; existe; formula-se e reformula-se. Rojava nom será conferida ao passado, nom seram os Camelots, o Avalons, nem a Ithaca de Homero do passado porque muitas pessoas tenhem vindo a conhece-la; e muitos estam dispostos a morrer por isso – nom pola Utopia que poderia ser em um futuro distante, imprevisível, mas a Utopia que é hoje.

Eles nem sequer sabem o que estam luitando com a sua produçom de guerra, fabricaçom de bombas baseadas nas alianças: podedes matar às pessoas, destruir os edicícios mais resistes; mas nom podedes matar as ideas e as mentes livres.

 

Hawzhin AzeezHawzhin Azeez tem um doutorado em Ciência Política e Relaçons Internacionais. Ela é defensora dos direitos das mulheres e dos refugiados. Está atualmente trabalhando na reconstruçom de Kobane através do Conselhode  Reconstruçom de  Kobane.

 

Turquia, Síria e Iram Atacam Rojava: Ilham Ehmed

Ilham EhmedA co-presidente do Conselho Democrático da Síria (MSD) Ilham Ehmed afirmou que o ataque a Hesekê por forças do regime da Síria é o resultado dum “novo conceito” acordado entre os regimes de Turquia, Iram e Síria (Baath), e acrescentou que era um processo e situaçom novos. Ehmed dixo: “Mas nom está totalmente claro se isto é estratégico (de longo prazo) ou táctico (curto prazo). É evidente que há um grande jogo aqui e o Estado turco está à frente del”.

Ilham Ehmed falou com Ajansa Nûçeyan a Firatê (Agência de Notícias do Eúfrates – ANF) sobre o contexto do conflito entre Rojavan e as forças do regime da Síria na cidade de Hesekê no 8 dia (e final) de luitas. [Conflito encerrado o 23 de agosto de 2016 na sequência de um cessar-fogo no que as forças do regime da Síria retiram-se completamente de Hesekê.)

Ilham Ehmed salientou que foi a primeira vez que o regime lançou um ataque planejado antecipadamente sobre Rojava e dixo: “Este ataque é um ataque polo poder e ocupaçom. É um ataque para usurpar a vontade do povo que se criou nos últimos cinco anos. É por isso a resistência e a postura contra este ataque polo nosso povo e as nossas forças continua. Nom imos recuar desta posiçom e nunca imos ajoelhar “.

“Esta é umha mensagem para a Turquia”

Ehmed dixo que as forças do regime lançaram ataques a cidades como Hesekê e Qamishli antes, mas que o nível de preparaçom e o alcance do ataque era a primeira vez. Enfatizou que este ataque nom foi realizado por umha unidade local ou pequena, mas partiu do regime.

“Este ataque é um resultado do “novo conceito” acordado entre os regimes de Turquia, Iram e Baath [Síria de Assad]. É umha situaçom e processo novo. Mas nom está totalmente claro se é estratégico ou tático. É evidente que há um grande jogo aqui e o Estado turco está à frente del.

O regime abstivo-se de tais conflitos até agora, e mantinha as sensibilidades entre os curdos e o estado em mente. Apesar de haver ataques ocasionais e retaliaçons contra eles, o uso de avions de combate, declaraçons chamando as forças de segurança na regiom “PKK” mostra que eles falam a língua do Estado turco.

Com isso, o regime sírio está dando a Turquia a mensagem: “Aceite-me permanecer no poder. Convença os seus grupos aliados a fazer o mesmo. E eu vou agir como vocé e falar como vocé contra os curdos. “A Turquia quer tomar o seu lugar político em Damasco” e ser influente novamente por isso está recebendo essas mensagens. ”

“O Regime turco fixo promessas que nom irá manter”

Ilham Ehmed também dixo que a Turquia tinha feito algumhas promessas ao regime em umha base anti-curda e continuou:

“Até agora, Erdogan tinha chamado a Assad ditador. Apoiou muitos grupos terroristas, incluindo o ISIS e da oposiçom e tivo-os luitando contra o regime. Turquia perdeu todos os seus amigos na regiom e tivo a novas negociaçons com o regime na esperança de reforçar-se, revivendo a sua política e bloquear o projeto de federalismo democrático liderado polos curdos. Eles declararom verbalmente ao regime que lhes iam permitir obter o apoio de grupos de oposiçom e figerom a promessa a nom opor-se a que Assad permanecera no poder. Em troca, eles pedirom que o regime parara os curdos. Em consonância com isso, a Turquia fixo umha declaraçom imediata após o ataque (em Hesekê) e expressou que o regime tinha finalmente visto que os curdos representam umha ameaça para eles também.

“A Turquia nom abandonou Aleppo mesmo agora. Na prática, eles deixam a fronteira aberta e grupos jihadistas e muniçons passam por esta fronteira diariamente. Assim, mesmo se eles entram em umha negociaçom com o regime e dim estas coisas, na prática, eles continuam a fazer o mesmo. Turquia quer levarar a guerra de volta para as regions da Síria e Rojava que forom liberadas de todas as bandas de jihadistas. A Turquia nom tem interesse na destruiçom do ISIS e a estabilidade na regiom. ”

“O Iram está a liderar a guerra”

Comentando sobre os actores políticos e militares no conflito de Hesekê, Ilham Ehmed dixo que o ataque era politicamente do Estado turco, e do Irm na prática, e acrescentou:

“Na verdade, a principal força de combate em Hesekê é o Iram. Portanto, estas duas forças estam atacando diretamente. Foi também o Iram quem luitou em Qamishli antes. Iram quer organizar-se na regiom. Quer criar os seus próprios grupos entre os árabes. Neste sentido, quer criar o seu próprio projecto na Síria através de grupos próximos ao regime. É por isso que a guerra lançada em Hesekê neste último processo também foi desenvolvida contra o interesse das pessoas árabes na administraçom autónoma democrática, sobre que eles se juntaram às Forças Democráticas da Síria e à Assembleia Democrática da Síria, e aquecendo para o projeto da federaçom democrática. Eu nom acho que essa aliança entre Turquia, Iram e o regime sírio seja permanente. Porque eles tenhem muitos conflitos políticos e estes nom som conflitos que poidam ser resolvidos facilmente. Mas, polos seus próprios interesses, estam-se unindo contra os curdos, porque eles vêem os curdos como umha ameaça.”

O papel da Rússia ainda nom está claro ”

Ehmed também mencionou o papel da Rússia na nova situaçom e dixo que a Rússia sente que eles precisam a Turquia do seu lado para determinar a situaçom em Aleppo e que eles chegarom a um acordo sobre algumhas questons. A co-presidente da MSD dixo que queriam determinar se este acordo era umha parte do conceito, e afirmou: “Por outro lado, vemos o silêncio da Rússia contra este ataque polo regime como a aprovaçom do ataque. Mas esperamos que nom seja assim. Rússia deve clarificar a sua abordagem. A Rússia aprova a destruiçom de regions curdas, e esse tipo de ataque contra umha força que tem luitado o ISIS e a fragmentaçom na Síria e desenvolveu a democracia?  Rússia deve responder a esta pergunta.”

Uma guerra muito destrutiva pode-se desenvolver ”

Alertando os poderes envolvidos no novo processo, Ehmed afirmou que a situaçom segurava grandes perigos para todos os lados. “Essas alianças e este ataque a Hesekê som perigosos. As forças hegemônicas no Oriente Médio estam prontas agora para defender qualquer tipo de terror do ISIS, entrar numha guerra muito destrutiva, e fazer os povos da Turquia vítimas desta guerra; eles estam fazendo isso so para reforçar um conceito que vai contra o projeto de democratizaçom da regiom que começou em Rojava. O silêncio das forças internacionais e a coalizom também está contribuindo a possibilidade de umha guerra ainda maior.

“A situaçom nom interessa a Rússia ou os EUA

“Existe a possibilidade de que no futuro os interesses das potências internacionais vaiam colidir e que isso vaia abrir o caminho para umha guerra muito maior. Se se trata disso, ninguém pode pará-la. É por isso que há um grande perigo. Os acordos que Rússia e EUA tenham atingido sobre a questom de Aleppo, a questom Síria, em geral, e os acordos na luita contra o ISIS podem ser perturbados por esta guerra. Esta situaçom nom é do interesse da Rússia ou dos EUA. Neste sentido, as forças da coalizom, ambas forças devem fazer umha avaliaçom urgente da situaçom e declarar que eles estam com com as forças democráticas que criarom projectos para a democracia e fraternidade dos povos como base para o seu projeto.”

Nós nunca imos ajoelhar ”

Ilham Ehmed também comentou sobre a posiçom da povoaçom de Hesekê contra os ataques: “Até agora, a esses ataques resistirom as Unidades de Protecçom do Povo (YPG), Asayish (Segurança / Polícia) e Unidades de Defesa Civil (HPC). É claro que a postura das pessoas também tem sido muito importante. O povo de Hesekê e, especialmente, os árabes em Hesekê exibirom umha postura verdadeiramente importante e valiosa. Muitas pessoas forom evacuadas por razons de segurança, e os que permanecem estam resistindo.

“Esta agressom polo regime sírio é um ataque polo poder e ocupaçom. O objectivo é usurpar a vontade dos povos que criamos na regiom nos últimos cinco anos. É por isso que a resistência e a importante posiçom do nosso povo e forças continua. Nós nunca iremos voltar atrás e nunca imos ajoelhar. Mas estamos esperando que o regime vaia entender isso e tornar-se consciente de como o Estado turco quer trazê-los ao acordo [anti-curdo] de Adana (1998), mais umha vez, e que nom há nada a ganhar lá para eles. O regime tem de reconsiderar esta decisom e apagar o fogo que eles começarom. Se eles figeram isso, será a fim dos interesses do Estado turco na regiom.”

Publicado em Kurdish Question baseado em umha entrevista da ANF- Ajansa Nûçeyan a Firatê.